Início Notícias Investimentos Como escolher fundos de investimentos? Confira em 5 passos!

Como escolher fundos de investimentos? Confira em 5 passos!

0
Três pessoas reunidas apresentando gráficos de um investimentos
0
(0)

Fundos de investimentos são ótimas opções para obter boas rentabilidades. Mas como escolher entre as mais de 15 mil opções existentes no Brasil?

Isso mesmo, segundo dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), há mais de 15 mil fundos no Brasil. 

Depois da poupança, eles são os mais procurados pelos brasileiros para guardar dinheiro. Mas nem todos são acessíveis ao pequeno investidor. 

Afinal, muitos requerem que a aplicação inicial seja acima de R$100 mil. No entanto, existem opções em bancos e corretoras com valores a partir de R$100. 

Esse tipo de aplicação é recomendado para quem deseja ganhos acima da poupança, mas não tem tempo ou conhecimento para acompanhar o mercado financeiro. 

5 passos para escolher um fundo de investimento

Para escolher um fundo de investimentos é preciso montar uma estratégia de ação. Ou seja, avaliar os riscos e as taxas, entre outros critérios. 

Não faça essa escolha de qualquer forma, nem aplique seu dinheiro sem ter um objetivo claro em mente. Assim pode acabar tendo uma rentabilidade não desejada e ainda optar pelos fundos menos vantajosos. 

Veja a seguir como escolher em 5 passos!

1 Descubra seu perfil de investidor

Não adianta fugir disso. Para qualquer aplicação financeira que for fazer, seja em um fundo de investimento ou qualquer outra, entender seu perfil investidor é o primeiro passo. 

E isso não é papinho. Acontece que existem fundos que atendem a diferentes perfis, do mais conservador até o mais arrojado. 

Você deve optar pela opção que está de acordo com você. Ou seja, sua estratégia e metas de curto, médio e longo prazo.

 

Existem mais de 15 mil fundos de investimentos no Brasil

2 Defina sua estratégia

O próximo passo para escolher um fundo de investimento, é definir sua estratégia e tipo de fundo. Existem três tipos básicos e você deve escolher aquele que está mais de acordo com seu perfil investidor e objetivos:

  • Renda fixa;
  • Multimercados;
  • Renda variável.

Os investimentos de renda fixa são considerados de baixo risco (ideal para perfis conservadores).

Os fundos desse tipo aplicam em títulos públicos ou privados com remuneração prefixada, pós-fixada ou atrelada a índice de preço.

Já os fundos multimercado, como o nome pressupõe, atuam em diferentes tipos de ativo. Como, por exemplo, ações no Brasil e no exterior.

A meta é conseguir ganhos maiores que os fundos de renda fixa no longo prazo. O risco para isso é variável entre moderado e alto, conforme a estratégia adotada por cada fundo.

Ao contrário desses, os fundos de renda variável ocorrem sobretudo em ações. Obter ganhos altos no longo prazo é o objetivo.

Esses fundos também implicam um risco mais alto. O que pode levar o investidor a perder dinheiro em alguns momentos. Por isso é recomendado para perfis mais arrojados.

3 Avalie os riscos do fundo de investimento

Diante dos tipos de fundo de investimentos, é necessário avaliar sua disposição para correr riscos. Para isso, leve em consideração a lógica de que quanto maior o risco do fundo, maior o retorno esperado.

Nas situações em que o risco é alto, contudo, as chances de perda do dinheiro também aumentam. Para isso, saiba qual seu perfil de investidor.

Isto é, conservador, moderado ou arrojado. Você prefere investir em ações seguras e com baixo rendimento?

Ou aquelas que apresentam mais risco e rentabilidade?

4 Verifique as taxas

Os fundos de investimentos apresentam taxas de administração. Elas incidem sobre todo o dinheiro investido.

Por isso é fundamental que os investidores fiquem atentos a essas taxas. São elas que reduzem o rendimento do fundo.

Grandes bancos, por exemplo, cobram taxas de administração de 3% a 5% por ano.

Os fundos de renda fixa, com juros mais baixos, cobram taxa de 1% ao ano e rendem menos que a poupança.

Por outro lado, fundos multimercados e de renda variável cobram taxas de administração mais altas e proporcionam maiores rentabilidades.

O ideal é que a taxa de administração não seja superior a 3,5% ao ano.

Há casos que também cobram uma taxa de performance. Ou seja, uma parcela em torno de 20% do rendimento gerado pelo fundo que supere um referencial (como o CDI).

5 Analise a rentabilidade

Na hora de escolher um fundo de investimento, a rentabilidade passada é o item mais pesquisado. Porém, só isso não é sinônimo de sucesso em futuras aplicações.

Leve em conta também as mudanças do cenário econômico para verificar o retorno de um fundo.

Afinal, a rentabilidade no passado pode não representar muito se o cenário econômico for completamente diferente.

O recomendado é analisar a rentabilidade em diversos períodos. Em seguida, fazer a comparação entre os números e desempenho de fundos semelhantes.

Faça isso em quatro janelas do tempo: neste ano, nos últimos 12 meses, nos últimos dois anos e desde a criação do fundo.

É importante que os fundos de investimento tenham constância de rentabilidade. Assim, você se sentirá mais seguro para aplicar o dinheiro. 

Gostou das dicas? Então compartilhe com outros amigos que também procuram por aplicações confiáveis e rentáveis!

O que achou disso?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Seja o primeiro a avaliar este post.

O FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde 2003, publicamos conteúdos que buscam traduzir desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa. Nossa missão é mostrar que qualquer pessoa pode ter controle financeiro e fazer as escolhas certas. Assim como ter no dinheiro um aliado para viver bem e conquistar seus sonhos.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui