Início Notícias Carreiras O que é dissídio salarial? Entenda como funciona e como calcular

O que é dissídio salarial? Entenda como funciona e como calcular

0
Moedas e uma calculadora sobre uma mesa
0
(0)

Você já ouviu falar em dissídio salarial? Ao contrário do que muitos pensam, não se trata somente de um aumento do salário do funcionário. 

Essa confusão é comum por conta das similaridades entre os dois conceitos. Mas neste artigo você vai entender quais são as diferenças entre eles. 

O que é dissídio salarial?

Falando de forma rápida e básica, o dissídio salarial seria a correção do salário do funcionário de acordo com a inflação. Assim, o trabalhador não perde poder de compra ao longo dos anos. 

Não é considerado o mesmo que aumento salarial, porque como ele é definido de acordo com a inflação, não implica realmente um ganho de renda. Mas sim, mantém a quantia mensal correspondente ao valor da moeda. 

Além disso, a forma como se dá o dissídio é o que o define como tal. Isso porque ele ocorre quando existe um “conflito” entre empregador e empregados. Conflito esse que, em geral, será resolvido por vias jurídicas. 

A palavra dissídio em si significa isso. Ela vem do latim e quer dizer discórdia, dissensão ou dissidência.

O dissídio pode se materializar em diversos conflitos trabalhistas e não apenas no salário. Pode ocorrer também com auxílio doença, auxílio-creche, plano de saúde, valor das horas extras, vale-transporte, vale-alimentação e o próprio reajuste salarial.

No dia a dia, o termo é, sim, muitas vezes utilizado como sinônimo de reajuste anual de salário de uma categoria trabalhista. Mas quando não envolve disputa jurídica, o reajuste anual não deveria ser chamado assim.

Como funciona o dissídio salarial?

O dissídio salarial acontece assim: empregador e empregado (ou o sindicato da categoria) fazem o Acordo Coletivo (ou a Convenção Coletiva) de Trabalho. 

Esse acordo, que é homologado na Delegacia Regional do Trabalho e tem força de lei, determina a porcentagem do aumento de salário que deve ser feita até a data-base (quando deve ser fixado um novo acordo). 

Esse percentual é estabelecido de acordo com a inflação. E, a partir de seu descumprimento, é que pode ocorrer o dissídio, que será definido na justiça. 

Dissídio salarial é reajuste baseado na inflação para que o funcionário não perca poder de compra

Quais são os tipos de dissídio salarial?

Dissídio retroativo

Nós já mencionamos a data-base do Acordo Coletivo, certo? Essa data nada mais é que a data de vigência do acordo coletivo que determina o reajuste. 

Esse prazo geralmente não pode ser maior que dois anos, mas costuma ser de um ano na maioria das vezes. 

A data-base do dissídio dos lojistas, por exemplo, é setembro. Mas se houve dissídio salarial e um acordo ou decisão judicial sobre esse reajuste ocorrer somente depois da data-base, acontece o que se chama de dissídio retroativo. 

Que é: o empregado terá direito a receber a diferença retroativa referente aos meses que se passaram da data-base até o acordo. 

No caso dos lojistas, por exemplo, se houver dissídio e um acordo for feito apenas em dezembro, eles terão direito a receber a diferença do reajuste referente aos meses de setembro, outubro e novembro.

Dissídio proporcional

Isso acontece quando o funcionário passa a fazer parte da folha de pagamento da empresa depois da data base. Nestes casos, dependendo do acordo, a empresa não precisa pagar o dissídio salarial integralmente a ele.

Mas um ponto importante é que muitas empresas optam pelo pagamento integral do reajuste a todos. Isso para que não haja disparidade de salários entre pessoas da mesma função. 

Dissídio salarial coletivo e individual

 Os nomes já sugerem. O dissídio salarial coletivo é quando se refere e é aplicado por toda uma categoria profissional, geralmente por meio do sindicato.

Já o dissídio individual acontece quando um empregado move uma ação sozinho na Justiça do Trabalho.  

Como calcular o dissídio salarial?

Para calcular o dissídio salarial da sua categoria profissional você deve verificar qual é a taxa de reajuste salarial prevista no Acordo ou Convenção Coletiva. Lógico, precisa saber qual sindicato representa para isso. 

Sabendo qual é a taxa determinada, basta aplicar a fórmula:

salário atual + (salário atual x percentual do reajuste)

Exemplo: imagine um grupo de trabalhadores cujo salário atual é de R$1 mil. O Acordo Coletivo da categoria profissional à qual eles pertencem prevê um reajuste de 5%. Logo:

Salário reajustado = 1.000 + (1.000 x 5%) 

= 1.000 + 50 

= 1.050

Então o salário reajustado será de R$1.050. 

Lembrando que a taxa do reajuste é baseada na inflação.Portanto esse aumento não significa que o funcionário tem R$50 a mais na prática, porque tudo que ele consome também aumentou em um percentual próximo a esse. 

O que acontece é que ele não perdeu poder de compra com o aumento dos produtos (da inflação) e o salário acompanhou esse aumento, mantendo-o no mesmo patamar enquanto consumidor. 

O conteúdo foi útil? Então compartilhe com seus amigos e deixe um comentário!

O que achou disso?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Seja o primeiro a avaliar este post.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui