Aplicações no Tesouro Direto em janeiro batem recorde e chegam a R$ 2,4 bilhões | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,225
Euro R$ 3,960
Bitcoin R$ 36.699,99
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 4,513
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Aplicações no Tesouro Direto em janeiro batem recorde e chegam a R$ 2,4 bilhões


São Paulo, 17/02 (Enfoque) –

As aplicações no Tesouro Direto chegaram ao recorde de R$ 2,47 bilhões em janeiro. Segundo dados da Secretaria do Tesouro Nacional divulgados hoje (17), o número de operações de investimento (221.316) e de novos investidores ativos (21.632) também foi recorde no período.

O total de investidores ativos alcançou a marca de 423.431, o que representa um crescimento de 70,9% nos últimos 12 meses.

Os resgates totalizaram R$ 2,21 bilhões em janeiro, sendo R$ 1,49 bilhão relativo aos vencimentos de títulos e R$ 720 milhões às recompras.

Os títulos mais comprados pelos investidores foram os indexados ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais -, cuja participação no volume total de investimentos atingiu 49,8%. Os títulos indexados à taxa Selic (Tesouro Selic) corresponderam a 25,7% do total e os prefixados (Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais), a 24,5%.

Em relação ao prazo, 10,3% dos investimentos ocorreram em títulos com vencimentos acima de 10 anos. As aplicações em títulos com prazo entre 5 e 10 anos representaram 36,8% e as com prazo entre 1 e 5 anos, 52,9% do total.

O valor médio por operação de investimento chegou a R$ 11.180,81. A maior parte dessas operações (71,3%) é relativa a aplicações de até R$ 5 mil, o que reforça a utilização do Tesouro Direto por pequenos investidores.

Estoque

O estoque do Tesouro Direto, por sua vez, alcançou o montante de R$ 41,7 bilhões, crescimento de 1,6% em relação ao mês anterior (R$ 41,1 bilhões) e de 55,9% sobre janeiro de 2016 (R$ 26,8 bilhões). Os títulos remunerados por índices de preços respondem pelo maior volume no estoque, alcançando 64,1%. Na sequência aparecem os títulos indexados à taxa Selic, com participação de 20,6%, e os títulos prefixados, com 15,3%.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 17/02/2017 12:28:20







Mais lidos

Ainda dá tempo de investir em criptomoedas?
Depois da resolução divulgada pela CVM (veremos isso mais adiante), o mercado das criptomoedas fic...
7 dicas para arrumar emprego pelo LinkedIn
Arrumar emprego, hoje, é a meta de muitas pessoas. Crise, desemprego e portas se fechando assombram...
Quero dar baixa no MEI: o que eu faço?
Para dar baixa no MEI, o procedimento é simples e feito pela internet. Se você decidiu fechar o se...
Como abrir conta para filhos e investir no futuro deles?
Que pai ou mãe não está pensando no futuro dos filhos? Investir para o benefício deles é uma op...
Investir em imóveis para alugar vale a pena?
Uma forma de investimento que talvez muitos nem considere hoje são os imóveis. Investir em imóvei...
Melhores países para brasileiros trabalharem
[caption id="attachment_66944" align="alignright" width="273"] Confira três países que oferecem bo...




Publicidade