Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,141
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Euro R$ 3,723
Libra R$ 4,227
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


Ata do Copom: BC vê avanços na aprovação do ajuste fiscal


São Paulo, 25/10 (Enfoque) –

O Banco Central (BC) informou na ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) — que na semana passada reduziu em 0,25 ponto percentual para 14% ao ano os juros básicos da economia (Selic), pela primeira vez em quatro anos — que o início de um novo ciclo se deve aos esforços do governo para aprovar as medidas de ajuste fiscal e ao recuo da inflação.

“Todos os membros do Comitê reconheceram os avanços e os esforços para aprovação e implementação dos ajustes na economia, notadamente no que diz respeito a reformas fiscais. Os membros do Comitê enfatizaram que esses esforços são fundamentais para a estabilização e o e o desenvolvimento da economia brasileira”, diz a ata do Copom.

Mas o Banco Central deixou claro que a velocidade e a intensidade da queda da Selic dependem de uma série de fatores que permitam o alcance das metas de inflação, tendo como foco os anos-calendário de 2017 e 2018. O BC destaca, entre outros, o ritmo de aprovação e a implementação de ajustes e a consolidação de uma trajetória de desinflação do IPCA.

“O Comitê entende que a convergência da inflação para a meta para 2017 e 2018 é compatível com uma flexibilização moderada e gradual das condições monetárias. O Comitê avaliará o ritmo e a magnitude da flexibilização monetária ao longo do tempo, de modo a garantir a convergência da inflação para a meta de 4,5%”, diz um trecho da ata, que deixa claro que, para o Banco Central não há, pelo menos por enquanto, clareza sobre como o Copom vai se comportar na próxima reunião.

O BC ressalta que vai acompanhar “atentamente esses esforços” porque as medidas terão reflexo no processo de desinflação.

“Há consenso no Comitê que a velocidade no processo de apreciação das propostas de ajustes tem excedido as expectativas. Entretanto, a natureza longa e incerta do processo sugere que há, ao mesmo tempo, risco e oportunidade.”

Na ata, o BC reafirma o compromisso de conduzir a política monetária visando atingir meta para a inflação no horizonte relevante, que abrange os anos-calendário de 2017 e 2018, de 4,5%.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 25/10/2016 09:03:08

Ricardo Eletro - Finance One
CVC - Hoteis - Finance One

Mais lidos

Fluxo cambial é positivo em US$ 2,949 bilhões em setembro, até dia 22
BRASÍLIA  -  O fluxo cambial está positivo em US$ 2,949 bilhões em setembro, até o dia 22. A p...
Dólar bate R$ 3,16 seguindo ajuste no mercado externo
SÃO PAULO  -  O dólar segue em alta em relação ao real, ainda num movimento ditado pelo merca...
Ibovespa opera em alta e dólar é negociado acima de R$ 3,15
SÃO PAULO  -  O Ibovespa operava no campo positivo em 20 minutos após o início dos negócios. ...
Arábia Saudita planeja voltar aos mercados internacionais de dívida
SÃO PAULO  -  A Arábia Saudita está planejando aproveitar o bom momento dos mercados internacio...
Ibovespa realiza lucros e cai 1,26% com piora no cenário externo
SÃO PAULO  -  O cenário internacional foi o principal motivo que levou os investidores a desenca...
Dólar sobe quase 1% e marca R$ 3,15 pela primeira vez em setembro
SÃO PAULO  -  O dólar superou o nível de R$ 3,15 pela primeira vez no mês de setembro. A alta ...

Publicidade