Ata do Copom contribui para queda de juros futuros de curto prazo | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,785
Euro R$ 4,411
Bitcoin R$ 24.200,00
Bovespa 74.538,54
CDI 6,39% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 5,020
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Ata do Copom contribui para queda de juros futuros de curto prazo

SÃO PAULO  –  Os juros futuros de curto prazo terminaram a sessão regular desta terça-feira em baixa. A sinalização do Comitê de Política Monetária (Copom) de que não está preso a um determinado plano de voo abre espaço para debate sobre o ritmo de corte de juros e o ponto final do atual ciclo de afrouxamento.

A leitura majoritária, reiterada na ata do último encontro do colegiado, é de uma desaceleração do passo a partir de outubro. Com isso, se consolida a aposta de corte de 0,75 ponto percentual da taxa em outubro, com queda até cerca de 7% no fim do ciclo. Em caso de novas surpresas com a inflação, nem os dirigentes da instituições nem o mercado descartam uma taxa final em nível ainda mais baixo que o precificado.

Em meio a essa discussão, o mercado dá sinais de que o caminho esperado para a Selic ainda é de baixa. Dentre os patamares, as taxas recuaram até os vencimentos de meados de 2019. A diferença entre o DI janeiro de 2019 e o DI janeiro de 2018 – que reflete expectativas para a política monetária no ano que vem – caiu a zero, ante 0,015 no fechamento de ontem.

Por volta das 16h, no fim da sessão regular, os dois vencimentos estavam em 7,64 ponto, ante 7,660% e 7,680% nos respectivos ajustes da véspera.

Na ata, o Copom optou por manter a flexibilidade explicitando custos e benefícios dessa estratégia. “Embora tal ajuste seja algo que todos esperariam do BC por causa de uma mudança de circunstâncias, é curioso notar que a autoridade monetária queira enfatizar que tal abordagem padrão é uma opção”, diz a equipe do Haitong. É como se o BC “quisesse nos lembrar que todas as opções estão em suas mãos.”

Por outro lado, a alta dos juros longos na sessão desta terça-feira mostra que o cenário ainda tem risco. Há cautela com o ambiente político no Brasil. Os pontos de alerta englobam desde a prisão do ex-ministro Geddel Vieira, a delação do ex-doleiro Lúcio Funaro até o inquérito da Polícia Federal (PF) que envolve o presidente Michel Temer (PMDB).

No fim da tarde, veio ainda informação de que o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, determinou abertura de inquérito contra Temer. A medida estaria relacionada ao decreto dos portos. O mercado mais afetado foi o de câmbio e o dólar chegou a subir mais de 1%.

No fim da sessão regular, o DI janeiro/2021 subia a 9,020% (8,990% no ajuste anterior).

Fonte: Valor Econômico







Mais lidos

11 eventos de empreendedorismo em 2018 para você ficar ligado
Empreender é a sua meta para 2018, mas você não sabe por onde começar? E o que todo empreendedor...
Fuja desses 5 erros ao administrar suas finanças pessoais
Você sabe como administrar suas finanças pessoais? A sua resposta pode até ser sim, se você est...
Franquia home office: como lucrar trabalhando em casa
Abrir uma franquia home office é mais fácil e barato do que você imagina. E a notícia boa é: o ...
Cuidados ao contratar um seguro de celular
Ter um seguro é essencial para garantir a segurança e a comodidade caso algo dê errado ou não sa...
Investir em Portugal vale a pena? Descubra!
Vale investir em Portugal. Não é só a facilidade da língua que pode atrair investidores brasilei...
Conheça os 31 planos de saúde suspensos pela ANS
Muitas pessoas têm planos de saúde para evitar que em momentos de necessidade tenham que recorrer ...





Notice: Undefined variable: hidden in /var/www/finance-one/wp-content/themes/financeone_estrategia/single.php on line 46

Publicidade