Início Notícias Investimentos Com a alta da Selic, poupança volta a valer a pena? Confira!

Com a alta da Selic, poupança volta a valer a pena? Confira!

2
mulher colocando dinheiro em um cofre em formato de porco rosa
4.2
(6)

O Conselho de Política Monetária do Banco Central (Copom) elevou novamente a taxa Selic. A taxa básica de juros saiu de 13,25% para 13,75%.

Com isso, a Selic voltou ao maior patamar desde dezembro de 2016. Mas será que isso significa que o investimento na poupança voltou a valer a pena?

Uma coisa é certa: todas as aplicações de renda fixa terão um desempenho melhor com a alta da Selic.

Isso porque esses investimentos dependem da taxa básica de juros. Estão entre essas aplicações a poupança, os títulos Tesouro Selic, fundos DI, entre outros.

Porém, o retorno real desses investimentos pode diminuir, mesmo com a taxa Selic alta. Mas por que isso pode acontecer?

Por causa do custo de vida medido pelo IPCA, que está com uma variação maior do que o aumento dos juros. 

Inflação acumulada passa dos 10% em 12 meses

A inflação em julho ficou em 0,13%, o que demonstra uma desaceleração se comparada aos 0,69% de junho. Mas, ainda assim, nos últimos 12 meses, o indicador acumula alta de 11,39%.

Em fevereiro, Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, havia avaliado que a inflação brasileira chegaria ao seu pico entre os meses de abril e maio. A previsão, segundo Neto, é que agora comece a desacelerar.

A meta definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para a inflação em 2022 e 2023 é de, respectivamente, 3,5% e 3,25%.

Vale a pena investir na poupança com a alta da Selic?

De acordo com a regra da rentabilidade da poupança, quando a taxa Selic chega no máximo a 8,5%, o rendimento fica em 70% dos juros básicos mais a Taxa Referencial (TR).

Porém, quando a Selic ultrapassa os 8,5%, como é o caso de agora, o rendimento passa a ser de 0,5% ao mês (ou 6,17% ao ano). Essa é a regra conhecida como “poupança velha”.

A TR andava zerada desde 2017, mas desde o final de 2021 passou a ser atualizada diariamente pelo Banco Central. Em fevereiro ela variou de 0,5% a zero ao mês, por exemplo.

Com isso, o rendimento da tradicional caderneta pode passar a ser levemente maior. Porém, não o suficiente para superar outras aplicações de renda fixa.

Portanto, não vale a pena investir na poupança, mesmo com a alta da Selic. O investimento mais popular do Brasil continua perdendo para a inflação e outros investimentos de renda fixa.

Qual o rendimento da poupança?

A poupança ainda tem o pior retorno entre as opções de renda fixa, mesmo sem ter desconto do Imposto de Renda.

Para se ter ideia, uma aplicação financeira no valor de R$1 mil pelo prazo de 1 ano (considerando aqui a Selic estável em 13,75% ao ano), o rendimento será R$82,91. Totalizando um valor aplicado de R$1.082,91.

Os Certificados de Depósitos Bancários (CDBs) de bancos de médio porte podem representar uma opção mais vantajosa dentre as principais alternativas.

O investidor que aplicar R$1 mil no prazo de 1 ano, por exemplo, pode ter um retorno no valor de R$113,03, totalizando R$1.113,03.Para bancos onde o CDI rende 103% retorno fica em R$116,64, também no período de seis meses, totalizando R$1.116,64.

A poupança segue sem ser um investimento interessante mesmo com a alta da Selic

Regras da poupança podem mudar de acordo com o Banco Central

O Banco Central estuda mudar as regras da poupança por conta da elevação constante da taxa de juros nominal. Isso tem feito com que o investimento perca a rentabilidade para outras aplicações, mesmo entre as de renda fixa.

A poupança não tem sido uma boa opção para os investidores e é justamente isso que o BC quer mudar.

A instituição tem estudado mudanças na fórmula de correção do investimento. Mas, de acordo com o seu presidente, Roberto Campos Neto, qualquer alteração precisa ser realizada com bastante cautela e de forma lenta.

Portanto, o jeito é esperar para ver qual decisão o BC irá tomar para tentar aumentar a rentabilidade da poupança. Enquanto isso não acontece, a caderneta segue perdendo.

O futuro da taxa Selic em 2022

As projeções são que a inflação deve continuar subindo em 2022 e 2023. Por isso, a expectativa de economistas é que a Selic termine o ano em 13,75%, segundo a última pesquisa semanal Focus do Banco Central.

A conta para 2023, por sua vez, subiu novamente, a 10,75%, de 11% na leitura anterior. Isso acontece devido as projeções de inflação voltando a subir tanto para 2022 quanto para 2023.

Afinal, a guerra da Ucrânia tem impulsionado o preço de várias commodities, do petróleo ao trigo, levando a expectativas de maior dureza dos bancos centrais ao redor do mundo.

Este conteúdo te ajudou? Você conhece alguém que ainda tenha dúvidas sobre a Taxa Selic e a recente alta? Envie para ele e compartilhe para ajudar outras pessoas.

Colaboração: Rafael Massadar e Letícia de Jesus

Veja também no FinanceOne:

O que achou disso?

Média da classificação 4.2 / 5. Número de votos: 6

Seja o primeiro a avaliar este post.

O FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde 2003, publicamos conteúdos que buscam traduzir desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa. Nossa missão é mostrar que qualquer pessoa pode ter controle financeiro e fazer as escolhas certas. Assim como ter no dinheiro um aliado para viver bem e conquistar seus sonhos.

2 COMENTÁRIOS

    • Olá, José. Tudo bem?
      Continue nos acompanhando por aqui. Sempre atualizamos as informações sobre o rendimento da poupança!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui