Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,144
Bovespa 70.011,25
CDI 9,14% a.a
Poupança (mês) 0,5192%
Euro R$ 3,726
Libra R$ 4,037
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


Juros futuros sobem com incerteza fiscal e tensões geopolíticas

SÃO PAULO  –  A combinação nada positiva entre risco no exterior e maior preocupação com a situação fiscal do Brasil garantiu novo dia de pressão na curva de juros local do Brasil. A inclinação entre vértices de seis e dois anos renovou a máxima em quatro anos, a 194 pontos-base, num claro indicativo da maior demanda de investidores por proteção contra a incerteza de longo prazo.

Ao longo de toda a sessão, o mercado operou em cima da expectativa pela divulgação da nova meta de déficit primário para este ano e o próximo. Mas os jornalistas Fábio Graner e Andrea Jubé relatam que o anúncio não deverá ser feito nesta quinta-feira (10), com indicativo de que ocorra apenas na semana que vem — o que também não está garantido. Os jornalistas citam fontes do Palácio do Planalto.

No mercado, já há perspectiva de que as metas sejam revisadas para pior, diante da frustração com a arrecadação em meio à lenta retomada da economia. Porém, a ausência de novos números e, sobretudo, a falta de confirmação sobre que medidas paralelas viriam para contrabalançar o efeito negativo de piora das metas geram mais ansiedade entre investidores, num momento em que a aprovação da reforma da Previdência antes de 2018 segue sob xeque.

“Todo mundo sabe que a meta não será cumprida. A questão é que ‘historinha’ o governo vai contar. E se vai convencer”, diz o profissional de uma gestora, destacando a pressa do mercado em saber quais contrapartidas serão anunciadas para minimizar o impacto de uma piora da meta fiscal.

Ao fim do pregão regular, às 16h, o DI janeiro/2023 ia a 10,020% (9,920% no ajuste anterior). O DI janeiro/2021 avançava a 9,410% (9,330% no ajuste de ontem). O DI janeiro/2019 tinha taxa de 8,080% (8,070% no último ajuste). E o DI janeiro/2018 subia para 8,180% (8,170% no ajuste anterior).

Não bastassem questões locais, o ambiente externo tampouco trouxe ventos favoráveis. A quinta-feira é forte aversão a risco, com disparada do índice VIX de volatilidade, queda expressiva das bolsas de valores americanas e dos juros dos Treasuries, num movimento compatível com momentos de estresse. Receios geopolíticos continuam a dar o tom, após a escalada nesta semana entre os governos americano e norte-coreano.

O iShares J.P. Morgan EM Local Currency Bond ETF — fundo de índice negociado em Nova York que mede o desempenho de títulos de dívida de mercados emergentes em moeda local — caía 0,21%, para o menor patamar desde 17 de maio.

Fonte: Valor Econômico

Ricardo Eletro - Finance One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

Mais lidos

Dono do banco Clássico chega a ganhar R$ 1 bi com elétricas
José João Abdalla Filho, conhecido Juca Abdalla, dono do banco Clássico, viu seu patrimônio aume...
Bolsas de NY caem após ameaça de Trump de paralisar governo por muro
SÃO PAULO  -  Na sessão seguinte ao melhor dia em meses para as bolsas de Nova York, as incertez...
Mercado segue otimista e fecha acima dos 70 mil pontos; Eletrobras cai
SÃO PAULO  -  A bolsa de valores resistiu à tendência de realização de lucros depois da alta ...
Dólar fecha com a maior queda ante o real desde julho
SÃO PAULO  -  O dólar sofreu nesta quarta-feira a maior queda diária em seis semanas. A moeda ...
Juros futuros registram queda nesta quarta-feira
SÃO PAULO  -  Em meio ao maior volume em quatro semanas, os juros futuros experimentaram forte pr...
Juros futuros têm queda firme, com otimismo sobre política econômica
SÃO PAULO  -  Em meio ao maior volume em quatro semanas, os juros futuros experimentaram forte pr...

Publicidade