Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,128
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Euro R$ 3,753
Libra R$ 4,244
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


Juro futuro fecha em alta, com receio de denúncias barrarem reformas

SÃO PAULO  –  Com volume 26% menor que na véspera, o mercado de juros futuros da B3 voltou a experimentar elevação de prêmios de risco nos contratos mais longos nesta quinta-feira. Após o otimismo de ontem por causa da condenação do ex-presidente Lula, da aprovação da reforma trabalhista e do exterior positivo, investidores recompuseram uma parcela das posições mais cautelosas, em meio a riscos de que o governo ainda possa ser surpreendido com mais denúncias nas próximas semanas – o que dificultaria o andamento da agenda de reformas.

A base para o movimento de hoje foi a notícia de que o Palácio do Planalto estaria disposto a levar a votação da denúncia contra o presidente Temer para o plenário do Senado apenas em agosto, depois, portanto, do recesso parlamentar, que começa na próxima semana. Seria uma tentativa de garantir votos suficientes para impedi-la de ser encaminhada ao STF. Embora a estratégia vise uma vitória mais “tranquila”, o receio é que até lá surjam novas notícias que abalem a fidelidade dos deputados ao governo.

Depois do conjunto de notícias de ontem, o mercado voltou a colocar alguma ficha – ainda que mínima – na possibilidade de a discussão da reforma da Previdência voltar à pauta do Congresso ainda neste ano. Mas o cenário-base ainda é que o governo seguirá lutando para se manter de pé, o que faria queo debate sobre as leis previdenciárias continuasse de lado. E a falta de perspectiva clara para um ajuste mais forte das contas públicas justifica a manutenção dos elevados prêmios de risco nas taxas mais longas.

A diferença entre os DIs janeiro/2023 e janeiro/2019 subiu 3 pontos-base nesta quinta-feira, para 163 pontos-base. Embora abaixo de níveis recentes (terminou sexta-feira passada em 176 pontos), esse “spread” continua bem acima dos patamares de 100 pontos-base registrados antes do agravamento da crise política, em meados de maio.

Ao fim do pregão regular, às 16h, o DI janeiro/2023 subia a 10,280% (10,230% no ajuste de ontem). O DI janeiro/2021 avançava a 9,810% (9,760% no ajuste anterior).

Entre as taxas mais curtas, a expectativa de que o Banco Central tenha mais espaço para cortar os juros – com o câmbio em torno de R$ 3,20 por dólar – segurou o viés comprador. O DI janeiro/2019 tinha taxa de 8,650% (8,640% no último ajuste). E o DI janeiro/2018 caía a 8,710% (8,720% no ajuste anterior).

Fonte: Valor Econômico

Ricardo Eletro - Finance One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

Mais lidos

Dólar resiste à pressão externa e cai com sinais de fluxo positivo
SÃO PAULO  -  O dólar terminou a sessão em queda, deixando para trás a pressão observada mais...
Dólar resiste à pressão externa e cai com sinal de fluxo positivo
SÃO PAULO  -  O dólar terminou a sessão em queda, deixando para trás a pressão observada mais...
Ibovespa oscila em dia de Fed, mas retoma os 76 mil pontos
SÃO PAULO  -  Em um dia que pressão por realização de lucros e reunião do Federal Reserve, o ...
Juros futuros reduzem queda após Fed, mas mantêm viés de baixa
SÃO PAULO  -  Os juros futuros reduziram a queda durante a tarde desta quarta-feira, seguindo a r...
Banco Central ganha R$ 1,275 bilhão com swaps em setembro até dia 15
BRASÍLIA  -  O Banco Central (BC) registra ganho de R$ 1,275 bilhão com as operações de swap c...
Mercados têm dia calmo, de olho nos juros dos EUA; Ibovespa recua
SÃO PAULO  -  Os mercados financeiros nacionais operam de olho na decisão do banco central dos E...

Publicidade