Início Notícias Economia Como funciona a política de preços Petrobras? Entenda o impacto no seu...

Como funciona a política de preços Petrobras? Entenda o impacto no seu bolso

0
Bandeiras da Petrobras e do Brasil
5
(1)

A política de preços da Petrobras é um tema confuso para muitos brasileiros. Todos sabem que ela impacta diretamente no preço da gasolina, mas como funciona? Quem faz e como faz esse cálculo?

As dúvidas em torno do assunto crescem ainda mais em um momento como o atual, em que se vêem aumentos sucessivos nos combustíveis. 

No início de junho, a estatal reajustou em 5,18% e 14,26% os preços da gasolina e do diesel em suas refinarias, respectivamente. 

E, se você já viu nosso artigo sobre como o preço dos combustíveis é formado, sabe que mais de ⅓ ou mais da metade, dependendo do combustível, é da Petrobras. 

Então, vamos aprender de uma vez por todas que política é essa, como funciona, por que existem tantas críticas e também defensores dela? Continue lendo!

Onde se aplica o preço da Petrobras?

Antes de entender a política de preços da Petrobras, propriamente, é importante saber que a petroleira não define, sozinha, o preço final dos combustíveis nos postos. Isso porque ela é apenas uma parte da cadeia produtiva que faz a gasolina chegar ao seu carro.

De forma resumida: o petróleo é extraído do mar e separado nas plataformas. Depois é transportado para o litoral, onde segue para as refinarias da Petrobras. 

Lá, esse petróleo passa pelo processo de refino — que transforma a matéria prima no combustível. O combustível sai quase pronto das refinarias e é vendido ainda sem aditivos para as distribuidoras. 

As distribuidoras, por sua vez, adicionam o etanol anidro (na gasolina) ou biodiesel (no diesel), que são componentes obrigatórios. Esse produto final é distribuído para os postos de gasolina.

É na saída do combustível das refinarias que está o preço da Petrobras. Na gasolina, ele corresponde a cerca de ⅓ do preço final do produto. Já no diesel, mais de 60% do preço final corresponde ao custo da Petrobras.

Portanto, quando falamos na política de preços da estatal, estamos nos referindo ao preço que é cobrado pelo produto que sai de suas refinarias, repassado às distribuidoras. 

E como a empresa define qual será esse valor? Vamos descobrir agora!

Como funciona a política de preços da Petrobras?

A política de preços da Petrobras é baseada em dois fatores principais: 

  1. paridade com o mercado internacional, também conhecida como Preço de Paridade Internacional (PPI) ou paridade de importação
  2. margem de risco

O mercado internacional se refere aos principais mercados mundiais de negociação da matéria prima, como o Golfo do México, Estados Unidos e Londres.

Estar em paridade com esse mercado significa que a Petrobras se baseia nos preços de fora para precificar o produto que sai de suas refinarias. Mesmo que a maior parte dele seja produzido e comercializado aqui mesmo, no Brasil.

Ou seja, o preço das refinarias acompanha as flutuações do mercado cotado em dólar, com suas variações de câmbio. Além disso, inclui custos como frete de navios, custos internos de transporte e taxas portuárias.

Estar em paridade com o mercado internacional não necessariamente significa aumentar o preço do combustível. Dependendo da variação externa, isso pode significar também manutenção ou até diminuição do preço. 

Mas, no momento atual, com a desvalorização do real frente ao dólar, entre outros fatores, os aumentos têm sido significativos. 

O segundo fator que faz parte da política de preços da Petrobras é a margem de risco. Nada mais é que uma margem aplicada no preço para remunerar riscos inerentes à operação.

Por exemplo: a volatilidade da taxa de câmbio e dos preços sobre estadias em portos e lucro, e também de impostos. Como um tipo de margem de proteção.

É baseada nesses fatores que a Petrobras define o preço do combustível em suas refinarias.

Qual é a fórmula da política de preços da Petrobras?

A Petrobras nunca divulgou uma fórmula ou o método estatístico utilizado para definir seus preços, uma vez que isso poderia ser uma vantagem para as empresas concorrentes. 

O que sabemos é que esses preços nunca estão abaixo do praticado internacionalmente. Os reajustes também não têm uma periodicidade definida na política de preços da Petrobras.

Quando foi criada a atual política de preços da Petrobras?

A atual política de preços da Petrobras existe desde 2016. Ela foi adotada pela empresa a partir de outubro daquele ano, no governo do ex-presidente Michel Temer (MDB). Na época, o presidente da petroleira era Pedro Parente.

“A decisão do comitê executivo levou em conta o crescente volume de importações, o que reduz a participação da Petrobras, e também a sazonalidade do mercado mundial de petróleo”, disse a Petrobras, em nota, em 2016. 

Antes disso, a variação do petróleo no mercado internacional era levada em consideração também, mas juntamente com os custos de produção de petróleo no Brasil. Isso fazia o impacto da oscilação externa ser menor para o bolso do brasileiro. 

Quando a oscilação era muito significativa, no entanto, o lucro da estatal diminuía ou havia prejuízo. Isso era desvantajoso para os acionistas, incluindo o Governo Federal, que é o acionista majoritário.

Política de preços da Petrobras tem impacto no preço final do combustível

Por que aplicar a paridade com o mercado internacional?

Se o combustível é, em sua maior parte, produzido e comercializado aqui, por que se basear em dólar para precificá-lo? 

Uma das justificativas é o fato de que o Brasil é autossuficiente em petróleo (passou a ser considerado assim em 2015), mas não em refino. Por isso, uma parte da nossa gasolina é importada. 

Extraímos cerca de 3 milhões de barris de petróleo por dia, segundo dados do Governo Federal. Mas a importação ainda representa mais de 27% do total consumido.

Com os preços da Petrobras estando alinhados ao mercado internacional, outras petroleiras podem importar combustíveis e competir com os derivados produzidos nas refinarias da estatal de forma mais justa. 

Se isso não acontecesse, alguns especialistas defendem que poderia haver escassez de combustível no mercado interno. Afinal, o refino nacional não é suficiente para atender toda a demanda brasileira, principalmente no caso do diesel.

Como assim?

Para entender a dinâmica, é importante lembrar que a Petrobras tem cerca de 80% do mercado. Os outros 20% vêm de refinadores privados e importações. Ou seja, a estatal é a maior, mas não é a única petroleira aqui.

Essas outras empresas importam e, ao contrário da Petrobras, possuem mais custos — que variam conforme a situação do mercado externo. Afinal, elas compram o barril do petróleo pelo preço lá de fora. 

Logo, se a Petrobras não aproximasse seus preços do praticado no mercado internacional, automaticamente aquela outra parcela de refinadores parariam de importar, porque não valeria a pena.

A lógica é: se a maior concorrente do setor fizesse preços mais baixos, outras refinarias teriam prejuízo tentando concorrer com a Petrobras. Neste cenário, entra o risco de desabastecimento, que seria uma preocupação em regiões mais afastadas.

Lucros da Petrobras

Além do desabastecimento, o desempenho da Petrobras é outra, talvez a maior, preocupação. Pareando seus preços com o mercado internacional, a petroleira tem mais lucros e paga mais dividendos aos seus acionistas. 

Aqui entra o ponto mais importante deste tópico: o maior acionista da Petrobras é o Governo Federal, que detém mais de 50% das ações ordinárias da companhia. O dinheiro que ele recebe desses dividendos deve ser utilizado em políticas públicas.

Além disso, a Petrobras também importa combustível. Logo, sem considerar os preços do mercado externo, a empresa teria prejuízo e isso pesaria para os investidores, inclusive para o sócio majoritário da empresa, o governo.

Sendo a principal empresa de um setor tão importante para o PIB — Produto Interno Bruto — do Brasil, seus prejuízos impactam nos resultados da economia brasileira como um todo. 

Alguns especialistas defendem que, quando a política de preços da Petrobras suprimia esses custos internacionais,  o custo acabava chegando para o consumidor no longo prazo, de forma mais elevada.

Antes da atual política ser adotada, uma prática mais comum era uma tentativa de segurar a inflação, contendo o preço do combustível por alguns meses. Mas depois isso ficava impraticável e o ajuste acabava sendo mais agressivo. 

O que os defensores da atual política entendem é que o PPI tem um resultado negativo para o consumidor final no curto prazo, mas é melhor para o país como um todo no médio e longo prazo. 

E quais são os argumentos contrários?

Críticas à política de preços da Petrobras

A política de preços da Petrobras atual acaba encarecendo a cobrança sobre o barril de petróleo prospectado no próprio país. Mesmo que mais da metade do lucro da petroleira venha da exploração no Brasil, que é bem mais barata que a exploração internacional. 

Os críticos da política defendem que a estatal poderia, por exemplo, fazer uma média dos valores dos mercados interno e externo. No entanto, o que a empresa faz é emparelhar todo o valor que está transacionando baseado apenas no dólar. 

Na prática, não adianta nada para o brasileiro que o país tenha uma empresa para produzir seu próprio petróleo. Continuamos pagando como se nosso petróleo fosse importado e não nosso.

Mesmo medidas como a redução do ICMS, não são capazes de realmente diminuir o preço final da gasolina sob esta política, apenas de conter os aumentos.

Outra crítica à política adotada pela Petrobras é que a estatal adota uma postura mais interessada em atender a demanda dos acionistas, sem considerar o impacto para o consumidor. 

Em relação ao desempenho, muitos críticos apontam que a estatal não teve prejuízos quando adotou outra política, mas sim uma diminuição dos lucros. O fato de que a parcela do produto importado também é bem menor, é outro argumento. 

Os preços mais altos nos postos também contribuem para aumento da inflação, o que deixa o governo federal insatisfeito em ano de eleições. O presidente Jair Bolsonaro chegou a declarar, no final de maio em entrevista à RedeTV, que a empresa não precisa “desses lucros escessivos”.

Mais recentemente, no dia 5 de julho, ele voltou a fazer duras críticas à estatal, em live nas suas redes sociais.

“O lucro de vocês é um estupro, é um absurdo. Vocês não podem mais aumentar o preço do combustível.”

Qual é a participação do governo nestas decisões?

Não é o Governo Federal que decide a política de Preços da Petrobras. Quem faz isso é o conselho executivo da estatal, cujos membros são eleitos pelos acionistas.

Os conselheiros também podem eleger quem será o presidente e os sete diretores executivos da Petrobras. Como acionista majoritária, a União pode indicar a maior parte dos conselheiros, direta ou indiretamente. 

São esses profissionais que vão decidir a política de preços dos combustíveis, assim como eventuais reajustes — quando e quanto.

Qual é o impacto da política da Petrobras no preço da gasolina?

O preço final da gasolina é influenciado por toda a cadeia produtiva de sua fabricação e venda, como já mencionado no início do artigo. Mas, resumidamente, podemos dizer que esse valor é composto por:

  • 9,5% são de impostos federais
  • 13,2% é da adição do etanol anidro (obrigatório por lei)
  • 14,3% são os custos de distribuição e revenda
  • 24% é de ICMS (imposto estadual)
  • 38,8% é do preço que a Petrobras cobra nas refinarias

Portanto, a política de preços da Petrobras tem impacto significativo no preço final da gasolina. Cerca de ⅓ do valor que o motorista paga vai para a petroleira. 

No caso do diesel, este percentual é ainda maior: mais de 60%. 

O conteúdo foi esclarecedor? Então compartilhe com outros amigos! Descubra mais seguindo o FinanceOne no Facebook, Instagram, TikTok e Linkedin.

O que achou disso?

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Seja o primeiro a avaliar este post.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui