Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,124
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Euro R$ 3,730
Libra R$ 4,212
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


IGP-M recua em novembro


São Paulo, 29/11 (Enfoque) –

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) variou -0,03%, em novembro. Em outubro, o índice variou 0,16%. Em novembro de 2015, a variação foi de 1,52%. A variação acumulada em 2016, até novembro, é de 6,60%. Em 12 meses, o IGP-M registrou alta de 7,12%. O IGP-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.
 
O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou taxa de variação de -0,16%. No mês anterior, a taxa foi de 0,15%. O índice relativo aos Bens Finais variou -0,82%, em novembro. Em outubro, este grupo de produtos mostrou variação de 0,07%. Contribuiu para este recuo o subgrupo alimentos processados, cuja taxa de variação passou de 1,58% para -0,08%. Excluindo-se os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, o índice de Bens Finais (ex) registrou variação de 0,17%. Em outubro, a taxa foi de 0,86%.
 
O índice referente ao grupo Bens Intermediários variou -0,43%. Em outubro, a taxa foi de 0,04%. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção,cuja taxa de variação passou de -0,49% para -3,82%. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, variou 0,09%, ante 0,12%, em outubro.
 
No estágio inicial da produção, o índice do grupo Matérias-Primas Brutas variou 0,90%, em novembro. Em outubro, o índice registrou variação de 0,36%. Os itens que mais contribuíram para este movimento foram: minério de ferro (2,16% para 9,04%), café (em grão) (2,28% para 8,30%) e cana-de-açúcar (1,48% para 2,80%).Em sentido oposto, destacam-se: leite in natura (-5,52% para -8,78%), milho (em grão) (-1,80% para -3,92%) e bovinos (2,20% para 0,16%).
 
 
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,26%, em novembro, ante 0,17%, em outubro. Cinco das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição partiu do grupo Educação, Leitura e Recreação (-0,24% para 0,32%). Nesta classe de despesa, vale citar o comportamento do item show musical, cuja taxa passou de -5,02% para 1,56%.
 
Também apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos: Alimentação (-0,22% para -0,07%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,35% para 0,63%), Transportes (0,51% para 0,53%) e Despesas Diversas (-0,14% para 0,14%). Nestas classes de despesa, os destaques foram: frutas (-4,36% para 0,87%), artigos de higiene e cuidado pessoal (-0,40% para 0,71%), gasolina (0,47% para 1,11%) e cigarros (-0,97% para -0,14%), respectivamente.
 
Em contrapartida, apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos: Habitação (0,38% para 0,26%), Vestuário (0,22% para 0,14%) e Comunicação (0,51% para 0,40%). Nestas classes de despesa, destacaram-se: gás de bujão (3,89% para 0,19%), calçados (1,04% para 0,01%) e pacotes de telefonia fixa e internet (0,68% para -0,16%), respectivamente.
 
O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em novembro, a mesma taxa do mês anterior, de 0,17%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de -0,05%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,03%. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou taxa de 0,36%. No mês anterior, este grupo variou 0,30%.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 29/11/2016 08:48:06

Ricardo Eletro - Finance One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

IGP-M recua em novembro


São Paulo, 29/11 (Enfoque) –

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) variou -0,03%, em novembro. Em outubro, o índice variou 0,16%. Em novembro de 2015, a variação foi de 1,52%. A variação acumulada em 2016, até novembro, é de 6,60%. Em 12 meses, o IGP-M registrou alta de 7,12%. O IGP-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.
 
O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou taxa de variação de -0,16%. No mês anterior, a taxa foi de 0,15%. O índice relativo aos Bens Finais variou -0,82%, em novembro. Em outubro, este grupo de produtos mostrou variação de 0,07%. Contribuiu para este recuo o subgrupo alimentos processados, cuja taxa de variação passou de 1,58% para -0,08%. Excluindo-se os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, o índice de Bens Finais (ex) registrou variação de 0,17%. Em outubro, a taxa foi de 0,86%.
 
O índice referente ao grupo Bens Intermediários variou -0,43%. Em outubro, a taxa foi de 0,04%. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção,cuja taxa de variação passou de -0,49% para -3,82%. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, variou 0,09%, ante 0,12%, em outubro.
 
No estágio inicial da produção, o índice do grupo Matérias-Primas Brutas variou 0,90%, em novembro. Em outubro, o índice registrou variação de 0,36%. Os itens que mais contribuíram para este movimento foram: minério de ferro (2,16% para 9,04%), café (em grão) (2,28% para 8,30%) e cana-de-açúcar (1,48% para 2,80%).Em sentido oposto, destacam-se: leite in natura (-5,52% para -8,78%), milho (em grão) (-1,80% para -3,92%) e bovinos (2,20% para 0,16%).
 
 
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,26%, em novembro, ante 0,17%, em outubro. Cinco das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição partiu do grupo Educação, Leitura e Recreação (-0,24% para 0,32%). Nesta classe de despesa, vale citar o comportamento do item show musical, cuja taxa passou de -5,02% para 1,56%.
 
Também apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos: Alimentação (-0,22% para -0,07%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,35% para 0,63%), Transportes (0,51% para 0,53%) e Despesas Diversas (-0,14% para 0,14%). Nestas classes de despesa, os destaques foram: frutas (-4,36% para 0,87%), artigos de higiene e cuidado pessoal (-0,40% para 0,71%), gasolina (0,47% para 1,11%) e cigarros (-0,97% para -0,14%), respectivamente.
 
Em contrapartida, apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos: Habitação (0,38% para 0,26%), Vestuário (0,22% para 0,14%) e Comunicação (0,51% para 0,40%). Nestas classes de despesa, destacaram-se: gás de bujão (3,89% para 0,19%), calçados (1,04% para 0,01%) e pacotes de telefonia fixa e internet (0,68% para -0,16%), respectivamente.
 
O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em novembro, a mesma taxa do mês anterior, de 0,17%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de -0,05%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,03%. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou taxa de 0,36%. No mês anterior, este grupo variou 0,30%.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 29/11/2016 08:47:28

Ricardo Eletro - Finance One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

IGP-M recua em novembro


São Paulo, 28/11 (Enfoque) –

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) variou 0,29%, em novembro. Em outubro, o índice variou 0,86%. Em novembro de 2012, a variação foi de -0,03%. A variação acumulada em 2013, até novembro, é de 4,88%. Em 12 meses, o IGP-Mvariou 5,60%. O IGP-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou taxa de variação de 0,17%. No mês anterior, a taxa foi de 1,09%. O índice relativo aos Bens Finais variou 0,02%, em novembro. Em outubro, este grupo de produtos mostrou variação de 0,76%. Contribuiu para a desaceleração o subgrupo alimentos processados, cuja taxa de variação passou de 2,25% para 0,51%. Excluindo-se os subgruposalimentos in natura e combustíveis, o índice de Bens Finais (ex) registrou variação de 0,28%. Em outubro, a taxa foi de 1,22%.

O índice referente ao grupo Bens Intermediários variou -0,06%. Em outubro, a taxa foi de 0,70%. O subgrupo materiais e componentes para a manufatura registrou decréscimo em sua taxa de variação, que passou de 1,04% para 0,01%, sendo o principal responsável pela desaceleração do grupo. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, variou -0,08%, ante 0,73%, em outubro.

No estágio inicial da produção, o índice de Matérias-Primas Brutas variou 0,60%, em novembro. Em outubro, o índice registrou variação de 1,95%. Os principais responsáveis pela desaceleração do grupo foram os itens: minério de ferro (6,81% para 2,06%), aves (3,27% para -6,16%) e bovinos(3,80% para 0,75%). Ao mesmo tempo, registraram-se acelerações em itens como: soja (em grão)(0,60% para 2,53%), milho (em grão) (-2,53% para 2,34%) e pedra britada (-1,96% para -0,03%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,65%, em novembro, ante 0,43%, em outubro. A principal contribuição para o acréscimo da taxa do índice partiu do grupo Alimentação(0,63% para 0,93%). Nesta classe de despesa, vale citar o comportamento dos itens: hortaliças e legumes (-5,46% para 3,79%) e frutas (0,98% para 2,16%).

Também foram computados acréscimos nas taxas de variação de outras cinco classes de despesa:

Habitação (0,51% para 0,83%);
Transportes (-0,12% para 0,12%);
Despesas Diversas (0,15% para 0,89%);
Comunicação (0,40% para 0,88%); e
Saúde e Cuidados Pessoais (0,46% para 0,50%).

Em cada classe, as principais contribuições para estes movimentos foram: tarifa de eletricidade residencial (-0,10% para 2,34%), tarifa de ônibus urbano (-0,37% para 0,38%), cigarros (0,00% para 1,50%), tarifa de telefone móvel (0,72% para 1,32%) e medicamentos em geral (0,08% para 0,17%).

Em contrapartida, apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos Educação, Leitura e Recreação (0,51% para 0,32%) e Vestuário (0,80% para 0,76%). Na primeira classe de despesa, destaca-se o item passagem aérea (12,34% para 5,28%), e na segunda, roupas femininas (1,03% para 0,75%).

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em novembro, variação de 0,27%, abaixo do resultado de outubro, de 0,33%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,29%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,68%. O índice que representa o custo daMão de Obra registrou variação de 0,25%, em novembro. No mês anterior, este índice não registrou variação.


(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Recebido em: 28/11/2013 08:02:37

Ricardo Eletro - Finance One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

Mais lidos

Dólar tem queda e é cotado abaixo de R$ 3,13
SÃO PAULO  -  O dólar comercial é negociado em baixa desde a abertura. Às 9h46, a moeda americ...
Exterior dita alta do dólar antes de decisão do Fed
SÃO PAULO  -  A alta global do dólar prevaleceu no mercado doméstico, nesta segunda-feira (18)....
Ibovespa supera os 76 mil pontos ao longo do pregão
SÃO PAULO  -  O Ibovespa teve mais uma sessão de alta nesta segunda-feira (18) e por pouco não ...
Expectativa para taxa Selic apoia queda em DIs
SÃO PAULO  -  O comportamento das taxas reflete a percepção no mercado de que há condições p...
Ibovespa sobe ante otimismo com economia e dólar passa de R$ 3,13
SÃO PAULO  -  (Atualizada às 16h34) A aproximação do resultado do vencimento de opções sobre...
Ibovespa sobe ante otimismo com economia e dólar passa de R$ 3,12
SÃO PAULO  -  A aproximação do resultado do vencimento de opções sobre ações hoje tem poten...

Notice: Undefined variable: hidden in /var/www/financeone/wp-content/themes/financeone_estrategia/single.php on line 46

Publicidade