Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,141
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Euro R$ 3,723
Libra R$ 4,227
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


IGP-M avança em janeiro


São Paulo, 30/01 (Enfoque) –

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) variou 0,64%, em janeiro. Em dezembro, o índice variou 0,54%. Em janeiro de 2016, a variação foi de 1,14%. Em 12 meses, o IGP-M registrou alta de 6,65%. O IGP-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.
 
O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou taxa de variação de 0,70%. No mês anterior, a taxa foi de 0,69%. O índice relativo aos Bens Finais variou 0,18%, em janeiro. Em dezembro, este grupo de produtos mostrou variação de -0,26%. Contribuiu para este avanço o subgrupo alimentos processados, cuja taxa de variação passou de -0,15% para 0,39%. Excluindo-se os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, o índice de Bens Finais (ex) registrou variação de 0,32%. Em dezembro, a taxa foi de 0,12%.
 
O índice referente ao grupo Bens Intermediários variou 1,05%. Em dezembro, a taxa foi de 0,53%. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção,cuja taxa de variação passou de -0,51% para 5,70%. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, variou 0,37%, ante 0,69%, em dezembro.
 
No estágio inicial da produção, o índice do grupo Matérias-Primas Brutas variou 0,91%, em janeiro. Em dezembro, o índice registrou variação de 1,96%. Os itens que mais contribuíram para este movimento foram: soja (em grão) (0,38% para -4,20%), minério de ferro (17,53% para 13,08%) e aves (-0,76% para -3,73%).Em sentido oposto, destacam-se: leite in natura (-6,34% para -1,78%), milho (em grão) (-6,17% para -4,30%) e minério de alumínio (-1,16% para 5,36%).
 
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,64%, em janeiro, ante 0,20%, em dezembro. Cinco das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição partiu do grupo Habitação (-0,62% para 0,10%). Nesta classe de despesa, vale citar o comportamento do item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de -5,42% para -1,61%.
 
Também apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos: Alimentação (0,21% para 0,70%), Educação, Leitura e Recreação (1,16% para 2,46%), Transportes (0,45% para 1,01%) e Comunicação (0,12% para 0,37%). Nestas classes de despesa, os destaques foram: hortaliças e legumes (-5,25% para 0,61%), cursos formais (0,00% para 5,60%), tarifa de ônibus urbano (0,28% para 1,98%) e tarifa de telefone móvel (0,00% para 0,78%), respectivamente.
 
Em contrapartida, apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos: Vestuário (0,36% para -0,47%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,60% para 0,47%) e Despesas Diversas (1,04% para 0,71%). Nestas classes de despesa, destacaram-se: roupas (0,46% para -0,73%), artigos de higiene e cuidado pessoal (0,72% para -0,08%) e cigarros (2,22% para 1,07%), respectivamente.
 
O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em janeiro, taxa de variação de 0,29%. No mês anterior, este índice variou 0,36%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,30%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,15%. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou taxa de 0,28%. No mês anterior, este grupo variou 0,55%.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 30/01/2017 08:35:59

Ricardo Eletro - Finance One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

IGP-M avança em janeiro


São Paulo, 28/01 (Enfoque) –

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) variou 1,14%, em janeiro. Em dezembro, o índice variou 0,49%. Em janeiro de 2015, a variação foi de 0,76%. Em 12 meses, o IGP-M registrou alta de 10,95%. O IGP-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou taxa de variação de 1,14%. No mês anterior, a taxa foi de 0,39%. O índice relativo aos Bens Finais variou 1,84%, em janeiro. Em dezembro, este grupo de produtos mostrou variação de 1,39%. Contribuiu para este avanço o subgrupo bens de consumo não duráveis exceto alimentação e combustíveis, cuja taxa de variação passou de -0,18% para 1,21%. Excluindo-se os subgrupos alimentos in natura e combustíveis, o índice de Bens Finais (ex) registrou variação de 1,10%. Em dezembro, a taxa foi de 0,77%.

O índice referente ao grupo Bens Intermediários variou 0,69%. Em dezembro, a taxa foi de -0,02%. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa de variação passou de -0,29% para 1,06%. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, variou 0,87%, ante -0,10%, em dezembro.

No estágio inicial da produção, o índice do grupo Matérias-Primas Brutas variou 0,85%, em janeiro. Em dezembro, o índice registrou variação de -0,31%. Os itens que mais contribuíram para este movimento foram: soja (em grão) (-2,59% para 1,83%), minério de ferro (-8,57% para -3,44%) e milho (em grão) (1,51% para 9,68%). Em sentido oposto, destacam-se: aves (2,39% para -2,48%), cana-de-açúcar (3,30% para 1,39%) e mandioca (aipim) (12,23% para 4,71%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 1,48%, em janeiro, ante 0,92%, em dezembro. Seis das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição partiu do grupo Educação, Leitura e Recreação (1,05% para 3,67%). Nesta classe de despesa, vale citar o comportamento do item cursos formais, cuja taxa passou de 0,00% para 6,67%.

Também apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos:
Alimentação (1,70% para 2,36%),
Transportes (0,98% para 1,48%),
Habitação (0,51% para 0,78%),
Despesas Diversas (0,32% para 1,20%) e
Comunicação (0,14% para 0,52%).

Nestas classes de despesa, os destaques foram:
hortaliças e legumes (10,81% para 19,44%),
tarifa de ônibus urbano (-0,26% para 4,44%),
empregados domésticos (0,24% para 1,34%),
cigarros (-0,03% para 1,55%) e
pacotes de telefonia fixa e internet (-0,30% para 1,41%), respectivamente.

Em contrapartida, apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos:
Vestuário (0,53% para 0,34%) e
Saúde e Cuidados Pessoais (0,62% para 0,59%).

Nestas classes de despesa, destacaram-se:
roupas (0,54% para 0,15%) e
artigos de higiene e cuidado pessoal (0,68% para 0,14%), respectivamente.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em janeiro, variação de 0,32%, acima do resultado de dezembro, de 0,12%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,52%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,23%. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou taxa de 0,15%. No mês anterior, este grupo variou 0,02%.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 28/01/2016 08:38:18

Ricardo Eletro - Finance One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

Mais lidos

Fluxo cambial é positivo em US$ 2,949 bilhões em setembro, até dia 22
BRASÍLIA  -  O fluxo cambial está positivo em US$ 2,949 bilhões em setembro, até o dia 22. A p...
Dólar bate R$ 3,16 seguindo ajuste no mercado externo
SÃO PAULO  -  O dólar segue em alta em relação ao real, ainda num movimento ditado pelo merca...
Ibovespa opera em alta e dólar é negociado acima de R$ 3,15
SÃO PAULO  -  O Ibovespa operava no campo positivo em 20 minutos após o início dos negócios. ...
Arábia Saudita planeja voltar aos mercados internacionais de dívida
SÃO PAULO  -  A Arábia Saudita está planejando aproveitar o bom momento dos mercados internacio...
Ibovespa realiza lucros e cai 1,26% com piora no cenário externo
SÃO PAULO  -  O cenário internacional foi o principal motivo que levou os investidores a desenca...
Dólar sobe quase 1% e marca R$ 3,15 pela primeira vez em setembro
SÃO PAULO  -  O dólar superou o nível de R$ 3,15 pela primeira vez no mês de setembro. A alta ...

Publicidade