Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,144
Bovespa 70.011,25
CDI 9,14% a.a
Poupança (mês) 0,5192%
Euro R$ 3,726
Libra R$ 4,037
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


Ibovespa fecha em queda com preocupação sobre exterior e meta fiscal

SÃO PAULO  –  Pelo segundo pregão consecutivo, o Ibovespa fechou em queda seguindo o comportamento negativo das bolsas americanas, que fecharam em baixa de mais de 1%. Os investidores estão receosos quanto a um possível conflito entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte e evitam os ativos de risco. O Ibovespa caiu 1% aos 66.992 pontos e movimentou R$ 5,7 bilhões. No final da tarde, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que “é melhor a Coreia do Norte se comportar ou estará em problemas como poucos países já estiveram.”

A queda da bolsa brasileira também teve como motivo a preocupação do investidor em relação à mudança da meta fiscal do governo federal. Em nota conjunta divulgada pouco antes das 16h30, os ministros do Planejamento, Dyogo Oliveira, e da Fazenda, Henrique Meirelles, informaram que as discussões sobre a meta serão retomadas na segunda-feira. A meta do governo central está fixada em déficit primário de R$ 139 bilhões em 2017 e de R$ 129 bilhões em 2018. Com dificuldades para fechar as contas, a equipe econômica estuda elevar a previsão do rombo, que pode chegar a R$ 159 bilhões neste ano.

A instabilidade local e no exterior elevou a volatilidade das ações brasileiras. O indicador CBOE Brazil ETF Volatility, que mede a volatilidade implícita do iShares MSCI Brazil Capped ETF, composto por ações brasileiras, subiu 11,45% aos 28,91 pontos. Como comparação no auge da crise política, em 18 de maio, a volatilidade ficou em 57,62 pontos.

O movimento de venda de ações foi quase generalizado e poucos papéis fecharam em alta no pregão de hoje. Os destaques de valorização ficaram com os papéis da Kroton, que subiram 1,54%, e as ações da Estácio, com alta de 0,31%. A equipe de analistas do Bank of America Merril Lynch distribuiu relatório a clientes em que reitera a compra de ações da Estácio e elevou o preço-alvo de R$ 21 para R$ 23. As ações encerraram o dia em R$ 19,20.

A incerteza global elevou a cotação do dólar em 0,74% para R$ 3,17, o que favoreceu as ações das companhias exportadora. Os papéis ordinários da Fibria subiram 2,05%, as ações da Suzano Papel e Celulose tiveram alta de 1,36% e os papéis da Klabin ganharam 0,57%.

Os papéis do setor financeiro fecharam em baixa, com exceção do Banco do Brasil que subiu 0,49%. O banco divulgou hoje que teve lucro líquido ajustado de R$ 2,6 bilhões no segundo trimestre do ano, alta de 47,1% na comparação com o mesmo período do ano anterior. A ação que mais caiu no setor foi Itaú Unibanco, que recuou 1,26%.

No setor de commodities, as principais ações – Vale e Petrobras – fecharam em baixa. Os papéis PNA da Vale recuaram 0,72% e as ações ordinárias tiveram recuo de 1,32%, apesar de o preço do minério de ferro ter subido 1,62% em Qingdao, na China, para US$ 76,68 a tonelada. As ações preferenciais da Petrobras caíram 2,44% e os papéis ordinários recuaram 2,51%. Os contratos futuros de petróleo WTI fecharam em baixa de 2,20% a US$ 48,48 barril.

As ações da Ultrapar caíram 2,63% e registravam o segundo maior movimento financeiro do Ibovespa, de R$ 628,93 milhões – no dia anterior o volume havia ficado em R$ 59,8 milhões. A ação com o maior volume de negócios foi a preferencial da Petrobras que girou R$ 746,41 milhões, acima dos R$ 364,8 milhões do dia anterior.

As ações da Embraer caíram 2,30%, depois que o Goldman Sachs cortou o preço-alvo da ADR da empresa de US$ 26 para US$ 18. A ação da Embraer estava cotada a R$ 14,75. Os papéis da Rumo caíram 2,70% mesmo depois de o Credit Suisse ter elevado o preço-alvo para a ação a R$ 13,50 e ter mantido a recomendação de compra. A Rumo divulgou ontem que reduziu o prejuízo em 83,3% no segundo trimestre do ano. A empresa teve prejuízo de R$ 301, bilhões, ante perdas de R$ 183,9 milhões no mesmo período do ano anterior.

Fora do Ibovespa, as ações da Positivo Tecnologia caíram 10,54%. A empresa demitiu nos últimos dias dois executivos do alto escalão da empresa. A companhia dispensou Maurício Roorda do cargo de diretor vice-presidente de marketing e vendas, após oito anos na vaga, e Elaine Camargo Roginski Guetter da função de diretora vice-presidente de tecnologia educacional.

As ações da Gol caíram 4,96%. Ontem, a empresa divulgou prejuízo líquido de R$ 475 milhões no segundo trimestre deste ano, ante lucro de R$ 252,5 milhões no mesmo período do ano passado. A empresa afirmou que a última linha do balanço foi prejudicada pelo câmbio, que gerou prejuízo contábil de R$ 475 milhões, sem efeito caixa. Ontem, também, o plenário do Senado decidiu adiar por 15 dias a votação do Projeto de Resolução 55, de 2015, que unifica a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS) sobre o querosene de aviação. O texto prevê a redução da alíquota teto de 25% para 12% em todos os Estados.

Fonte: Valor Econômico

Ricardo Eletro - Finance One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

Mais lidos

Dono do banco Clássico chega a ganhar R$ 1 bi com elétricas
José João Abdalla Filho, conhecido Juca Abdalla, dono do banco Clássico, viu seu patrimônio aume...
Bolsas de NY caem após ameaça de Trump de paralisar governo por muro
SÃO PAULO  -  Na sessão seguinte ao melhor dia em meses para as bolsas de Nova York, as incertez...
Mercado segue otimista e fecha acima dos 70 mil pontos; Eletrobras cai
SÃO PAULO  -  A bolsa de valores resistiu à tendência de realização de lucros depois da alta ...
Dólar fecha com a maior queda ante o real desde julho
SÃO PAULO  -  O dólar sofreu nesta quarta-feira a maior queda diária em seis semanas. A moeda ...
Juros futuros registram queda nesta quarta-feira
SÃO PAULO  -  Em meio ao maior volume em quatro semanas, os juros futuros experimentaram forte pr...
Juros futuros têm queda firme, com otimismo sobre política econômica
SÃO PAULO  -  Em meio ao maior volume em quatro semanas, os juros futuros experimentaram forte pr...

Publicidade