Bolsas de NY fecham em alta e Dow Jones tem nono recorde seguido | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,315
Euro R$ 3,893
Bitcoin R$ 57.769,00
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 4,422
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Bolsas de NY fecham em alta e Dow Jones tem nono recorde seguido

SÃO PAULO  –  A segunda-feira assistiu a mais uma exibição de força dos principais índices acionários americanos. O Dow Jones obteve o 9º recorde seguido e a 10ª alta consecutiva. O S&P 500 também conseguiu superar sua máxima de encerramento. O Nasdaq, apesar de ter apresentado o maior ganho do dia, manteve-se a menos de 40 pontos atrás de sua melhor marca de todos os tempos.

Após ajustes, o Dow Jones fechou em alta de 0,12%, a 22.118,42 pontos, em nova máxima de fechamento. Conquistou também novo patamar intradia histórico aos 22.121,15 pontos.

O S&P 500 ganhou 0,16%, a 2.480,91 pontos, com o recorde de encerramento puxado pelo setor de consumo básico que subiu 0,75%. O Nasdaq avançou 0,51%, a 6.383,77 pontos.

No S&P 500, oito de 11 setores terminaram o dia no positivo. Além de consumo básico, a alta do indicador ganhou a sustentação dos avanços de 0,61% dos papéis de tecnologia e de 0,32% das ações de serviços públicos.

No Dow Jones, os ganhos foram liderados por três peso-pesados das bolsas: Apple, que subiu 1,41%, Goldman Sachs, com avanço de 1,36%, e Boeing, que teve subida de 1,06%.

A história que os recordes seguidos dos referenciais têm contado desde o mês passado exibe, como mote central, uma temporada de balanços do segundo trimestre muito acima das expectativas. De acordo com a FactSet, os lucros divulgados até o momento das empresas do S&P 500 cresceram 10,1% e ultrapassaram com sobra os 6,2% de crescimento esperados pelos analistas pesquisados pela “S&P Capital IQ” antes do início das divulgações.

No quadro geral, as bolsas têm se beneficiado também do cenário que reúne desaceleração do crescimento da inflação que se junta aos sinais de um mercado de trabalho cada vez mais forte.

O relatório do “payroll” de julho nos EUA, divulgado na sexta-feira (4), mostrou a criação líquida de 209 mil empregos, quando analistas esperavam a geração de 180 mil vagas. A taxa de desemprego recuou ainda para 4,3%, em linha com as estimativas. O salário médio por hora trabalhada avançou para 2,5% na taxa anual, um pouco acima do projetado.

O resultado de criação de empregos acima do esperado sustentou o otimismo da renda variável americana na sexta passada. Esse sentimento ainda se preservou no início de uma semana na qual boa parte dos investidores ainda se mantêm longe do mercado em meio às férias de verão do hemisfério norte. O recesso do Congresso dos EUA, que vai até 5 de setembro, e a consequente calmaria política também ajudaram a sustentar a baixa volatilidade das últimas sessões.

“É difícil, realmente, ver qualquer coisa que possa levar o mercado a cair”, afirmou Bruce McCain, estrategista chefe de investimentos do Key Private Bank. “Os resultados têm sido muito bons… em algum ponto, provavelmente, vamos atingir algum bloqueio nessa estrada, mas, no momento, é difícil enxergar o que pudesse ser”, acrescentou.

Fonte: Valor Econômico







Mais lidos

Comprar dólar: como adquirir a moeda para uma viagem
Antes de uma viagem, faz parte da programação o planejamento financeiro. Comprar dólar ou outra m...
Como calcular a aposentadoria
Como calcular a aposentadoria é uma dúvida muito comum entre as pessoas. Não é um cálculo simpl...
Como investir em dólar: veja dicas
Moedas estrangeiras como o Dólar podem ser uma ótima forma de investir e fazer render seu dinheiro...
Os 3 Indicadores de Retorno mais Importantes
Fazer um novo investimento requer uma mistura ideal entre empolgação e dados concretos. Muitos emp...
Principais Indicadores de Valor de uma Empresa
Quando você está no processo de compra e venda de empresas, precisa pensar nas dívidas que essa e...
Como escolher o plano de saúde?
Diante de tantas opções, a contratação de um plano de saúde pode gerar muitas dúvidas. Antes d...




Publicidade