Cenário: Bolsas fecham segunda semana do mês com alta e dólar recua para R$ 3,11 | FinanceOne
Conversor de moedas Transferência internacional

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.




Cenário: Bolsas fecham segunda semana do mês com alta e dólar recua para R$ 3,11


São Paulo, 13/02 (Enfoque) –

Os mercados de ações do Brasil e dos Estados Unidos chegaram ao final da segunda semana de fevereiro acumulando ganhos. Os resultados foram semelhantes em meio a uma semana sem muitos indicadores de destaque e também sem muitas novidades no cenário político e econômico.

Na cena interna, com a retomada dos trabalhos no poder legislativo, destaque a aprovação no Senado do projeto de reforma do Ensino Médio. A vitória do governo serve de mostrar força no Congresso para a aprovação das reformas da Previdência e Trabalhista, que devem ser apresentadas ainda neste semestre.

Lá fora, após muita agitação nos primeiros dias de governo Donald Trump, o mercado passa a se acostumar com a ideia do republicano no poder. Além disso, o presidente americano diminuiu o ritmo de polemicas, mas foi seguidas vezes derrotado na justiça com seu plano contra imigração.

Mercado Externo

Com uma agenda bastante fraca, o primeiro indicador de destaque na agenda econômica americana veio somente na terça-feira. Ocasião em que foi divulgado que a balança comercial do país teve déficit de US$ 44,3 bilhões, diante de resultado anterior de US$ 45,7 bilhões.

Na quinta-feira, foi a vez da divulgação do índice dos pedidos de auxílio-desemprego no país. Na semana do levantamento foram registradas 234 mil novas solicitações do benefício, diante de resultado anterior de 246 mil pedidos e estimativa de 250 mil.

Na sexta-feira, foi a vez da divulgação do índice que mede os preços dos produtos importados e exportados pelo país em janeiro. Os produtos enviados para os EUA tiveram alta de 0,4%, diante de um resultado anterior de 0,5% e uma aposta do mercado de 0,2%. Já para os embarcados a variação foi de 0,1%, ficando dentro do esperado pelo mercado e mostrando uma tendência de queda em relação aos 0,4% de dezembro.

Pouco mais tarde, a Universidade de Michigan relatou que a confiança do consumidor americano variou de 98,5 pontos para 95,7 pontos, resultado que mostra uma queda considerável, uma vez que a aposta do mercado era na repetição da taxa de 98,5 pontos.

Dentro deste cenário, o Dow Jones somou alta de 1,0% aos 20.269,4 pontos, enquanto o S&P teve valorização acumulada de 0,8% aos 2.316,10 pontos. Confira os gráficos:

Mercado Interno

O Banco Central divulgou mais uma edição do Relatório Focus nesta segunda-feira, a primeira edição elaborada em 2017 e com dados também de 2018. O documento reduziu a projeção do IPCA no ano de 2017 de 4,70% para 4,64%, ficando assim dentro do teto da meta do BC. Já a projeção para o final de 2018 foi de 4,50%.

As apostas do BC para a cotação do dólar apresentaram estabilidade para 2017 em R$ 3,40. Para o próximo ano, a estimativa é de R$ 3,50. Depois da surpreendente queda da Selic na última reunião do Copom, o mercado estima agora que a taxa deve fechar o ano a 9,50%. No caso de 2018, a projeção é de juros a 9,00%.

Em relação ao Produto Interno Bruto de 2017, o mercado reduziu a projeção em 0,50% para0,49%, sendo que também houve elevação da taxa de crescimento de 2018, de 2,20% para 2,25%.

O Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1) do mês de janeiro apresentou variação de 0,54%, taxa 0,35 ponto percentual (p.p.) acima da apurada em dezembro, quando o índice registrou variação de      0,19%. Com este resultado, o indicador acumula alta de 4,80% nos últimos 12 meses. Em janeiro, o IPC-BR registrou variação de 0,69%. A taxa do indicador nos últimos 12 meses ficou em 5,04%, nível acima do registrado pelo IPC-C1.

Com três dias úteis, a balança comercial da primeira semana de fevereiro registrou superávit de US$ 212 milhões, resultado de exportações de US$ 2,264 bilhões e importações de US$ 2,052 bilhões. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira pelo MDIC. A média diária das exportações da primeira semana do mês (US$ 754,5 milhões) cresceu 7,4% em relação ao mesmo período de 2016, quando registrou-se uma taxa de US$ 702,3 milhões.

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) variou 0,43%, em janeiro. A variação registrada em dezembro foi de 0,83%. Em janeiro de 2016, a variação foi de 1,53%. Em 12 meses, o IGP-DI acumula alta de 6,02%. O IGP-DI de janeiro foi calculado com base nos preços coletados entre os dias 1º e 31 do mês de referência.

 O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) registrou variação de 0,34%, em janeiro. Em dezembro, a taxa foi de 1,10%. O índice relativo a Bens Finais apresentou variação de -0,61%. No mês anterior, a taxa de variação foi de 0,24%. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de -1,91% para -7,35%. O índice de Bens Finais (ex), que resulta da exclusão de alimentos in natura e combustíveis para o consumo, registrou variação de -0,08%, ante 0,18%, no mês anterior.

O aumento no ritmo da produção industrial nacional na passagem de novembro para dezembro de 2016, série com ajuste sazonal, foi acompanhado por dez dos 14 locais pesquisados, com destaque para o avanço de 12,4% registrado pelo Ceará, eliminando, assim, a perda de 8,4% acumulada entre os meses de agosto e novembro. Rio Grande do Sul (6,3%), Espírito Santo (5,1%), Região Nordeste (4,9%) e Santa Catarina (3,6%) também assinalaram crescimento acima da média da indústria (2,3%), enquanto Minas Gerais (2,3%), Goiás (1,4%), Bahia (1,4%), Paraná (0,8%) e Pernambuco (0,6%) completaram o conjunto de locais com taxas positivas nesse mês. Por outro lado, Amazonas (-2,0%) e São Paulo (-1,5%) apontaram os resultados negativos mais acentuados nesse mês, com ambos revertendo o crescimento verificado em novembro: 4,1% e 1,4%, respectivamente. As demais taxas negativas foram assinaladas por Rio de Janeiro (-0,9%) e Pará (-0,7%).

O paulistano começou o ano gastando mais. O Índice do Custo de Vida (ICV) de São Paulo, capital, variou 1,04%, entre dezembro de 2016 e janeiro de 2017, segundo cálculo divulgado hoje (7) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). No acumulado de 12 meses, entre fevereiro de 2016 e janeiro de 2017, a variação foi de 5,37%.

A maior alta foi observada no grupo educação e leitura (6,61%), puxada pela venda de material escolar e reajuste das mensalidades escolares com aumento de 8,02%. Em seguida, aparecem transporte (1,04%), habitação (0,90%) e alimentação (0,26%), que contribuíram com 0,97 ponto percentual na taxa de janeiro.

O IPC-S de 07 de fevereiro de 2017 apresentou variação de 0,61%, 0,08 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa registrada na última divulgação.

 Nesta apuração, três das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram decréscimo em suas taxas de variação. A maior contribuição partiu do grupo Alimentação (0,39% para 0,20%). Nesta classe de despesa, cabe mencionar o comportamento do item carnes bovinas, cuja taxa passou de 0,28% para -0,73%.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de janeiro variou 0,38%, superando os 0,30% de dezembro em 0,08 ponto percentual (p.p.). Este foi o IPCA mais baixo para os meses de janeiro desde 1994, quando foi criado o Plano Real. No acumulado dos últimos 12 meses, o índice desceu para 5,35%, ficando abaixo dos 6,29% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em janeiro de 2016 a taxa foi 1,27%.

As tarifas dos ônibus urbanos, que subiram 2,84%, lideraram o ranking dos principais impactos individuais, com 0,07 p.p.. Importante na despesa do consumidor, os ônibus urbanos têm expressiva participação de 2,61% na formação do IPCA. Com isto, o grupo transportes apresentou a mais elevada variação de grupo.

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), calculado pelo IBGE, variou 0,38% em janeiro, ficando 0,11 ponto percentual abaixo da taxa de dezembro de 2016 (0,49%). O acumulado nos últimos doze meses foram para 6,46%, resultado pouco abaixo dos 6,64% registrados nos doze meses imediatamente anteriores. Em janeiro de 2016, o índice foi 0,55%.

O custo nacional da construção, por metro quadrado, que em dezembro fechou em R$ 1.027,30, em janeiro subiu para R$ 1.031,21, sendo R$ 531,93 relativos aos materiais e R$ 499,28 à mão de obra.

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) registrou taxa de variação de 0,10%, na apuração referente ao primeiro decêndio de fevereiro. No mesmo período de apuração do mês anterior, este índice registrou taxa de 0,86%. A apuração referente ao primeiro decêndio do IGP-M de fevereiro compreendeu o intervalo entre os dias 21 e 31 do mês de janeiro.

 O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) registrou variação de 0,01%, no primeiro decêndio de fevereiro. No mesmo período do mês de janeiro, o índice variou 1,13%. A taxa de variação do índice referente a Bens Finais passou de 0,64% para -1,02%. Contribuiu para este movimento o subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 0,80% para -2,43%. O índice correspondente aos Bens Intermediários variou 1,32%, ante 0,90%, no mês anterior. A principal contribuição para este avanço partiu do subgrupo materiais e componentes para a manufatura, que passou de 0,75% para 1,19%.

Diante disso, depois de cinco dias, o Ibovespa fechou a semana acumulando alta de 1,8% aos 66.125 pontos. Confira o gráfico:

Mercado Cambial

A semana foi marcada por pouca oscilação na cotação dólar comercial, que encerrou a semana com queda de 0,6%, resultado construído na sexta-feira, e sem a atuação do Banco Central no mercado de câmbio. A divisa foi negociada, no final da sexta-feira a R$ 3,1110. Confira o gráfico:

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 13/02/2017 07:57:20

Deixe um comentário

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Receba novidades

Cadastre-se em nossa newsletter para receber novidades em seu email.

Posts relacionados

12 de novembro de 2018
62% dos trabalhadores da indústria temem perder empregos para robôs

Uma pesquisa recente realizada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a organização Latinobarómetro mostrou que 62% dos brasileiros t...

9 de novembro de 2018
Natal deve movimentar R$53,5 bilhões, aponta pesquisa

Falta pouco mais de um mês para o Natal. E é nessa época que as pessoas começam a se preparar para comprar os presentes. A previsão é de que nes...

8 de novembro de 2018
Brasil sobe 16 posições em ranking de ambiente de negócios

O Brasil melhorou seu ambiente de negócios. É o que diz o diagnóstico feito pelo Banco Mundial. O país subiu 16 posições em ranking do relatóri...

15 de outubro de 2018
Os cargos que podem ter maiores aumentos salariais em 2019

A tendência é que em 2019 diversos setores se tornem mais interessantes financeiramente para os profissionais. Confira os maiores aumentos salariais em 2019.

9 de outubro de 2018
Alimentação é o principal gasto do brasileiro, diz estudo

Pesquisa da Multibenefícios mostrou que alimentação é o principal gasto do brasileiro, que considera o adiantamento do salário para isso.

Mais lidos

Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco ...
Trabalhar em casa: 28 profissões para ganhar dinheiro
Trabalhar em casa e ganhar dinheiro no conforto do lar é um sonho para muitas pessoas. No Brasil, o ...
Quais são as moedas mais valorizadas do mundo?
Sabe quais são as moedas mais valorizadas do mundo? Você vai se surpreender! O Real é a terceira ...
Aposentadoria por idade 2018: como funciona?
A aposentadoria é um dos benefícios da Previdência Social. O Regime Geral de Previdência Social ...
Cartão de crédito com aprovação imediata existe?
Quem não quer ter um cartão de crédito hoje em dia para realizar as compras? Muitas instituiçõe ...

Ebook do FinanceOne

Ebook gratuito investidor iniciante

Quer investir mas não sabe como? O Guia Completo do Investidor Iniciante traz os primeiros passos para você começar a investir e ganhar dinheiro!

BAIXAR AGORA!

Publicidade


           




Guias

Calculadoras