Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,132
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Euro R$ 3,753
Libra R$ 4,234
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


PIB cresce 0,5% em 2014 chega a R$ 5,8 trilhões


São Paulo, 17/11 (Enfoque) –

O PIB chegou a R$ 5,779 trilhões em 2014 e o seu crescimento em relação a 2013 foi revisado de 0,1% para 0,5%. O PIB per capita (R$ 28.498) teve queda de 0,4% em relação a 2013. Foi a terceira queda nesse indicador desde o ano 2000, sendo que os recuos mais recentes ocorreram em 2003 (-0,2%) e 2009 (-1,2%).

Esses e outros resultados integram o Sistema de Contas Nacionais 2010-2014, que incorpora novos dados, mais amplos e detalhados, do próprio IBGE e fontes externas, além de atualizações metodológicas, revisando os resultados já divulgados pelas Contas Nacionais Trimestrais. A publicação completa pode ser acessada aqui.


Tabela 1
Principais Indicadores do Sistema de Contas Nacionais
2012-2014

 
Principais Indicadores20102011201220132014
Produto Interno Bruto (R$ bilhões)
3.886
4.376
4.815
5.332
5.779
PIB per capita (R$)
19.878
22.171
24.165
26.520
28.498
PIB (variação % em volume)
7,5
4,0
1,9
3,0
0,5
Consumo das famílias (variação % em volume)
6,2
5,0
3,5
3,6
2,3
FBCF (variação % em volume)
17,9
6,8
0,8
5,8
-4,2
Taxa de investimento – FBCF/PIB (%)
20,5
20,6
20,7
20,9
19,9
Remuneração dos empregados/PIB (%)
41,6
42,2
42,8
43,2
43,5
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais.

Agropecuária (2,8%) e serviços (1,0%) crescem, e indústria cai (-1,5%)

Pela ótica da produção, que mostra as contribuições para o PIB do valor gerado pelas atividades econômicas, a agropecuária e os serviços foram responsáveis, respectivamente, por 0,1 e 0,7 pontos percentuais do crescimento do valor adicionado, enquanto a indústria teve contribuição negativa de 0,4 pontos percentuais. Em 2014 a agropecuária (2,8%) e os serviços (1,0%) cresceram, enquanto a indústria caiu (-1,5%).

Esta queda abrangeu quase todos os ramos da indústria, as únicas exceções relevantes foram a extração de petróleo (10,9%), a extração de minério de ferro (6,8%), a indústria farmoquímica (7,4%) e as indústrias de açúcar (3,5%) e álcool (5,2%). Já as principais contribuições negativas vieram da indústria automobilística (-19,6%) e de autopeças (-16,1%), além da construção (-2,1%), que mostrou variação menos intensa, mas tem peso significativo na economia, como mostra a tabela seguir.


Tabela 13
Participação no valor adicionado bruto a preços básicos, segundo os grupos de atividades
2012-2014

 
Grupos de AtividadesParticipação no valor adicionado bruto a preços básicos (%)
20102011201220132014
               Total
100,0
100,0
100,0
100,0
100,0
01
Agropecuária
4,8
5,1
4,9
5,3
5,0
 
Indústria
27,4
27,2
26,0
24,9
23,8
02
Indústria extrativa
3,3
4,4
4,5
4,2
3,7
03
Indústria de transformação
15,0
13,9
12,6
12,3
12,0
04
Produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana
2,8
2,7
2,4
2,0
1,9
05
Construção Civil
6,3
6,3
6,5
6,4
6,2
 
Serviços
67,8
67,7
69,1
69,9
71,2
06
Comércio
12,6
12,9
13,4
13,5
13,6
07
Transporte, armazenagem e correio
4,3
4,4
4,5
4,5
4,6
08
Serviços de informação
3,8
3,7
3,6
3,5
3,4
09
Intermediação financeira, seguros e previdência complementar
6,8
6,4
6,4
6,0
6,4
10
Atividades imobiliárias
8,3
8,4
8,8
9,2
9,3
11
Outros serviços
15,7
15,9
16,5
16,9
17,4
12
Administração, saúde e educação públicas e seguridade social
16,3
16,1
15,9
16,4
16,4
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais.

Entre as atividades dos serviços, houve estabilidade ou pequeno crescimento do valor adicionado. Os destaques negativos foram comércio de veículos (-6,2%), aluguéis não imobiliários (-4,5%) e alojamento (-2,8%). As contribuições positivas vieram das atividades de desenvolvimento de software (9,4%) e de rádio e TV (5,8%), além da educação privada (6,2%), que teve desempenho inverso ao da educação pública (-1,0%).

Aumento do consumo das famílias (2,3%) foi o principal impacto positivo

Pela ótica da despesa, que analisa o destino dos bens e serviços produzidos, o consumo das famílias aumentou 2,3% em relação a 2013 e foi o principal responsável pelo crescimento do PIB em 2014. O saldo externo (diferença de saldo entre importações e exportações) também contribuiu positivamente, pois a queda das importações (-1,9%) superou a das exportações (-1,1%). Já a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) caiu 4,2% no ano e a taxa de investimento (FBCF/PIB) recuou de 20,9%, em 2013, para 19,9% do PIB, em 2014.

Sob a ótica da renda, a participação da remuneração dos empregados no PIB continuou a crescer, passando de 43,2% em 2013 para 43,5% em 2014. Já a parcela do excedente operacional bruto (valor adicionado bruto menos as remunerações dos empregados, o rendimento misto e os impostos líquidos de subsídios incidentes sobre a produção) no PIB inverteu a tendência de queda observada desde 2010, indo de 32,6% em 2013 para 33,1% em 2014. Em contrapartida, a parcela dos impostos líquidos de subsídios sobre a produção e a importação recuou de 15,5% do PIB em 2013 para 14,9% em 2014.

Necessidade de financiamento da economia nacional em 2014 foi de R$ 262,0 bilhões, com crescimento de 46,3% em relação a 2013

A renda nacional bruta (PIB mais os rendimentos dos fatores de produção enviados ou recebidos do resto do mundo) foi de R$ 5,7 trilhões em 2014, contra R$ 5,3 trilhões em 2013. O pagamento líquido de rendas de propriedades ao resto do mundo (juros, dividendos e lucros reinvestidos) cresceu significativamente: 76,4%, passando de R$ 65,3 bilhões em 2013 para R$ 115,2 bilhões em 2014.

O crescimento nominal da despesa de consumo final (10,5%) superou o da renda nacional bruta (7,5%) e contribuiu para uma retração de 5,3% na poupança do país (de R$ 976,9 bilhões em 2013 para R$ 924,9 bilhões em 2014). Esse fato, associado ao crescimento nominal de 3,0% na formação bruta de capital (R$ 1,1 trilhão em 2014), fez com que a necessidade de financiamento da economia nacional chegasse a R$ 262,0 bilhões em 2014, um aumento de 46,3% frente ao ano anterior. As empresas não financeiras tiveram a maior participação (55,4%) no total da renda gerada.

Agregados Macroeconômicos20102011201220132014
(1.000.000 R$)
(%)
(1.000.000 R$)
(%)
(1.000.000 R$)
(%)
(1.000.000 R$)
(%)
(1.000.000 R$)
(%)
Valor adicionado bruto
3.302.840
100,0
3.720.461
100,0
4.094.259
100,0
4.553.760
100,0
4.972.734
100,0
   Empresas não financeiras
1.836.976
55,6
2.102.992
56,5
2.301.347
56,2
2.530.103
55,6
2.755.684
55,4
   Empresas financeiras
222.761
6,7
237.620
6,4
258.358
6,3
270.196
5,9
316.339
6,4
   Governo geral
537.845
16,3
598.059
16,1
652.101
15,9
746.187
16,4
816.808
16,4
   Famílias
669.111
20,3
741.634
19,9
837.725
20,5
957.897
21,0
1.032.013
20,8
   ISFLSF
36.147
1,1
40.156
1,1
44.728
1,1
49.377
1,1
51.890
1,0
Cap.(+)/Necessidade(-) de financ.
-149.419
 
-142.789
 
-162.348
 
-179.029
 
-262.008
 
   Empresas não financeiras
-150.394
 
-165.612
 
-158.183
 
-128.123
 
-60.744
 
   Empresas financeiras
82.622
 
99.284
 
72.893
 
90.228
 
102.849
 
   Governo geral
-115.021
 
-111.114
 
-111.602
 
-176.420
 
-339.697
 
   Famílias
33.356
 
34.618
 
34.513
 
35.212
 
35.275
 
   ISFLSF
18
 
35
 
31
 
74
 
249
 
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais.

A capacidade de financiamento do setor financeiro cresceu 14,0% e foi de R$ 90,2 bilhões em 2013 para R$ 102,8 bilhões em 2014. A elevação da Selic média para 10,9% (8,2% em 2013) e o aumento do spread médio (diferença, apropriada pelo intermediário financeiro, entre a taxa de juros cobrada ao tomador de um empréstimo e a taxa de juros que remunera o aplicador de recursos), que passou de 11,5% para 15,3% em 2014, contribuíram para o desempenho das empresas financeiras. A relação entre os empréstimos totais e o PIB recuou de 54,6% em 2013 para 52,9% em 2014.

A capacidade de financiamento das famílias (R$ 35,3 bilhões) em 2014 ficou praticamente estável em relação a 2013 (R$ 35,2 bilhões), enquanto a despesa de consumo final em relação à remuneração recebida pelas famílias cresceu (de 9,1%% para 10,6%). Isso se deveu principalmente à alta de 7,9% nas rendas de propriedade líquidas das famílias (juros e dividendos) e ao menor crescimento da FBCF (13,1% em 2013 e 3,7% em 2014).

Em 2014, a necessidade de financiamento do governo (R$ 339,6 bilhões) cresceu 92,5% em relação a 2013 (R$ 176,4 bilhões). Pelo lado das receitas, os impostos líquidos de subsídios sobre a produção e importação cresceram 4,2%, os impostos sobre renda e patrimônio subiram 6,6% e as rendas de recursos naturais caíram 23,6%. Essas variações ficaram aquém das taxas observadas nas principais destinações desses recursos: benefícios sociais (13,0%), consumo final (9,9%) e a formação bruta de capital fixo do governo (19,3%).

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 17/11/2016 10:41:18

Ricardo Eletro - Finance One
CVC - Hoteis - Finance One

Mais lidos

Bolsa a 100 mil pontos entra no radar
Mesmo depois de ter renovado a máxima histórica, os analistas de ações não só mantêm o otimis...
Otimismo do investidor com Brasil pode ser um sonho
As ações brasileiras têm se saído muito bem neste ano. O índice Ibovespa acumula valorização ...
Ibovespa mostra força e fecha em leve queda, aos 75.974 pontos
SÃO PAULO  -  Em dia de baixa das ações do setor de siderurgia e minério de ferro em queda, o ...
Ibovespa mostra força e fecha com leve queda, aos 75.974 pontos
SÃO PAULO  -  Em dia de baixa das ações do setor de siderurgia e minério de ferro em queda, o ...
Dólar fecha próximo da máxima do dia e mantém patamar de R$ 3,13
SÃO PAULO  -  O câmbio doméstico teve desempenho marginalmente melhor que de pares emergentes n...
Juros futuros caem, com apostas de Selic abaixo do previsto pelo Focus
SÃO PAULO  -  O mercado financeiro acredita numa desaceleração da inflação ainda mais acentua...

Publicidade