O que você precisa saber para ter uma boa aposentadoria | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,285
Euro R$ 3,874
Bitcoin R$ 55.325,00
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 4,388
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


O que você precisa saber para ter uma boa aposentadoria

Desde que surgiram os rumores da Reforma da Previdência, não se fala em outra coisa: como fica a aposentadoria? Está preocupado também? Além da dúvida se vai conseguir se aposentar, é preciso começar a se precaver o quanto antes para garantir uma boa aposentadoria no futuro.

Como todo investimento bem sucedido, a base para uma boa aposentadoria é o planejamento.
Earl Nightingale

como ter uma boa aposentadoria

Como funciona a aposentadoria

A Previdência Social é um programa de segurança pública para prevenção de riscos financeiros. É ela que garante a aposentadoria dos trabalhadores, que contribuem obrigatoriamente.

Aposentadoria é o nome dado à remuneração garantida ao contribuinte ao atingir algum requisito mínimo, como tempo de serviço, idade ou tempo de contribuição. Seu objetivo é amparar o trabalhador que não possui mais condições de exercer a profissão e evitar a vulnerabilidade social.

Embora muitas pessoas se afastem do mercado de trabalho ao conseguir a aposentadoria, é possível, em alguns casos, continuar exercendo alguma atividade.

A aposentadoria é administrada pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), vinculado ao Ministério da Previdência Social, ou por entes federativos.

Há dois regimes possíveis de previdência:

– Regime Geral da Previdência Social (RGPS) – Administrado pelo INSS, é um regulamento dos atributos de cada benefício concedido.

– Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) – Sistema próprio administrado por entes federativos, da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, que regulamenta, por lei, os benefícios dos servidores públicos.

Tipos de aposentadoria

Há vários tipos de aposentadoria, criados a partir das necessidades dos trabalhadores. As modalidades e respectivas regras levam em conta diversos fatores, como a expectativa de vida dos brasileiros.

– Por idade: Hoje a idade mínima para mulheres se aposentarem é de 60 anos, sendo de 65 para os homens.

– Por tempo de contribuição: Embora não seja muito vantajoso, a aposentadoria é garantida ao trabalhador que completou 35 anos de contribuição, no caso dos homens, ou 30, para as mulheres, sem restrição de idade mínimo.

– Proporcional: Com redução do benefício, é possível que o homem se aposente com 53 anos se já possuir tempo de contribuição de 30 anos. No caso das mulheres, caso tenham 48 anos e 25 de contribuição, o benefício é concedido.

– Especial: Direito de trabalhadores que atuam em condições de insalubridade, por exemplo ruídos altos, exposição à radioatividade ou materiais químicos. Nessa modalidade, não existe diferença de tempo de trabalho entre homens e mulheres (em geral, 25 anos), nem exigência de idade mínima.

– Por invalidez: Concedida ao contribuinte que não possui mais condições de continuar atuando, devido a doença ou acidente. Não importa tempo de contribuição ou idade mínima.

– Especial do Deficiente: Os deficientes visuais, físicos, intelectuais e auditivos podem se aposentar por idade (60 anos para homens e 55 para mulheres), ou tempo variável de contribuição, de acordo com o grau de deficiência, segundo especificações do INSS.

Ao contribuir, o contribuinte garante benefícios. Confira alguns:
– Aposentadoria
– Salário maternidade
– Salário família
– Auxílio doença
– Auxílio acidente
– Pensão por morte

Por que se preocupar com isso?

É importante tomar alguns cuidados no presente para garantir um futuro mais confortável. Aquela velha história: ninguém sabe o dia de amanhã.

Diante de um cenário de instabilidade política e econômica, além de uma retomada ainda tímida da empregabilidade, pense bem. Você quer depender exclusivamente do governo no futuro?

Todo mundo quer poder viver com tranquilidade financeira quando envelhecer e parar de trabalhar. Essa é, na verdade, a maior razão para a preocupação com a aposentadoria.

Depender de familiares ou ser obrigado a continuar trabalhando na velhice não é um futuro desejado por ninguém. Por isso, aposentadoria deve ser uma preocupação desde cedo.

Considere seu padrão de vida hoje. Seu salário atual, seus gastos, sua rotina. Ao parar de trabalhar, quanto você precisará ganhar de aposentadoria para manter esse nível? Comece a fazer os cálculos e traçar sua estratégia desde já!

Como ter uma boa aposentadoria

aprenda a poupar dinheiroEspecialistas têm a receita pronta para você começar a planejar seu futuro em relação à aposentadoria. Cuidado, paciência e estratégia são palavras mágicas para quem quer começar desce cedo a garantir uma vida tranquila daqui a alguns anos.

Entenda quanto você ganha e gasta
Seu padrão de vida no presente influencia de maneira direta na estratégia para a sua aposentadoria. Quem gasta muito poupa pouco, e uma boa aposentadoria está diretamente ligada à sua capacidade de poupar hoje.

Reavaliar gastos desnecessários e fazer um planejamento financeiro são passos importantes. Os especialistas recomendam guardar, pelo menos, 10% da sua renda líquida todo mês.

Comece o quanto antes
Quanto mais velho você começar, menos tempo terá até sua aposentadoria e, consequentemente, o investimento mensal terá de ser maior. Comece desde já e aos poucos.

Quanto mais dinheiro você conseguir juntar o quanto antes, melhores os rendimentos de investimentos. Quem começa a investir aos 20 anos tem uma absurda vantagem em relação a quem começa aos 40. Use o tempo a seu favor!

INSS: contribua com estratégia
Se você acha que basta contribuir, o mínimo possível, para garantir uma boa aposentadoria, está enganado. Assim como qualquer investimento, ainda mais a longo prazo, o INSS precisa de uma estratégia.

Geralmente, o valor da aposentadoria é a média de 80% dos maiores salários recebidos pelo trabalhador durante o tempo de contribuição, desconsiderando os 20% menores. Os demais são somados e divididos pelo tempo de contribuição, calculando a média.

Contribua, mesmo desempregado
Essa informação ainda é desconhecida por muitos, mas é possível contribuir para a Previdência Social mesmo estando desempregado, sem carteira assinada. E essa é uma medida muito indicada.

Mesmo sem emprego, o contribuinte fica em situação ativa, garantindo todos os benefícios. Além disso, o tempo de contribuição para a aposentadoria continua sendo computado.

Considere ter uma previdência privada
A previdência privada é uma ótima opção para complementar a aposentadoria do INSS. Mas, atenção: é indicada para quem pode investir a longo prazo, já que nessa modalidade há vantagens tributárias para quem deixar o dinheiro aplicado por mais de 10 anos.

Nos planos de previdência privada, fiscalizados pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), do governo federal, é possível escolher quanto contribuir e em que periodicidade. O valor da aposentadoria será proporcional a essa contribuição.

Invista, mas com cuidado
A aposentadoria deve ser um apanhado de diversos rendimentos, entre eles INSS, previdência privada e renda de investimentos. Mas, tenha cuidado.

Esteja atento aos riscos de cada investimento e às possibilidades de retorno. É melhor investir em aplicações de renda fixa, por exemplo, como Tesouro Direto, do que em ações a longo prazo, considerando o mercado financeiro brasileiro.

Já os imóveis são um bom investimento, mas quando inseridos num conjunto de fontes de renda. Depender apenas de renda de aluguel não é uma opção.

Atento a esses passos e com uma estratégia adequada ao que você quer para o seu futuro, é possível garantir uma boa aposentadoria. Lembre-se que ao longo dos anos seus hábitos de consumo mudam e suas fontes de renda podem mudar também. Comece o quanto antes, poupe e invista, para evitar arrependimento no futuro.

Por Flavia Vargas







Mais lidos

Principais Indicadores de Valor de uma Empresa
Quando você está no processo de compra e venda de empresas, precisa pensar nas dívidas que essa e...
Como escolher o plano de saúde?
Diante de tantas opções, a contratação de um plano de saúde pode gerar muitas dúvidas. Antes d...
Leilão de imóveis: entenda os leilões judiciais e extrajudiciais
O leilão de imóveis pode se judicial ou extrajudicial. No caso do judicial, como o próprio nome d...
Tesouro Direto ou CDB: qual a melhor aplicação?
Já falamos aqui que dinheiro só na poupança não rende. E aí, apostar em uma Renda Fixa é uma b...
Alugar ou comprar imóvel 2018?
Esse é um momento de alugar ou comprar imóvel? Na dúvida, algumas questões devem ser avaliadas. ...
Investimento além da poupança: formas de aplicar seu dinheiro
A poupança viu uma melhora de cenário em novembro de 2017. Quando em outubro houve retirada líqui...




Publicidade