Em dezembro, setor de serviços cresce 0,6% e fecha o ano em -5,0%


São Paulo, 15/02 (Enfoque) –

Período

 VolumeReceita Nominal
Dezembro 2016 / Novembro 2016
0,6%
0,5%
Dezembro 2016 / Dezembro 2015
-5,7%
-1,5%
Acumulado em 2016
-5,0%
-0,1%
Acumulado em 12 meses
-5,0%
-0,1%

O volume do setor de serviços apresentou, no mês de dezembro, crescimento de 0,6% frente a novembro, na série com ajuste sazonal, após ter registrado alta de 0,2% em novembro e recuo de 2,3% em outubro. No confronto com igual mês do ano anterior, o setor registrou queda de 5,7%, a maior para o mês de dezembro nessa comparação desde o início da série em 2012. A taxa acumulada no ano de 2016 ficou em -5,0%. A receita nominal registrou variação de 0,5%, em dezembro frente a novembro, na série com ajuste sazonal, e na comparação com o mesmo mês do ano anterior, houve queda de 1,5%. A taxa acumulada da receita no ano de 2016 ficou em -0,1%. A publicação completa da PMS pode ser acessada aqui.


Tabela 1
Indicadores de Serviços com Ajuste Sazonal, Segundo Grupos de Atividades
Brasil – Dezembro 2016

 
AtividadesTaxa de Variação Mês/Mês Anterior (%)
Variação de VolumeVariação de Receita
Nominal
Out
Nov
Dez
Out
Nov
Dez
Brasil
-2,3
0,2
0,6
-1,3
0,2
0,5
1 – Serviços prestados às famílias
0,1
0,1
2,0
-1,2
-0,4
2,0
   1.1 – Serviços de alojamento e alimentação
0,5
0,1
2,3
-1,0
-0,1
1,0
   1.2 – Outros serviços prestados às famílias
-2,1
-0,7
1,4
-1,6
-0,4
3,2
2 – Serviços de informação e comunicação
-2,1
-0,6
-1,7
-2,2
0,3
-2,9
   2.1 – Serviços TIC
-1,6
-0,9
-1,6
-2,2
-1,6
-2,5
      2.11 – Telecomunicações
-1,3
-0,8
-0,8
-1,4
-0,8
-0,9
      2.12 – Serviços de tecnologia da informação
-4,5
-1,8
-5,9
-6,6
0,8
-6,6
   2.2- Serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias
-4,0
5,0
0,3
-2,6
5,8
1,7
3 – Serviços profissionais, administrativos e complementares
-1,9
0,6
-1,3
-1,1
1,2
-1,3
   3.1 – Serviços técnico-profissionais
-5,4
4,7
0,8
-6,2
4,7
0,4
   3.2 – Serviços administrativos e complementares
-0,4
0,7
-2,9
0,5
-0,2
-1,9
4 – Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio
-2,0
2,3
0,4
-2,3
2,0
2,2
   4.1 – Transporte terrestre
-3,5
2,1
3,2
-5,3
3,2
6,9
   4.2 – Transporte aquaviário
-3,8
1,8
-0,9
-3,4
1,0
-0,6
   4.3 – Transporte aéreo
0,7
3,7
4,9
2,3
2,7
-0,4
   4.4 – Armazenagem, serviços auxiliares dos transportes e correio
-3,3
1,2
0,3
-1,0
1,2
0,5
5 – Outros serviços
-0,5
3,3
-1,2
-0,4
3,4
0,5
Atividades turísticas
-1,1
0,5
3,1
-0,5
0,6
1,0
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.

Tabela 2
Indicadores de Volume dos Serviços sem Ajuste Sazonal, Segundo Grupos de Atividades
Brasil – Dezembro 2016

 
 
AtividadesTaxa de Variação (%)
Mês/Igual Mês do Ano AnteriorAcumulado
Out
Nov
Dez
No Ano
12 Meses
Brasil
-7,6
-4,6
-5,7
-5,0
-5,0
1 – Serviços prestados às famílias
-6,8
-5,6
-1,5
-4,4
-4,4
   1.1 – Serviços de alojamento e alimentação
-6,3
-4,9
-2,0
-4,6
-4,6
   1.2 – Outros serviços prestados às famílias
-9,6
-9,9
1,3
-2,9
-2,9
2 – Serviços de informação e comunicação
-4,4
-3,0
-6,5
-3,2
-3,2
   2.1 – Serviços TIC
-2,9
-2,2
-6,1
-2,6
-2,6
      2.11 – Telecomunicações
-4,4
-4,0
-5,6
-3,4
-3,4
      2.12 – Serviços de tecnologia da informação
2,7
4,2
-7,6
0,1
0,1
   2.2- Serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias
-14,0
-8,3
-9,2
-7,1
-7,1
3 – Serviços profissionais, administrativos e complementares
-5,7
-3,6
-4,9
-5,5
-5,5
   3.1 – Serviços técnico-profissionais
-18,4
-14,3
-9,2
-11,4
-11,4
   3.2 – Serviços administrativos e complementares
-1,5
0,2
-3,3
-3,6
-3,6
4 – Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio
-13,3
-7,9
-7,2
-7,6
-7,6
   4.1 – Transporte terrestre
-15,7
-10,4
-8,9
-10,4
-10,4
   4.2 – Transporte aquaviário
-22,4
-21,3
-21,5
-9,5
-9,5
   4.3 – Transporte aéreo
-4,1
0,4
7,0
1,3
1,3
   4.4 – Armazenagem, serviços auxiliares dos transportes e correio
-10,5
-3,7
-5,4
-4,9
-4,9
5 – Outros serviços
-4,5
-0,3
0,6
-2,8
-2,8
Atividades turísticas
-4,7
-2,6
0,7
-2,6
-2,6
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.

No que concerne aos resultados por atividade, na série livre de influências sazonais, os segmentos de Serviços prestados às famílias apresentaram crescimento de 2,0%, bem como Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, com 0,4%. Apresentaram recuos os segmentos de Serviços de informação e comunicação (-1,7%); Serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,3%) e Outros Serviços (-1,2). O agregado especial das Atividades turísticas apresentou crescimento de 3,1%, na comparação com o mês imediatamente anterior.

Em termos de composição da taxa global de volume, sem ajuste sazonal, as contribuições dos segmentos foram as seguintes: Serviços de informação e comunicação, com -2,6 pp; Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, com -2,1 pp; Serviços profissionais, administrativos e complementares, com -0,9 pp; Serviços prestados às famílias, com -0,1 pp e Outros serviços, com 0,0 pp.

Serviços registram queda de 2,8% no 4º trimestre em relação ao 3º trimestre

Os resultados de volume do setor de serviços para o 4º trimestre de 2016 apontam para um recuo de 2,8% em relação ao 3º trimestre, na série livre de influências sazonais, revertendo a seqüência de retrações menores observadas nos trimestres anteriores. Em termos trimestrais, os resultados desse último trimestre representam a maior retração do setor, na série iniciada em 2012.

O recuo de 3,8% registrado no segmento de Serviços de Informação e Comunicação, segmento que representa 35,7% do setor de serviços, contribuiu de forma mais expressiva para a retração observada no setor como um todo. Nesse aspecto, destacam-se as retrações de 3,2% em Telecomunicações, 4,2% em Serviços de tecnologia da Informação e 5,5% em Serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias.

Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, o recuo situou-se em 6,0%, sendo que a queda de 9,5% do segmento de Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio foi a mais expressiva, seguida das quedas de 4,7% registradas nos Serviços de Informação e Comunicação e nos Serviços profissionais, administrativos e complementares.

Serviços recuaram 2,5% no segundo semestre de 2016

Os resultados do segundo semestre apontam para um recuo de 2,5% em relação ao primeiro semestre, na série livre de influências sazonais, ligeiramente menor em comparação aos recuos observados no primeiro semestre e no segundo semestre de 2015. Na comparação com o segundo semestre de 2015, o recuou situou-se em 5,2%, com destaque também para o segmento de Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, com queda de 9,2%.

Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (-7,6%)
tiveram a maior queda no acumulado de 2016

Os resultados acumulados no ano evidenciam a acentuada retração das atividades de serviços em 2016, no qual o segmento de Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio acumulou a maior queda, com -7,6%, com destaque para o Transporte terrestre, com -10,4%. Nesse aspecto, é importante ressaltar a forte dependência do Transporte de cargas (rodoviário, ferroviário e dutoviário) em relação ao setor industrial, maior demandante deste serviço, tanto para o consumo de matérias-primas, como para a distribuição da produção. Dessa forma a recuperação dessa atividade vai depender da recuperação do setor industrial.

O segmento de Serviços profissionais, administrativos e complementares também se destacou por apresentar retração de 5,5% em 2016, com destaque para os Serviços técnico-profissionais, com queda de 11,4%. Essas atividades, que abrangem serviços intensivos em conhecimento, tais como: serviços jurídicos, contábeis, de auditoria, consultoria empresarial, serviços de engenharia e arquitetura, publicidade e propaganda, etc., dependem da demanda de outros setores institucionais, como indústria, comércio e governos, que restringiram seus gastos e investimentos em 2016, afetando sobremaneira seus resultados.

A variação acumulada dos Serviços de Informação e Comunicação situou-se no patamar de -3,2%, observando-se que os Serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias, registraram a queda mais acentuada (-7,1%). O segmento de Serviços de tecnologia da informação manteve a sequencia de resultados acumulados positivos, muito embora a variação em 2016 tenha se situado em um patamar inferior ao observado nos anos anteriores.

Os Serviços prestados às famílias, com uma variação acumulada de -4,4% em 2016, dependem fundamentalmente da recuperação do poder de compra das famílias para retomar seu crescimento.

Bahia (-3,9%) registrou maior queda nos serviços, em dezembro frente a novembro

No que se refere aos resultados regionais do setor de serviços em dezembro, com ajuste sazonal, as maiores variações positivas de volume, em relação à novembro, foram registradas no Espírito Santo (4,4%), Ceará (4,3%) e Amazonas (3,4%). As maiores variações negativas foram observadas na Bahia (-3,9%), Paraíba (-3,8%) e Acre (-3,5).

Quanto aos resultados sem ajuste sazonal, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, todas as Unidades da Federação apresentaram variações negativas, sendo que as maiores variações foram registradas em Mato Grosso (-33,1%), Rondônia (-19,6%) e Tocantins (-18,5%).

São Paulo (6,6%) apresentou maior alta nas atividades Turísticas

Em termos regionais, analisando-se os resultados de volume, na série livre de influências sazonais das Atividades turísticas, segundo as Unidades da Federação selecionadas, as variações positivas, por ordem de variação, foram as seguintes: São Paulo (6,6%), Rio Grande do Sul (3,2%), Goiás (2,4%), Rio de Janeiro (1,4%), Distrito Federal (0,8%), Minas Gerais (0,2%) e Bahia (0,1%). As variações negativas foram registradas no Ceará (-7,6%), Santa Catarina (-3,5%), Espírito Santo (-3,4%), Paraná (-2,3%) e Pernambuco (-0,9%).

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior sem ajuste sazonal, as variações positivas foram as seguintes: Goiás (13,9%), Pernambuco (8,2%), São Paulo (7,3%) e Rio Grande do Sul (1,4%). As variações negativas foram as seguintes: Distrito Federal (-13,6%), Ceará (-10,9%), Rio de Janeiro (-7,3%), Espírito Santo (-5,8%), Minas Gerais (-5,2%), Bahia (-2,4%), Paraná (-2,0%) e Santa Catarina (-1,5%)

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 15/02/2017 09:00:56

CVC - Promo Verão - Finance One
LATAM - Destinos Nacionais - Finance One

IGP-10 desacelera em fevereiro


São Paulo, 15/02 (Enfoque) –

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) variou 0,14%, em fevereiro. A taxa apurada em janeiro foi de 0,88%. Em fevereiro de 2016, a variação foi de 1,55%. A taxa acumulada em 2017, até fevereiro, é de 1,02%. Em 12 meses, o IGP-10 registrou alta de 5,67%. O IGP-10 é calculado com base nos preços coletados entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência.
 
O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) variou -0,03%, em fevereiro. Em janeiro, a variação foi de 1,08%. Os Bens Finais registraram taxa de variação de -0,81%, em fevereiro, ante 0,53%, em janeiro. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 0,50% para -1,33%. O índice relativo a Bens Finais (ex), calculado sem os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, registrou variação de -0,25%. No mês anterior, a taxa de variação foi de 0,32%.
 
O índice do grupo Bens Intermediários registrou variação de 1,32%. No mês anterior, a taxa havia sido de 1,24%. Apenas o subgrupo materiais e componentes para a manufatura registrou aceleração, cuja taxa de variação passou de 0,42% para 1,33%. O índice de Bens Intermediários (ex),obtido após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, registrou variação de 0,90%. No mês anterior, este índice registrou variação de 0,46%.
 
O índice do grupo Matérias-Primas Brutas registrou variação de -0,56%. Em janeiro, a taxa foi de 1,55%. Contribuíram para a desaceleração do grupo os itens: minério de ferro (17,02% para 2,30%), aves (-1,60% para -8,82%) e milho (em grão) (-3,25% para -7,04%).Em sentido inverso, destacaram-se os itens: café (em grão) (-7,57% para 3,02%), mandioca (aipim) (0,12% para 8,78%) e laranja (-1,32% para 12,23%).
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,54%, em fevereiro, a mesma registrada no mês anterior. A principal contribuição em sentido ascendente partiu do grupo Habitação (-0,20% para 0,35%). Nesta classe de despesa, vale destacar o comportamento do item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de -3,53% para -0,26%.
 
Também foram computados acréscimos nas taxas de variação em outras duas classes de despesa: Educação, Leitura e Recreação (1,65% para 2,99%) e Comunicação (0,34% para 0,37%). Nestas classes de despesa, vale citar o comportamento dos itens: cursos formais (3,03% para 5,98%) e tarifa de telefone móvel (0,39% para 0,93%), respectivamente.
 
Já em sentido descendente, a principal influência partiu do grupo Alimentação (0,66% para -0,01%). Nesta classe de despesa, a maior contribuição para este movimento partiu do item carnes bovinas, cuja taxa passou de 1,04% para -1,09%.
 
Os grupos Saúde e Cuidados Pessoais (0,63% para 0,42%), Despesas Diversas (1,10% para 0,30%), Vestuário (0,14% para -0,12%) e Transportes (0,90% para 0,85%) também apresentaram decréscimos em suas taxas de variação. Para cada uma dessas classes de despesa, vale citar o comportamento dos itens: artigos de higiene e cuidado pessoal (0,53% para 0,07%), cigarros (2,16% para 0,00%), roupas (-0,03% para     -0,45%) e gasolina (2,65% para -0,55%), respectivamente.
 

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em fevereiro, taxa de variação de 0,36%, ante 0,30%, no mês anterior. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,55%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,17%. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou variação de 0,19%. No mês anterior, este índice variou 0,41%.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 15/02/2017 08:53:59

Mercado-Pago-02-300x250_parcelado-Finance-One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

Chamada de Pré Abertura – Índice Futuro BMF: +0,4% +260 pontos aos 67.150 pontos


São Paulo, 15/02 (Enfoque) –

Var.%: 0,4
Var. Ptos: 260
Valor: 67.150

Nossa previsão acima foi baseada na oscilação do Mini S&P futuro com critérios de análise técnica:

– Variação do Mini S&P Futuro desde o fechamento da sessão anterior:

Var.%: 0,2
Var. Ptos:
3,50
Valor: 2.336,00

Veja como se comportou o Mini S&P desde o fechamento da sessão anterior no gráfico intraday de 15 minutos:

 

Veja como se comportou o Mini S&P desde o fechamento da sessão anterior no gráfico diário:

 

 

Analista de Valores Mobiliários responsável:

Fausto de Arruda Botelho CFTe; CNPI

Em conformidade com as disposições da Instrução CVM nº 388, eu Fausto de Arruda Botelho, analista de investimento responsável pela elaboração deste relatório declaro que:

1.       As análises e recomendações refletem única e exclusivamente minhas opiniões pessoais, às quais foram realizadas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à (Enfoque).

2.       Não mantenho vínculo com qualquer pessoa natural que atue no âmbito das companhias cujos valores mobiliiários foram alvo de análise neste Relatório.

3.       A Enfoque não administra fundos, carteiras e clubes de investimentos

4.       A Enfoque não possui participação acionária direta ou indireta, igual ou superior a 1% (um por cento) do capital social de quaisquer das companhias cujos valores mobiliários foram alvo de análise neste relatório.

5.       A Enfoque não está envolvida  na aquisição , alienação ou intermediação de valores mobiliários das objeto de análise neste relatório.

6.       Não sou titular, direta ou indiretamente, de valores mobiliários de emissão da(s) companhia(s) objeto da análise neste Relatório, que representem 5% (cinco por cento) ou mais de meu patrimônio pessoal, e não estou envolvido na aquisição, alienação e intermediação de tais valores mobiliários no mercado.

7.       Nem eu nem a Enfoque recebemos remuneração por serviços prestados e não temos relações comerciais com qualquer das companhias cujos valores mobiliários foram alvo da análise neste relatório, ou pessoa natural ou pessoa jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que atue representando o mesmo interesse desta(s) companhia(s).

8.       Minha remuneração não está, atrelada à precificação de quaisquer dos valores mobiliários de emissão da(s) companhia(s) objeto de análise neste Relatório, nem às eventuais receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Enfoque com esta(s) companhia(s).

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 15/02/2017 08:38:08

Mercado-Pago-02-300x250_parcelado-Finance-One
CVC - Hoteis - Finance One

Pauta do Dia – Nova fala de Yellen e indicadores dos EUA agitam bolsas nesta quarta-feira


São Paulo, 15/02 (Enfoque) –

Ásia

As bolsas de valores da Ásia fecharam a quarta-feira, em sua maioria, com ganhos, com os investidores repercutindo a fala de Janet Yellen, titular do Federal Reserve, no Senado. Pesou negativamente no mercado japonês o desempenho das ações da Toshiba, empresa que vem enfrentando sérias dificuldades por conta de perdas em suas operações com energia nuclear.

Europa

Os mercados acionários da Europa operam perto com ganhos na manhã desta quarta-feira repercutindo a fala de Janet Yellen ontem no Senado americano, que sinalizou elevação dos juros nos Estados Unidos. O desempenho de papéis de empresas como Credit Agricole e Heineken ajudam no resultado parcial do dia.

EUA

A terça-feira será marcada pela divulgação das vendas do varejo e da produção industrial no cenário americano, além da fala de Janet Yellen, presidente do Federal Reserve, na Câmara dos Deputados. O posicionamento da titular da pasta poderá dar sinais aos investidores do próximo passo da autoridade monetária.

Brasil

A agenda desta quarta-feira no cenário local traz como destaque a divulgação do IPC-10 de fevereiro. No entanto, a cena política e a necessidade de aprovação de medidas de ajuste no Congresso seguem dominando as atenções. O início da temporada de balanços, que se aproxima, também está no radar do mercado.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 15/02/2017 08:23:16

CVC - Promo Verão - Finance One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

Reserva Cambial – Posição consolidada em 11/2: US$ 374,547 bilhões


São Paulo, 15/02 (Enfoque) –

As reservas cambiais do Brasil registraram na sexta-feira (11) posição consolidada de US$ 374,547 bilhões, sendo que quinta-feira (10) a posição era de US$ 374,702 bilhões. A variação foi negativa em US$ 155 milhões.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 15/02/2017 08:14:21

MercadoPago-01-300x250_cheio-Finance-One
CVC - Hoteis - Finance One

Câmbio – Agenda cheia, Yellen e atuação do BC determinam rumos do dólar


São Paulo, 15/02 (Enfoque) –

A jornada de terça-feira foi mais uma vez marcada pela queda da cotação do dólar comercial, que fechou o dia negociado a R$ 3,0970, o que representa queda de 0,5%. No decorrer do dia, a divisa chegou a iniciar uma trajetória de alta com a sinalização de alta dos juros por parte do Fed. No entanto, a situação se inverteu em seguida a moeda americana voltou a cair.

A quarta-feira será um dia de importantes indicadores econômicos na agenda, como é o caso dos dados das vendas do varejo e da produção industrial americana. Além disso, o mercado aguarda a fala da titular do Federal Reserve, Janet Yellen, desta vez na Câmara dos Deputados.

Mercado Externo

A terça-feira será marcada pela divulgação das vendas do varejo e da produção industrial no cenário americano, além da fala de Janet Yellen, presidente do Federal Reserve, na Câmara dos Deputados. O posicionamento da titular da pasta poderá dar sinais aos investidores do próximo passo da autoridade monetária.

Mercado Interno

A agenda desta quarta-feira no cenário local traz como destaque a divulgação do IPC-10 de fevereiro. No entanto, a cena política e a necessidade de aprovação de medidas de ajuste no Congresso seguem dominando as atenções. O início da temporada de balanços, que se aproxima, também está no radar do mercado.

Swap

O Banco Central anunciou que vai realizar nesta quarta-feira leilão para a rolagem dos contratos de swap cambial com vencimento em março. A operação vai acontecer entre 11h30 e 11h40 e serão negociados até seis mil contratos, com vencimentos rolados para junho ou julho de 2017.

Reserva Cambial                 

As reservas cambiais do Brasil registraram na sexta-feira (11) posição consolidada de US$ 374,547 bilhões, sendo que quinta-feira (10) a posição era de US$ 374,702 bilhões. A variação foi negativa em US$ 155 milhões.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 15/02/2017 08:13:55

MercadoPago-01-300x250_cheio-Finance-One
CVC - Hoteis - Finance One

Comércio varejista recua 2% em dezembro e fecha 2016 com queda de 6,2%


São Paulo, 14/02 (Enfoque) – Com o recuo de 2% no volume de vendas de novembro para dezembro do ano passado, o comércio varejista do país fechou 2016 com queda acumulada de 6,2%. Este é o pior resultado do comércio varejista do país desde o início da série histórica, em 2001. No ano passado, o setor teve resultado negativo de 4,3%. Os dados fazem parte da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) que foram divulgados hoje (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com os números do fechamento do ano passado. A queda de 2% no volume de vendas do comércio varejista, na série livre de influências sazonais, ocorreu após o setor ter fechado novembro com alta de 1%. Em relação a dezembro de 2015, as vendas do setor fecharam com queda de 4,9%. A variação da receita nominal do comércio varejista também fechou dezembro com queda de 2,1%, embora tenha fechado positivo tanto no resultado acumulado do ano (4,5%), como na comparação com dezembro do ano passado, que foi de 2%. No comércio varejista ampliado, que agrega também atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, os resultados foram negativos: -0,1% em relação a novembro; -6,7% comparativamente a dezembro de 2015; e -8,7% no acumulado dos doze meses de 2016. Do ponto de vista das receitas nominais do setor, o varejo ampliado fechou com queda de receita de 0,3% de novembro para dezembro; de 1,2% comparativamente a dezembro de 2015 e de 0,7% no acumulado dos 12 meses de 2016.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 14/02/2017 10:19:16

CVC - Promo Verão - Finance One
CVC - Hoteis - Finance One

Chamada de Pré Abertura – Índice Futuro BMF: -0,3% -180 pontos aos 66.740 pontos


São Paulo, 14/02 (Enfoque) –

Var.%: -0,3
Var. Ptos: -180
Valor: 66;740

Nossa previsão acima foi baseada na oscilação do Mini S&P futuro com critérios de análise técnica:

– Variação do Mini S&P Futuro desde o fechamento da sessão anterior:

Var.%: -0,1
Var. Ptos:
-2,5
Valor: 2.324,00

Veja como se comportou o Mini S&P desde o fechamento da sessão anterior no gráfico intraday de 15 minutos:

 

Veja como se comportou o Mini S&P desde o fechamento da sessão anterior no gráfico diário:

 

Analista de Valores Mobiliários responsável:

Fausto de Arruda Botelho CFTe; CNPI

Em conformidade com as disposições da Instrução CVM nº 388, eu Fausto de Arruda Botelho, analista de investimento responsável pela elaboração deste relatório declaro que:

1.       As análises e recomendações refletem única e exclusivamente minhas opiniões pessoais, às quais foram realizadas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à (Enfoque).

2.       Não mantenho vínculo com qualquer pessoa natural que atue no âmbito das companhias cujos valores mobiliiários foram alvo de análise neste Relatório.

3.       A Enfoque não administra fundos, carteiras e clubes de investimentos

4.       A Enfoque não possui participação acionária direta ou indireta, igual ou superior a 1% (um por cento) do capital social de quaisquer das companhias cujos valores mobiliários foram alvo de análise neste relatório.

5.       A Enfoque não está envolvida  na aquisição , alienação ou intermediação de valores mobiliários das objeto de análise neste relatório.

6.       Não sou titular, direta ou indiretamente, de valores mobiliários de emissão da(s) companhia(s) objeto da análise neste Relatório, que representem 5% (cinco por cento) ou mais de meu patrimônio pessoal, e não estou envolvido na aquisição, alienação e intermediação de tais valores mobiliários no mercado.

7.       Nem eu nem a Enfoque recebemos remuneração por serviços prestados e não temos relações comerciais com qualquer das companhias cujos valores mobiliários foram alvo da análise neste relatório, ou pessoa natural ou pessoa jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que atue representando o mesmo interesse desta(s) companhia(s).

8.       Minha remuneração não está, atrelada à precificação de quaisquer dos valores mobiliários de emissão da(s) companhia(s) objeto de análise neste Relatório, nem às eventuais receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Enfoque com esta(s) companhia(s).

 

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 14/02/2017 08:40:20

Mercado-Pago-02-300x250_parcelado-Finance-One
LATAM - Destinos Nacionais - Finance One