Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,144
Bovespa 70.011,25
CDI 9,14% a.a
Poupança (mês) 0,5192%
Euro R$ 3,726
Libra R$ 4,037
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


Bolsas de NY mudam rumo após ameaças de Trump à Coreia do Norte

SÃO PAULO  –  As bolsas de Nova York bem que ensaiaram um novo dia de recordes, mas, ao longo da segunda metade da sessão desta terça-feira (8), o sentimento otimista passou a arrefecer até se tornar negativo perto do fechamento.

O gatilho para a mudança de humor veio das fortes declarações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que, pouco antes do término do pregão, ameaçou a Coreia do Norte com “fúria e fogo, como o mundo nunca viu”, se o país asiático não parar seu programa de mísseis além das bravatas contra os americanos.

Após ajustes, o Dow Jones fechou em queda de 0,15%, a 22.085,34 pontos. O S&P 500 caiu 0,24%, a 2.474,92 pontos. O Nasdaq perdeu 0,21%, a 6.370,46 pontos.

Os referenciais encerraram no negativo, apesar de Dow Jones e S&P 500 terem registrado novas máximas intradia de, respectivamente, 22.179,11 pontos e 2.490,87 pontos.

No S&P 500, o setor de matérias-primas liderou as perdas, com queda de 0,79%, após crescimento abaixo do previsto do comércio exterior da China em julho.

No Dow Jones, apenas 10 entre 30 componentes conseguiram terminar a sessão no território positivo. As altas foram lideradas pela Apple, com subida de 0,80%. No lado das perdas, os piores desempenhos ficaram com Merck, que caiu 0,83%, seguida de DuPont, com queda de 0,82%.

“As tensões geopolíticas podem ser as catalisadoras para a direção dos mercados nas próximas semanas, dependendo de como evoluírem”, disse Robert Pavlik, estrategista chefe de investimentos do Boston Private. “Se essas declarações [de Trump e da Coreia do Norte] começarem a escalar, o mercado vai ficar mais nervoso”, acrescentou.

Os movimentos em Wall Street ganharam hoje mais elasticidade diante de um cenário de volume reduzido com o aumento do marasmo de verão no hemisfério norte. Isso ocorre porque em agosto um crescente número de participantes do mercado se afasta dos negócios para aproveitar as férias.

O pano de fundo para as quedas também exibiu uma tendência de realização de lucros após o nono recorde seguido do Dow Jones e a nova máxima do S&P 500 na segunda-feira.

Com a menor quantidade de negócios, a amplitude das oscilações pode aumentar, bem como as inversões diante do noticiário político e econômico. As altas dos referenciais acionários americanos têm sido sustentadas nos últimos meses pelas fortes temporadas de balanços.

De acordo com a FactSet, até o momento a média de lucros das companhias do S&P 500 que já divulgaram os resultados subiu 10,1%, acima dos 6,2% estimados pelos analistas ouvidos na pesquisa da “S&P Capital IQ”.

“Foi um primeiro semestre muito bom para muitos fundos e gestores de recursos. Como muito dinheiro foi ganho na primeira metade do ano, há pouca razão para se assumir risco extra nos meses de verão [no hemisfério norte]”, ponderou Arthur Kwong, diretor de ações do BNP Paribas para mercados da Ásia-Pacífico.

Fonte: Valor Econômico

Ricardo Eletro - Finance One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

Mais lidos

Dono do banco Clássico chega a ganhar R$ 1 bi com elétricas
José João Abdalla Filho, conhecido Juca Abdalla, dono do banco Clássico, viu seu patrimônio aume...
Bolsas de NY caem após ameaça de Trump de paralisar governo por muro
SÃO PAULO  -  Na sessão seguinte ao melhor dia em meses para as bolsas de Nova York, as incertez...
Mercado segue otimista e fecha acima dos 70 mil pontos; Eletrobras cai
SÃO PAULO  -  A bolsa de valores resistiu à tendência de realização de lucros depois da alta ...
Dólar fecha com a maior queda ante o real desde julho
SÃO PAULO  -  O dólar sofreu nesta quarta-feira a maior queda diária em seis semanas. A moeda ...
Juros futuros registram queda nesta quarta-feira
SÃO PAULO  -  Em meio ao maior volume em quatro semanas, os juros futuros experimentaram forte pr...
Juros futuros têm queda firme, com otimismo sobre política econômica
SÃO PAULO  -  Em meio ao maior volume em quatro semanas, os juros futuros experimentaram forte pr...

Publicidade