BC: Balanço de pagamentos registrou superávit de US$4,6 bilhões em maio | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,4040
Euro R$ 4,4167
Bitcoin R$ 31.500,04
Bovespa 74.538,54
CDI 6,39% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 5,054
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


BC: Balanço de pagamentos registrou superávit de US$4,6 bilhões em maio

O balanço de pagamentos registrou superávit de US$4,6 bilhões em maio. As transações correntes foram deficitárias em US$2 bilhões, acumulando déficit de US$36,4 bilhões nos últimos doze meses, equivalentes a -1,94% do PIB. A conta financeira apresentou ingressos líquidos de US$6,6 bilhões no mês. Destacaram-se os ingressos líquidos de investimentos estrangeiros diretos e em carteira, US$3,5 bilhões em cada modalidade.

A conta de serviços apresentou déficit de US$2,6 bilhões no mês, 48% superior ao registrado em maio de 2009. As despesas líquidas com transportes somaram US$530 milhões, aumento de 49% na mesma base de comparação. A conta de viagens internacionais registrou despesas líquidas de US$748 milhões, ante déficit de US$426 milhões em maio do ano anterior, com aumento de 48,3% nos gastos efetuados por brasileiros no exterior e de 15,4% nas despesas de turistas estrangeiros no País. Dentre os demais itens da conta de serviços, no mesmo período comparativo, destacaram-se as elevações nas despesas líquidas de aluguel de equipamentos, 51,4%, royalties e licenças, 21,2%, e computação e informações, 4,3%. Houve declínio nas despesas líquidas com seguros, 56,9%. Os outros serviços registraram ingresso líquido de US$583 milhões, acréscimo de 49,5% na comparação com o ocorrido em maio de 2009.

As remessas líquidas de renda para o exterior totalizaram US$3,2 bilhões em maio, elevação de 12,5% em relação ao mesmo mês do ano anterior. As saídas líquidas de renda de investimento direto somaram US$1,7 bilhão, ante US$1,9 bilhão no mesmo período comparativo. As remessas líquidas de renda de investimentos em carteira atingiram US$1,4 bilhão, ante US$604 milhões em maio de 2009. No mês, a despesa líquida de renda de outros investimentos somou US$248 milhões, ante US$474 milhões verificados no mesmo período do ano anterior. As despesas líquidas totais de lucros e dividendos atingiram US$2,9 bilhões, crescimento de 12,6% no período comparativo, enquanto aquelas relacionadas a juros somaram US$413 milhões, acréscimo de 8,9%.

Em maio, as transferências unilaterais acumularam ingressos líquidos de US$361 milhões, 54,1% superiores ao resultado de maio de 2009.

Os investimentos brasileiros diretos no exterior registraram aplicações líquidas de US$2,4 bilhões, compreendendo US$3,5 bilhões em saídas de investimentos líquidos em participação no capital e US$1,1 bilhão de retornos líquidos de empréstimos intercompanhias concedidos ao exterior.

Os investimentos estrangeiros diretos somaram ingressos líquidos de US$3,5 bilhões. Os ingressos líquidos em participação no capital de empresas no País, incluídas as conversões em investimentos, atingiram US$3,2 bilhões, enquanto os desembolsos líquidos de empréstimos intercompanhias totalizaram US$296 milhões.

Os investimentos estrangeiros em carteira apresentaram ingressos líquidos de US$3,5 bilhões no mês. Os investimentos em títulos de renda fixa negociados no País e em ações negociadas no País e no exterior registraram ingressos líquidos de US$1,7 bilhão, comparados a ingressos líquidos de US$4,6 bilhões no mês anterior. Os bônus negociados no exterior tiveram remessas líquidas de US$156 milhões, decorrentes de amortizações de US$137 milhões e ágios de US$19 milhões. Os investimentos em notes e commercial papers apresentaram ingressos líquidos de US$1,9 bilhão no mês, com captações de US$2,1 bilhões e amortizações de US$153 milhões. Os ingressos líquidos em títulos de curto prazo somaram US$102 milhões em maio, comparados a US$78 milhões no mês anterior.

Os outros investimentos brasileiros no exterior resultaram em aplicações líquidas de US$2,3 bilhões em maio, compreendendo concessão líquida de empréstimos de curto prazo, US$5,2 bilhões, e redução de depósitos de bancos brasileiros no exterior, US$2,8 bilhões.

Os outros investimentos estrangeiros no País registraram ingressos líquidos de US$4 bilhões em maio. O crédito comercial de fornecedores registrou desembolsos líquidos de US$2,1 bilhões, fundamentalmente constituídos por operações de curto prazo, US$2,3 bilhões. Os empréstimos aos demais setores apresentaram ingressos líquidos de US$1,9 bilhão, compostos por desembolsos líquidos de empréstimos diretos, US$742 milhões; organismos, US$331 milhões; créditos de compradores, US$280 milhões; e agências, US$77 milhões. Os empréstimos de curto prazo somaram ingressos líquidos de US$490 milhões.



Fonte:Enfoque Informações Financeiras Ltda.

Recebido em:
22/06/2010 10:41:17

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras







Mais lidos

FGTS inativo: quem tem direito e como sacar
Todo trabalhador brasileiro com contrato formal, regido pela Consolidação das Leis do Trabalho, a ...
Férias de julho no Brasil: para onde ir?
O meio do ano está chegando e é hora de decidir onde passar as férias em família. Mesmo com algu...
Como limpar seu nome no SPC e Serasa
Seu nome está no SPC e Serasa? Muitos brasileiros estão nessa situação. Em fevereiro, 61,7 milh...
Escolas de negócios: Brasil tem 3 das melhores do mundo
Três das melhores escolas de negócios do mundo em 2018 estão no Brasil. São elas: a Fundação ...
Como vender plano de saúde e ganhar dinheiro
Ganhar uma renda extra é o que muitos brasileiros têm buscado para superar a crise que o país vem...
Treasuries americanos: os títulos “mais seguros do mundo”
Muito conhecido no Brasil, o Tesouro Direto - Programa do Tesouro Nacional desenvolvido com a BM&...




Publicidade