Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,129
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Euro R$ 3,745
Libra R$ 4,234
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


Perspectivas sobre juros e Vale ajudam Ibovespa; dólar cai

SÃO PAULO  –  A bolsa de valores brasileira opera em alta embalada pelas perspectivas de redução nas taxas de juros, que impulsionam as ações do setor de consumo, e pelos ganhos da Vale diante do avanço do minério de ferro.

O Ibovespa, principal índice do mercado acionário, ganhava 0,83%, com 62.840 pontos, às 13h10.

A projeção média dos economistas para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2017 baixou de 3,38% para 3,46% no levantamento divulgado logo cedo. Embora a previsão majoritária ainda seja de que o Comitê de Política Monetária do BC (Copom) vá cortar a Selic em 0,75 ponto percentual na sua reunião do final deste mês, têm crescido as apostas de uma redução mais ousada. O Bank of America foi o último a mudar a sua estimativa, passando a prever um corte de um ponto percentual na taxa ainda em julho, conforme relatório enviado a clientes nesta segunda-feira.

Assim, empresas que dependem da demanda interna destacam-se entre as maiores elevações da Bovespa.

O Índice de Consumo da B3, que reúne ações das empresas do setor, avançava 0,92% há pouco. O Pão de Açúcar tinha alta de 3,12%, a R$ 65,72, e a ação das Lojas Renner ganhava 1,71%, a R$ 27,95.

Depois de o minério de ferro avançar 2% hoje, para US$ 64,05 a tonelada, a ação preferencial da Vale ganhava 1,55%, a R$ 27,46, e a ordinária subia 1,94%, para R$ 29,45. O Índice de Materiais Básicos da bolsa avançava 1,39%, na maior elevação entre sete grupos setoriais.

Essas boas notícias pontuais contribuíam para contrabalançar um pouco a tensão do mercado com o cenário político.

Os investidores aguardam para a tarde de hoje a leitura, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, do relatório do deputado federal Sergio Zveiter (PMDB-RJ) sobre a denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, do presidente Michel Temer (PMDB) por corrupção. O parecer deve ser favorável ao seguimento da denúncia, segundo os jornais locais.

Enquanto o governo afirma ter maioria para derrotar o relatório na votação na comissão, a movimentação do presidente da casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é observada com máxima atenção no mercado, que tenta medir as chances de uma nova mudança na chefia do Poder Executivo em meio a desencontradas notícias sobre as opiniões do eventual substituto de Temer a respeito da atual política econômica.

Dólar

O real volta a ser destaque positivo nos mercados globais de câmbio, consolidando o posto de moeda com melhor desempenho no mês.

Grandes bancos, como Morgan Stanley e BofA, seguem vendo o dólar em até R$ 3,40 ao longo deste ano. Os retornos elevados do real, apesar do juro em queda, e a expectativa de um cenário para emergentes sem rupturas amparam as estimativas relativamente comportadas.

Um misto de “esperança” de andamento de reformas com uma eventual troca de governo e o cenário externo favorável a risco neste começo de semana colabora para a performance da divisa doméstica, que nos últimos dois meses esteve nas últimas colocações no mercado global.

O mercado se sente mais seguro na venda de dólares na esteira também da sinalização do Banco Central de rolagem integral dos contratos de swap cambial tradicional com vencimento em agosto.

O BC colocou hoje todos os 8.300 papéis ofertados. Mantido esse ritmo até o fim do mês, o BC postergará o vencimento de todos os US$ 6,181 bilhões em swaps que expiram em agosto. No total, há US$ 27,764 bilhões nesses contratos no mercado.

Às 13h10, o dólar comercial caía 0,60%, a R$ 3,2636, depois de bater R$ 3,2582, mínima em um mês.

Juros

Os contratos de juros futuros caíam depois de a pesquisa semanal Focus, do Banco Central, apontar uma diminuição das expectativas para a inflação.

O DI janeiro/2018 tinha taxa de 8,785% (8,790% no ajuste anterior). O DI janeiro/2019 cedia a 8,750% (8,790% no último ajuste). O DI janeiro/2021 indicava 9,960% (10,010% no ajuste anterior). E o DI janeiro/2023 caía a 10,470% (10,560% no último ajuste).

Fonte: Valor Econômico

Ricardo Eletro - Finance One
LATAM - Ofertas Brasil - Finance One

Mais lidos

Dólar acumula alta de 0,45% na semana
SÃO PAULO  -  O comportamento do câmbio doméstico foi novamente direcionado pelo exterior. Em d...
Ibovespa registra queda de 0,48% na semana, com realização de lucros
SÃO PAULO  -  Os investidores decidiram realizar lucros nos últimos dias e o Ibovespa encerrou a...
Mercado de juros futuros tem dia de ajustes de olho em Selic e fiscal
SÃO PAULO  -  O mercado de juros futuros tomou a sessão desta sexta-feira para executar alguns a...
Ibovespa recua e dólar está abaixo de R$ 3,13 seguindo cena externa
SÃO PAULO  -  Depois de registrar a mínima intradia dos 75.029 pontos, o Ibovespa opera no come...
Com cautela no exterior, Ibovespa segue em queda com correção
SÃO PAULO  -  O mercado local aproveita mais uma vez as intensas altas registradas nas últimas s...
Dólar cai seguindo ajuste no mercado externo e sai na casa de R$ 3,13
SÃO PAULO  -  O dólar volta a cair nesta sexta-feira, num movimento alinhado ao exterior. Após ...

Publicidade