Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,128
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Euro R$ 3,753
Libra R$ 4,244
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


Ibovespa não consegue sustentar os 69 mil pontos e fecha em queda

SÃO PAULO  –  Em um dia de fraco volume financeiro, o Ibovespa não teve forças para sustentar o patamar dos 69 mil pontos. O índice chegou a atingir o nível máximo de 69.068 pontos pela manhã – o maior patamar intradia desde 23 de fevereiro -, mas encerrou o pregão aos 68.635 pontos, com leve queda de 0,12%. O giro financeiro ficou em R$ 5,1 bilhões, abaixo da média diária do mês, que está em R$ 5,9 bilhões.

De acordo com profissionais, o Ibovespa deve enfrentar resistência para superar o patamar dos 69 mil pontos. Um dos fatores que restringe o movimento de alta é a dificuldade do governo em aprovar a Medida Provisória 777, que cria a TLP (Taxa de Longo Prazo), que substituirá a TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo) e acabará com o subsídio do governo ao setor privado. A medida precisa de maioria simples para ser votada, mas o governo não tem conseguido quórum para a leitura do documento.

Outro fator de apreensão entre os investidores é a suspensão do leilão de quatro usinas da Cemig, que renderiam R$ 11,055 bilhões ao governo na forma de cobrança de bônus de outorga dos vencedores da disputa. O leilão das usinas Jaguara, São Simão, Miranda e Volta Grande estava programado para 27 de setembro. “Há ainda a questão da MP do Refis, que pode entrar em nova rota de colisão entre a equipe econômica e a ala política após divergências com o relator da matéria e que tendem a comprometer a arrecadação potencial deste novo Refis”, diz Vitor Suzaki, da Lerosa Investimentos

No cenário externo, a complicada situação do governo dos Estados Unidos também não anima os investidores. O presidente Donald Trump tem poucas chances de sucesso na aprovação da reforma fiscal e tributária que foi prometida em campanha. Outro ponto de interrogação é a proximidade da reunião de Jackson Hole, com encontro dos principais representantes dos Bancos Centrais.

Do lado positivo para o Ibovespa, pesa a dinâmica positiva do preço das commodities. Além disso, o excesso de liquidez internacional favorece os investimentos na bolsa de valores. Neste mês, até o dia 17, os estrangeiros já aplicaram R$ 1,97 bilhão na bolsa de valores. No ano, o saldo é positivo em R$ 9,89 bilhões.

Já a análise gráfica mostra que o Ibovespa pode testar novos patamares de alta a partir da próxima semana. De acordo com Danilo Zanini, analista gráfico da XP Investimento, depois de subir nas últimas quatro semanas, é provável que o índice passe por alguma correção nesta semana, operando perto da estabilidade. “Mas é possível que na próxima semana o índice volte a subir. Nesse caso, poderia superar os 69 mil pontos e buscar a região de 73 ou 74 mil pontos” diz. Mesmo assim, Zanini considera que a região dos 69 mil pontos é um forte ponto de resistência. “Esse patamar pode ser um grande obstáculo para o índice”, diz.

As principais “blue chips” do Ibovespa fecharam com comportamentos distintos. De um lado, as ações da Vale subiram acompanhando a alta do preço do minério de ferro no mercado internacional. Do outro, os papéis da Petrobras caíram seguindo a desvalorização do preço do petróleo. As ações que tiveram as maiores altas foram as do setor de celulose.

Os papéis ordinários da Fibria subiram 4,20% e as ações da Suzano Papel e Celulose ganharam 3,64%. Alguns fatores contribuem para a alta dos papéis. As perspectivas favoráveis para os preços da celulose juntamente com a possibilidade de uma fusão entre Suzano e Fibria são alguns deles.

As ações PNA da Vale – que já deixaram o Ibovespa devido à migração de ações – subiram 0,65% e as ações ordinárias ganharam 0,63%. Já as ações PN da Petrobras recuaram 1,91% e os papéis ordinários tiveram baixa de 1,71%. As ações do sistema financeiro caíram e a maior baixa ficou com os papéis ordinários do Bradesco, que recuaram 1,12%. Já as ações do Banco do Brasil tiveram ganho de 1,31%.

Hoje houve o exercício de contratos de opções sobre ações, que movimentou R$ 4,60 bilhões na B3. Deste total, R$ 3,8 bilhões foram em opções de compra e R$ 788,9 milhões em opções de venda.

Fonte: Valor Econômico

Ricardo Eletro - Finance One
CVC - Hoteis - Finance One

Mais lidos

Dólar resiste à pressão externa e cai com sinais de fluxo positivo
SÃO PAULO  -  O dólar terminou a sessão em queda, deixando para trás a pressão observada mais...
Dólar resiste à pressão externa e cai com sinal de fluxo positivo
SÃO PAULO  -  O dólar terminou a sessão em queda, deixando para trás a pressão observada mais...
Ibovespa oscila em dia de Fed, mas retoma os 76 mil pontos
SÃO PAULO  -  Em um dia que pressão por realização de lucros e reunião do Federal Reserve, o ...
Juros futuros reduzem queda após Fed, mas mantêm viés de baixa
SÃO PAULO  -  Os juros futuros reduziram a queda durante a tarde desta quarta-feira, seguindo a r...
Banco Central ganha R$ 1,275 bilhão com swaps em setembro até dia 15
BRASÍLIA  -  O Banco Central (BC) registra ganho de R$ 1,275 bilhão com as operações de swap c...
Mercados têm dia calmo, de olho nos juros dos EUA; Ibovespa recua
SÃO PAULO  -  Os mercados financeiros nacionais operam de olho na decisão do banco central dos E...

Publicidade