Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,144
Bovespa 70.011,25
CDI 9,14% a.a
Poupança (mês) 0,5192%
Euro R$ 3,726
Libra R$ 4,037
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


BC ganha R$ 4,586 bilhões com atuação no câmbio em julho até dia 28

BRASÍLIA  –  O Banco Central (BC) registra um ganho de R$ 4,586 bilhões com as operações de swap cambial em julho até o dia 28. Em junho, a perda tinha sido de R$ 546 milhões. No ano, o BC acumula ganho R$ 8,845 bilhões. Em julho do ano passado, o BC tinha perdido R$ 1,777 bilhão. Em 2016, a conta de swaps foi positiva em R$ 75,562 bilhões, após perda de R$ 89,657 bilhões em 2015.

O swap cambial é um derivativo que relaciona as variações na taxa de câmbio com a taxa de juros em um determinado período. De forma simplificada, o BC é ganhador quando o dólar cai e perdedor quando a moeda americana sobe ante o real. Os swaps não são feitos para o BC ter ganhos ou perdas, mas são uma forma de oferecer proteção cambial ao mercado e de prover liquidez em momentos de instabilidade, preservando as reservas internacionais.

O estoque de contratos já passou dos US$ 100 bilhões, caiu para menos de US$ 18 bilhões, mas voltou a subir e está na linha dos US$ 27,7 bilhões, depois que o BC fez ofertas novas de contratos entre os dias 18 e 23 maio para conter a instabilidade no mercado gerada pela delação dos controladores da JBS. Agora em agosto, o BC rolou US$ 6,181 bilhões e em setembro não há contratos em aberto.

No lado das reservas internacionais quando convertidas para reais, a perda em julho foi de R$ 58,980 bilhões até o dia 28. Em junho, foi registrado ganho de R$ 16,338 bilhões. No ano, a conta é negativa em R$ 78,062 bilhões. Em 2016 a perda contábil foi de R$ 324,123 bilhões. Em 2015, com a alta do dólar, o ganho de variação cambial com as reservas tinha sido de R$ 260 bilhões.

As operações de swaps têm impacto fiscal, pois ganhos e perdas são contabilizados na conta de juros, com consequente reflexo no resultado nominal do setor público. Em 2015, a perda de swaps elevou o gasto com juro a 8,36% do PIB e puxou o déficit nominal a 10,22% do produto. Já em 2016, o ganho com essas operações ajudou a reduzir o gasto com juros a 6,49%, trazendo o déficit nominal para 8,98% do PIB. Agora em 2017, com a queda no estoque de swaps, as variações deixam de ser determinantes para o desempenho dos indicadores fiscais, que passam a refletir o crescimento do endividamento e o comportamento da taxa de juros e da inflação.

Fonte: Valor Econômico

Ricardo Eletro - Finance One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

Mais lidos

Dono do banco Clássico chega a ganhar R$ 1 bi com elétricas
José João Abdalla Filho, conhecido Juca Abdalla, dono do banco Clássico, viu seu patrimônio aume...
Bolsas de NY caem após ameaça de Trump de paralisar governo por muro
SÃO PAULO  -  Na sessão seguinte ao melhor dia em meses para as bolsas de Nova York, as incertez...
Mercado segue otimista e fecha acima dos 70 mil pontos; Eletrobras cai
SÃO PAULO  -  A bolsa de valores resistiu à tendência de realização de lucros depois da alta ...
Dólar fecha com a maior queda ante o real desde julho
SÃO PAULO  -  O dólar sofreu nesta quarta-feira a maior queda diária em seis semanas. A moeda ...
Juros futuros registram queda nesta quarta-feira
SÃO PAULO  -  Em meio ao maior volume em quatro semanas, os juros futuros experimentaram forte pr...
Juros futuros têm queda firme, com otimismo sobre política econômica
SÃO PAULO  -  Em meio ao maior volume em quatro semanas, os juros futuros experimentaram forte pr...

Publicidade