Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,129
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Euro R$ 3,745
Libra R$ 4,234
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


IGP-10 recua em novembro


São Paulo, 16/11 (Enfoque) –

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) variou 0,06%, em novembro. A taxa apurada em outubro foi de 0,12%. Em novembro de 2015, a variação foi de 1,64%. A taxa acumulada em 2016, até novembro, é de 6,74%. Em 12 meses, o IGP-10 registrou alta de 7,61%. O IGP-10 é calculado com base nos preços coletados entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência.
 
O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) variou -0,06%, em novembro. Em outubro, a variação foi de  0,12%. Os Bens Finais registraram taxa de variação de -0,57%, em novembro, ante 0,04%, em outubro. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 2,09% para 0,03%. O índice relativo a Bens Finais (ex), calculado sem os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, registrou variação de 0,36%. No mês anterior, a taxa de variação foi de 0,91%.
 
O índice do grupo Bens Intermediários registrou variação de -0,26%. No mês anterior, a taxa havia sido de -0,02%. Quatro dos cinco subgrupos registraram desaceleração, com destaque para combustíveis e lubrificantes para a produção, cuja taxa de variação passou de -0,36% para -1,60%. O índice de Bens Intermediários (ex),obtido após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, registrou variação de -0,05%. No mês anterior, este índice registrou variação de 0,04%.
 
O índice do grupo Matérias-Primas Brutas registrou variação de 0,76%. Em outubro, a taxa foi de 0,36%. Contribuíram para a aceleração do grupo os itens: milho (em grão) (-4,55% para -1,28%), minério de ferro (3,61% para 5,39%) e cana-de-açúcar (1,36% para 2,74%).Em sentido inverso, destacaram-se os itens: leite in natura (-2,60% para -7,78%), soja (em grão) (-0,67% para -2,30%) e bovinos (1,57% para 1,19%).
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,35%, em novembro, ante 0,08%, em outubro. Sete das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação, com destaque para o grupo Transportes (0,09% para 0,89%). Nesta classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item gasolina (-0,36% para 1,64%).
Também apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos: Alimentação (-0,31% para -0,11%), Educação, Leitura e Recreação (-0,21% para 0,29%), Comunicação (0,25% para 0,80%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,38% para 0,51%), Despesas Diversas (-0,30% para 0,13%) e Vestuário (0,30% para 0,36%). Nestas classes de despesa, vale citar o comportamento dos itens: hortaliças e legumes (-7,34% para 1,39%), show musical (-5,97% para 0,87%), tarifa de telefone móvel (0,24% para 1,24%), artigos de higiene e cuidado pessoal (-0,31% para 0,41%), cigarros (-1,20% para -0,40%) e blusa feminina (-1,30% para 1,17%), respectivamente.
 
Em contrapartida, apenas o grupo Habitação (0,40% para 0,36%) apresentou decréscimo em sua taxa de variação. Nesta classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item gás de bujão, cuja taxa passou de 4,16% para 1,14%.
 

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em novembro, taxa de variação de 0,16%, ante 0,22%, no mês anterior. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de -0,06%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,14%. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou variação de 0,35%. No mês anterior, este índice variou 0,29%.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 16/11/2016 08:04:45

Ricardo Eletro - Finance One
CVC - Hoteis - Finance One

IGP-10 recua em novembro


São Paulo, 17/11 (Enfoque) –

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) variou 1,64%, em novembro. A taxa apurada em outubro foi de 1,88%. Em novembro de 2014, a variação foi de 0,82%. A taxa acumulada em 2015, até novembro, é de 9,65%. Em 12 meses, o IGP-10 registrou alta de 10,72%. O IGP-10 é calculado com base nos preços coletados entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência.
 

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) variou 2,15%, em novembro. Em outubro, a variação foi de 2,62%. Os Bens Finais registraram taxa de variação de 2,59%, em novembro, ante 1,47%, em outubro. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de -1,90% para 7,40%. O índice relativo a Bens Finais (ex), calculado sem os subgrupos alimentos in natura e combustíveis, registrou variação de 1,81%. No mês anterior, a taxa de variação foi de 1,60%.

O índice do grupo Bens Intermediários registrou variação de 1,91%. No mês anterior, a taxa havia sido de 2,15%. Três dos cinco subgrupos apresentaram desaceleração, com destaque para materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa de variação passou de 3,01% para 2,31%. O índice de Bens Intermediários (ex),obtido após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, registrou variação de 1,84%. No mês anterior, este índice registrou variação de 2,46%.
 
O índice do grupo Matérias-Primas Brutas registrou variação de 1,92%. Em outubro, a taxa foi de 4,62%. Contribuíram para a desaceleração do grupo os itens: soja (em grão) (8,87% para 1,01%), minério de ferro (4,61% para -0,07%) e milho (em grão) (12,58% para 4,79%).Em sentido inverso, destacaram-se os itens: bovinos (1,24% para 2,23%), cana-de-açúcar (1,17% para 2,44%) e mandioca (aipim) (2,13% para 6,42%).
 
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,76%, em novembro, ante 0,59%, em outubro. Cinco das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação, com destaque para o grupo Transportes (0,75% para 1,60%). Nesta classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item gasolina (1,10% para 4,27%).
 
Também apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos:

Alimentação (0,58% para 0,77%),
Saúde e Cuidados Pessoais (0,52% para 0,65%),
Comunicação (0,19% para 0,25%) e
Despesas Diversas (0,08% para 0,10%).

Nestas classes de despesa, destacam-se os itens: hortaliças e legumes   (-7,18% para -1,78%), artigos de higiene e cuidado pessoal (0,33% para 0,79%), tarifa de telefone móvel (-0,04% para 0,43%) e acesso à internet em loja (0,03% para 0,15%) , respectivamente.
 

Em contrapartida, apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos:

Educação, Leitura e Recreação (0,47% para 0,25%),
Habitação (0,67% para 0,61%) e
Vestuário (0,73% para 0,70%).

Nestas classes de despesa, vale citar o comportamento dos itens: passagem aérea (9,10% para -0,02%), gás de bujão (10,90% para 3,77%) e acessórios do vestuário (1,40% para 0,76%), respectivamente.
 

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em novembro, taxa de variação de 0,37%, ante 0,23%, no mês anterior. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,75%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,50%. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou variação de 0,03%. No mês anterior, este índice não variou.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 17/11/2015 08:03:24

Ricardo Eletro - Finance One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

Mais lidos

Dólar acumula alta de 0,45% na semana
SÃO PAULO  -  O comportamento do câmbio doméstico foi novamente direcionado pelo exterior. Em d...
Ibovespa registra queda de 0,48% na semana, com realização de lucros
SÃO PAULO  -  Os investidores decidiram realizar lucros nos últimos dias e o Ibovespa encerrou a...
Mercado de juros futuros tem dia de ajustes de olho em Selic e fiscal
SÃO PAULO  -  O mercado de juros futuros tomou a sessão desta sexta-feira para executar alguns a...
Ibovespa recua e dólar está abaixo de R$ 3,13 seguindo cena externa
SÃO PAULO  -  Depois de registrar a mínima intradia dos 75.029 pontos, o Ibovespa opera no come...
Com cautela no exterior, Ibovespa segue em queda com correção
SÃO PAULO  -  O mercado local aproveita mais uma vez as intensas altas registradas nas últimas s...
Dólar cai seguindo ajuste no mercado externo e sai na casa de R$ 3,13
SÃO PAULO  -  O dólar volta a cair nesta sexta-feira, num movimento alinhado ao exterior. Após ...

Publicidade