BC acredita que fim da exclusividade bancária estimula redução dos juros | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,4040
Euro R$ 4,3018
Bitcoin R$ 29.289,98
Bovespa 74.538,54
CDI 6,39% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 4,908
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


BC acredita que fim da exclusividade bancária estimula redução dos juros

(Ag. Brasil) – O fim da exclusividade bancária, aprovado pelo Banco Central (BC) na última sexta-feira (14), vai estimular a livre concorrência e contribuir para a redução das taxas de juros cobradas pelos bancos, afirmou hoje (19) o chefe do Departamento de Normas do Sistema Financeiro (Denor) do BC, Sérgio Odilon dos Anjos.

 

Segundo ele, a partir de agora, o correntista pode fazer operações no banco de sua escolha e não apenas na instituição em que é cliente. A nova regra vale, inclusive, na tomada de empréstimos consignados em folha de pagamento. O cliente tem direito de portabilidade da conta, mesmo que esteja vinculada ao recebimento de salário.

 

O fim da exclusividade vale, no entanto, apenas para os contratos novos. Os contratos antigos, com cláusula de exclusividade, continuam sendo respeitados, lembrou Sérgio Odilon.

 

Analistas de mercado, entretanto, recebem a notícia de possível redução dos juros bancários com algum ceticismo. Principalmente diante da estimativa de elevação da taxa básica de juros (Selic), que está em 10,75% ao ano e, de acordo com o boletim Focus, pode chegar a 11,25% ao ano. O Comitê de Política Monetária (Copom), responsável por determinar o valor da taxa básica de juros, se reúne na noite de hoje (19).

 

O vice-presidente da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel José Ribeiro de Oliveira, lembra que, depois de quatro meses seguidos em queda, os juros bancários subiram nos meses de novembro e dezembro, em razão da retomada do processo de inflação que desencadeou expectativas de elevação da taxa Selic a curto prazo.

 

De acordo com pesquisa da Anefac, a taxa média de juros bancários chegou a 6,79% ao mês em dezembro, o que dá 119,97% ao ano – mais de 11 vezes a taxa básica de juros que serve de parâmetro para os custos bancários. Dessa forma, segundo ele, se os bancos mantiverem essa margem, cada elevação na Selic corresponderá a reajustes nas taxas bancárias. Miguel de Oliveira ressalta que o cenário de pressões inflacionárias leva a expectativas de mais aumentos na Selic ao longo de 2011.



Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
19/01/2011 11:31:41

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras







Mais lidos

Franquia Havaianas: quanto custa e como abrir a sua
Quem quer se tornar um franqueado tem diversas opções, dos mais variados segmentos. Nesse setor, a...
Profissões do mercado financeiro que mais pagam
O mercado financeiro atrai cada vez mais profissionais de outras áreas. Com formação em cursos c...
7 filmes sobre Bitcoin que você deve assistir
Entender sobre criptomoedas, um dos investimentos da moda, é o que muita gente vem buscando. Afinal...
5 dicas para construir uma casa com pouco dinheiro
Quem nunca sonhou em construir uma casa do seu jeito? Muitas pessoas ficam idealizando como fazer a ...
Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco...
Road trip: dicas para planejar a sua viagem
Fazer uma road trip pelo Brasil pode ser uma boa com a alta do dólar e do euro. Esse tipo de viagem...




Publicidade