Dólar encerra em alta de 0,52% a R$ 1,7490

Com o cenário europeu agravado, com as notícias negativas ligadas principalmente a Portugal e Grécia, a procura pela moeda americana foi acentuada nesta segunda-feira, o que elevou a cotação da divisa em 0,52% para R$ 1,7490. Confira o gráfico:



Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
30/01/2012 16:49:03

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras

MercadoPago-01-300x250_cheio-Finance-One
CVC - Hoteis - Finance One

Dólar opera estável a R$ 1,8520

Com os índices futuros indicando um início de dia em alta nos mercados acionários, a procura de dólares segue pouco aquecida, o que contribui para que a moeda americana seja negociada em queda nesta sexta-feira. No momento, a divisa ensaia uma leve recuperação e está estável, a R$ 1,8520. Confira o gráfico:



Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
23/12/2011 10:28:36

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras

Mercado-Pago-02-300x250_parcelado-Finance-One
LATAM - Destinos Nacionais - Finance One

Dólar opera em alta mas fica abaixo de R$ 1,90

Após superar a marca de R$ 1,90, e atingir nos primeiros negócios máxima de R$ 1,8120, o dólar comercial reduziu o movimento de alta nesta sexta-feira, e voltou a operar na casa de R$ 1,89.
Neste momento, a divisa avança 0,21%, e vale R$ 1,8920. Veja gráfico abaixo:


Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
25/11/2011 10:11:04

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras

Mercado-Pago-02-300x250_parcelado-Finance-One
LATAM - Destinos Nacionais - Finance One

Dólar fecha em alta de 1,46% a R$ 1,8070

A semana começou com o clima de incerteza persistindo nos mercados de todo o mundo. Desta vez, além da preocupação com  a Europa, assuntos dos Estados Unidos chamaram a atenção dos investidores. Com isso, a moeda americana encerrou o dia com alta de 1,46% a R$ 1,8070. Confira o gráfico:



Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
21/11/2011 16:43:32

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras

MercadoPago-01-300x250_cheio-Finance-One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

Dólar encerra com queda de 3,16% a R$ 1,8380

Depois de uma semana marcada por grandes solavancos para a valorização da moeda americana, a sessão de sexta-feira teve o movimento contrário. Ainda mais com o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, deixando claro que o irá atuar para evitar a falta de liquidez da moeda.
 
Com isso, a divisa fechou a jornada com perdas de 3,16% a R$ 1,8380. Confira o gráfico:



Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
23/09/2011 16:36:36

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras

MercadoPago-01-300x250_cheio-Finance-One
LATAM - Destinos Nacionais - Finance One

Dólar fecha com valorização de 2,04% a R$ 1,8980

Em mais um dia marcado pela forte procura por dólares, a moeda americana teve um dia de bastante volatilidade, chegando a ser negociada a R$ 1,9540. No entanto, o Banco Central interveio e realizou venda futura da moeda americana. Com isso, a divida encerrou a quinta-feira com valorização de 2,04% a R$ 1,8980. Confira o gráfico:



Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
22/09/2011 16:46:28

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras

Mercado-Pago-02-300x250_parcelado-Finance-One
LATAM - Destinos Nacionais - Finance One

Desvalorização do real está de acordo com o que o governo considera adequado, diz Arno

(Ag. Brasil) – A desvalorização do real ante o dólar ocorrida nos últimos dias está “em linha com o que o governo considera adequado”, informou hoje (14) o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin. O real sobrevalorizado é um problema para o país, porque encarece as exportações brasileiras, entre outras consequências.

“Esse movimento que temos hoje de desvalorização do real está em linha com que a gente considera adequado. O governo sempre se preocupou com o excesso de valorização do câmbio”, disse o secretário do Tesouro depois de participar de reunião da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados, em que falou sobre a execução orçamentária da União.
Arno Augustin disse ainda que, mesmo com as recentes valorizações do dólar, a crise internacional continua a ser uma preocupação muito grande do governo brasileiro, que vem monitorando com atenção a situação externa, principalmente da Europa. “Não devemos nunca subestimar os efeitos disso, mas até o momento a nossa opinião é que o Brasil, com os fundamentos que tem, com as condições que tem, vai continuar a ter uma reação positiva e sem maiores traumas nesta crise internacional.”
Sobre a ajuda do Brics (grupo formado pelo Brasil, pela Rússia, pela Índia, pela China e pela África do Sul) aos países da Europa, o secretário não quis antecipar como será a contribuição do Brasil, tampouco se o Fundo Soberano [economia do governo para momentos de crise] poderá ser utilizado para adquirir títulos europeus. Ele lembrou que o assunto será discutido entre os integrantes do Brics na próxima semana em Washington, nos Estados Unidos.
Arno antecipou que o resultado de agosto do Governo Central (Previdência Social, Tesouro Nacional e Banco Central), a ser divulgado na próxima semana, não será tão elevado como no mês de julho. “O superávit é diferente a cada mês. Vamos ter resultado positivo, mas o mês [agosto] tradicionalmente não é forte”. Em julho, o Governo Central registrou superávit primário de R$ 11,184 bilhões.
O secretário anunciou que o Tesouro Nacional avalia a possibilidade de fazer novas emissões de títulos públicos federais no mercado internacional, mesmo com a crise global. De acordo com ele, “os extraordinários fundamentos do Brasil colocam as emissões como uma possibilidade”.
“Nós sempre analisamos a emissão dentro das condições do mercado. [As emissões] poderão tanto ser em real, quanto em dólar. Claro que o cenário está bastante volátil, mas os fundamentos do Brasil estão muito bons. É possível que a gente tenha condição de fazer as emissões”, disse. As operações de lançamentos de títulos servem, entre outros objetivos, tanto para captar recursos, quanto para avaliar a receptividade dos papéis do governo e das empresas no mercado financeiro, criando parâmetros para novas emissões.

Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
14/09/2011 13:17:53

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras

MercadoPago-01-300x250_cheio-Finance-One
CVC - Hoteis - Finance One

BC compra dólares a R$ 1,6573

O Banco Central realizou na tarde desta quinta-feira mais um leilão para a compra de dólares no mercado à vista de câmbio. A operação, que durou das 15h53 às 15h58, teve como taxa aceita R$ 1,6573.

Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
08/09/2011 16:02:48

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras

Mercado-Pago-02-300x250_parcelado-Finance-One
LATAM - Destinos Nacionais - Finance One

Leilão do BC negocia dólar a R$ 1,6605

O Banco Central (BC) mantém as atuações diárias no câmbio e voltou a comprar moeda americana em leilão no mercado à vista.
 
De acordo com comunicado do Departamento de Operações de Reservas Internacionais (Depin), a operação teve início às 15h47 e terminou às 15h52. A taxa negociada foi de R$ 1,6605.
 
 

Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
06/09/2011 15:55:35

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras

CVC - Caribe - Finance One
CVC - Hoteis - Finance One