Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,144
Bovespa 70.011,25
CDI 9,14% a.a
Poupança (mês) 0,5192%
Euro R$ 3,726
Libra R$ 4,037
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


Juros futuros recuam, afetados por risco externo e cautela local

SÃO PAULO  –  Os juros futuros registraram recuo nesta sexta-feira, movimento amparado especialmente pelo exterior. Ao longo da semana, o ambiente internacional mais avesso a risco estimulou compras de juros longos como forma de proteção, “trade” reforçado pelo noticiário cauteloso em torno das contas públicas domésticas.

Após o adiamento do anúncio das novas metas fiscais para 2017 e 2018 – que poderia ter ocorrido ontem -, o mercado se volta para a semana que vem à espera da publicação das novas estimativas. Os ministérios da Fazenda e do Planejamento confirmaram possibilidade de algum anúncio na segunda-feira.

Além da falta de clareza sobre as metas em si, o mercado tem se visto incomodado com a incerteza sobre que medidas poderiam ser anunciadas para contrabalançar a piora das metas de déficit primário. Entre as opções estão adiamento de reajuste de salários de servidores em 2018 e imposição de limite em R$ 5 mil para salário de profissionais que ingressam no setor público.

Do lado macro, a semana que vem trará vendas no varejo, dados do setor de serviços e o IBC-Br – todos de junho. Para o banco Haitong, o IBC-Br deve apontar desaceleração da expansão econômica no segundo trimestre sem relação ao primeiro. “Se confirmado, isso reforçará a natureza gradual e errática da economia brasileira no futuro próximo”, dizem em nota os economistas Jankiel Santos e Flávio Serrano.

Ao fim do pregão regular, às 16h, o DI janeiro/2021 cedia a 9,370% (9,430% no ajuste de ontem). E o DI janeiro/2023 tinha queda para 9,960% (10,030% no ajuste anterior).

Entre os trechos curtos, a queda foi ainda mais moderada. O DI janeiro/2018 caía a 8,165% (8,180% no ajuste anterior). E o DI janeiro/2019 recuava a 8,050% (8,100% no último ajuste).

Mais cedo, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, lembrou que há no mercado expectativa de queda adicional da Selic e destacou a importância de medidas de ajuste das contas públicas para permitir recuo da taxa estrutural de juros da economia.

Fonte: Valor Econômico

Ricardo Eletro - Finance One
CVC - Hoteis - Finance One

Mais lidos

Dono do banco Clássico chega a ganhar R$ 1 bi com elétricas
José João Abdalla Filho, conhecido Juca Abdalla, dono do banco Clássico, viu seu patrimônio aume...
Bolsas de NY caem após ameaça de Trump de paralisar governo por muro
SÃO PAULO  -  Na sessão seguinte ao melhor dia em meses para as bolsas de Nova York, as incertez...
Mercado segue otimista e fecha acima dos 70 mil pontos; Eletrobras cai
SÃO PAULO  -  A bolsa de valores resistiu à tendência de realização de lucros depois da alta ...
Dólar fecha com a maior queda ante o real desde julho
SÃO PAULO  -  O dólar sofreu nesta quarta-feira a maior queda diária em seis semanas. A moeda ...
Juros futuros registram queda nesta quarta-feira
SÃO PAULO  -  Em meio ao maior volume em quatro semanas, os juros futuros experimentaram forte pr...
Juros futuros têm queda firme, com otimismo sobre política econômica
SÃO PAULO  -  Em meio ao maior volume em quatro semanas, os juros futuros experimentaram forte pr...

Publicidade