De abril para maio, setor de Serviços recua 0,1% | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,785
Euro R$ 4,411
Bitcoin R$ 23.941,50
Bovespa 74.538,54
CDI 6,39% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 5,020
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


De abril para maio, setor de Serviços recua 0,1%


São Paulo, 13/07 (Enfoque) –

Período
 
Volume
Receita Nominal
Maio 2016 / Abril 2016*
-0,1%
0,4%
Maio 2016 / Maio 2015
-6,1%
-0,7%
Acumulado em 2016
-5,1%
0,2%
Acumulado em 12 meses
-4,8%
0,4%
(*) série com ajuste sazonal

A partir desta divulgação, a Pesquisa Mensal de Serviços passa a contar com indicadores ajustados sazonalmente, incluindo suas séries históricas, iniciadas em janeiro de 2012. Em maio de 2016, o volume do setor de serviços caiu -0,1% em relação a abril, na série com ajuste sazonal, após recuar (-1,6%) em abril e subir 1,2% em março. Na série sem ajuste, houve queda (-6,1%) em relação a maio de 2015, a maior da série desde novembro de 2015 (-6,4%). Os acumulados no ano (-5,1%) e em 12 meses (-4,8%) também recuaram. Na mesma série com ajuste, houve altas nos segmentos Serviços profissionais, administrativos e complementares (0,7%), Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (0,5%) e Outros serviços (1,2%). Já os Serviços de informação e comunicação caíram (-0,2%) e os Serviços prestados às famílias mostraram estabilidade (0,0%). O agregado especial das Atividades turísticas cresceu 0,4% em maio, na comparação com abril. Na série ajustada, a receita nominal em maio cresceu 0,4% em relação a abril, enquanto a variação sem ajuste, em relação a maio de 2015, recuou (-0,7%). Os acumulados no ano e em 12 meses ficaram em 0,2% e 0,4%, respectivamente. Clique aqui para acessar a publicação completa.


Tabela 1
INDICADORES DE VOLUME DOS SERVIÇOS, SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES
BRASIL – MAIO 2016

 

Atividades
Variação de Volumes (%)
Mês/Mês anterior
com ajuste
sazonal
Mês/igual mês do
ano anterior
Acumulado
Mar
Abr
Mai
Mar
Abr
Mai
No Ano
12 Meses
Brasil
1,2
– 1,6
– 0,1
– 5,9
– 4,8
– 6,1
– 5,1
– 4,8
1 – Serviços prestados às famílias
– 6,1
0,0
0,0
– 3,8
– 3,0
– 7,0
– 3,9
– 4,8
   1.1 – Serviços de alojamento e alimentação
– 6,0
1,0
– 2,8
– 4,6
– 3,1
– 6,6
– 4,0
– 4,9
   1.2 – Outros serviços prestados às famílias
– 6,7
– 5,5
– 4,3
0,9
– 2,5
– 9,0
– 3,3
– 4,7
2 – Serviços de informação e comunicação
0,6
– 0,2
– 0,2
– 5,9
– 3,0
– 2,6
– 3,7
– 2,3
   2.1 – Serviços TIC
0,5
– 0,8
0,4
– 5,3
– 2,4
– 2,3
– 3,5
– 2,1
      2.11 – Telecomunicações
– 0,3
– 0,6
– 0,2
– 5,2
– 3,5
– 3,7
– 3,9
– 2,8
      2.12 – Serviços de tecnlogia da informação
0,0
5,1
– 1,2
– 5,7
1,6
2,5
– 2,1
0,6
   2.2- Serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias
0,7
0,5
1,3
– 9,5
– 6,8
– 4,4
– 5,7
– 4,1
3 – Serviços profissionais, administrativos e complementares
– 0,5
– 2,6
0,7
– 6,8
– 5,4
– 7,8
– 6,7
– 6,2
   3.1 – Serviços técnico-profissionais
– 4,1
– 4,1
2,7
– 8,7
– 6,3
– 13,9
– 8,8
– 9,0
   3.2 – Serviços administrativos e complementares
0,9
– 1,4
0,1
– 6,2
– 5,1
– 5,8
– 6,0
– 5,3
4 – Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio
0,1
– 1,5
0,5
– 7,2
– 7,2
– 9,1
– 6,4
– 6,4
   4.1 – Transporte terrestre
– 0,8
– 1,7
– 0,7
– 10,0
– 10,2
– 10,5
– 10,0
– 10,8
   4.2 – Transporte aquaviário
– 9,7
3,6
1,7
– 2,4
– 2,9
– 2,4
1,6
11,1
   4.3 – Transporte aéreo
– 4,2
1,1
6,2
1,4
– 0,1
– 15,1
2,8
4,8
   4.4 – Armazenagem, serviços auxiliares dos transportes e correio
– 2,0
– 1,5
0,7
– 5,2
– 4,7
– 5,2
– 3,9
– 3,9
5 – Outros serviços
6,9
– 5,3
1,2
2,5
– 3,3
– 6,2
– 4,2
– 7,8
Atividades turísticas
– 2,6
– 1,2
0,4
– 2,3
– 3,6
– 8,9
– 2,6
– 2,1
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.
 

Tabela 1A
INDICADORES DE RECEITA NOMINAL DOS SERVIÇOS, SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES
BRASIL – MAIO 2016

 

Atividades
Variação de Receita Nominal (%)
Mês/Mês anterior
com ajuste
sazonal
Mês/igual mês do
ano anterior
Acumulado
Mar
Abr
Mai
Mar
Abr
Mai
No Ano
12 Meses
Brasil
0,3
– 0,7
0,4
– 0,4
0,2
– 0,7
0,2
0,4
1 – Serviços prestados às famílias
– 3,6
0,1
– 4,2
2,5
3,3
– 1,1
2,4
1,1
   1.1 – Serviços de alojamento e alimentação
– 2,3
0,7
– 2,8
1,2
2,9
– 1,1
1,8
0,6
   1.2 – Outros serviços prestados às famílias
– 3,7
– 6,4
– 4,2
10,2
6,2
– 1,1
5,7
4,4
2 – Serviços de informação e comunicação
0,7
0,7
– 0,6
– 2,9
0,0
0,4
– 0,7
– 0,4
   2.1 – Serviços TIC
– 0,4
2,9
– 0,6
– 2,5
0,5
0,6
– 0,5
– 0,2
      2.11 – Telecomunicações
– 0,5
– 0,2
0,3
– 2,3
– 0,7
– 1,0
– 0,9
– 0,8
      2.12 – Serviços de tecnlogia da informação
3,9
1,0
0,9
– 3,3
5,1
6,0
0,8
1,9
   2.2- Serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias
– 2,3
1,8
– 0,3
– 5,9
– 3,4
– 0,7
– 2,0
– 2,0
3 – Serviços profissionais, administrativos e complementares
– 0,2
– 1,9
1,2
– 0,2
1,1
– 1,4
0,0
0,8
   3.1 – Serviços técnico-profissionais
– 3,6
– 0,6
– 7,5
– 1,8
0,5
– 7,5
– 1,8
– 1,8
   3.2 – Serviços administrativos e complementares
2,0
– 0,3
1,0
0,3
1,3
0,6
0,6
1,6
4 – Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio
– 0,2
– 1,6
0,8
– 0,6
– 1,7
– 1,6
0,1
1,0
   4.1 – Transporte terrestre
0,8
– 0,9
0,4
– 0,6
– 0,3
– 0,7
– 0,1
0,3
   4.2 – Transporte aquaviário
– 10,0
– 0,2
3,4
– 2,5
– 2,9
– 2,4
1,6
11,1
   4.3 – Transporte aéreo
– 3,6
– 6,6
2,6
– 2,3
– 11,7
– 11,0
– 3,5
– 1,5
   4.4 – Armazenagem, serviços auxiliares dos transportes e correio
– 0,5
– 1,7
1,1
0,2
– 0,4
– 0,1
1,5
1,4
5 – Outros serviços
8,0
– 5,7
0,4
10,3
3,8
0,8
3,2
– 0,3
Atividades turísticas
– 2,8
– 2,2
– 1,1
1,2
– 2,6
– 3,5
0,1
0,2
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.
 

As contribuições dos segmentos para a taxa de volume sem ajuste sazonal foram: Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (-2,9 pp); Serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,5 pp); Serviços de informação e comunicação (-1,0 pp); Serviços prestados às famílias (-0,4 pp) e Outros serviços (-0,3 pp).

RESULTADOS SETORIAIS

Serviços prestados às famílias: em maio, houve estabilidade (0,0%) no volume de serviços, em relação a abril, na série com ajuste sazonal, contra a mesma estabilidade em abril e um recuo (-6,1%) em março. Houve quedas em Serviços de alojamento e alimentação (-2,8%) e em Outros serviços prestados às famílias (-4,3%). Em relação ao maio de 2015, houve retração (-7,0%), acumulando recuos no ano (-3,9%) e em 12 meses (-4,8%) (Tabelas 1 e 1A).

Serviços de informação e comunicação: em maio, em relação a abril, a queda (-0,2%) no volume de serviços foi igual à de abril, contra crescimento de 0,6% em março. Os Serviços de tecnologia da informação e comunicação-TIC cresceram 0,4%, embora Telecomunicações, (-0,2%) e Serviços de tecnologia da informação (-1,2%) tenham recuado. O volume dos Serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias cresceu 1,3%, frente ao mês imediatamente anterior.

Em relação a maio de 2015, na série sem ajuste sazonal, houve retração (-2,6%) no volume de serviços, com quedas em abril (-3,0%) e março (-5,9%). A variação acumulada no ano ficou em -3,7% e, em 12 meses, em -2,3% (Tabelas 1 e 1A).

Serviços profissionais, administrativos e complementares: houve crescimento de 0,7% em maio, em relação a abril, contra decréscimos em abril (-2,6%) e em março (-0,5%). O volume dos Serviços técnico-profissionais cresceu 2,7% e dos Serviços administrativos e complementares, variou 0,1%.

Em relação a maio de 2015, na série sem ajuste sazonal, o volume do segmento recuou (-7,8%), com quedas em abril (-5,4%) e em março (-6,8%). Também houve quedas nos acumulados no ano (-6,7%) e em 12 meses (-6,2%) (Tabelas 1 e 1A).

Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio: crescimento de 0,5% em maio, contra retração (-1,5%) em abril e alta de 0,1% em março, na série com ajuste. Por modalidade, as variações de volume em relação ao mês imediatamente anterior foram: Transporte terrestre, (-0,7%), Transporte aquaviário (1,7%) e Transporte aéreo (6,2%). A atividade de Armazenagem, serviços auxiliares dos transportes e correio cresceu 0,7%.

Na série sem ajuste sazonal, o volume do segmento recuou (-9,1%) em maio, em relação ao mesmo mês do ano anterior. Em abril e março, a queda foi a mesma (-7,2%) nos dois meses (Tabelas 1 e 1A). As variações acumuladas no ano e em 12 meses ficaram em (-6,4%).

Outros serviços: alta de 1,2% no volume de serviços prestados em maio, comparado com abril, após retração (-5,3%) em abril, e crescimento de 6,9% em março (Tabelas 1 e 1A).

Na série sem ajuste, contra o mesmo mês de 2015, houve quedas em maio (-6,2%) e abril (-3,3%), e alta de 2,5% em março. Os acumulados no ano (-4,2%) e em 12 meses (-7,8%) recuaram.

Atividades turísticas: crescimento de 0,4%, após dois meses de quedas (-1,2% em abril e -2,6% em março) na série com ajuste sazonal. Esse crescimento pode ser explicado pelas temperaturas mais frias ocorridas na Região Sul em maio, o que levou a uma maior demanda pelo turismo nessa região.

Em relação ao mesmo mês de 2015, as Atividades turísticas recuaram (-8,9%), acompanhando as quedas (-3,6%) em abril e (-2,3%) em março. Os acumulados no ano (-2,6%) e em 12 meses (-2,1%) também recuaram.

RESULTADOS REGIONAIS

Setor de serviços: No que se refere aos resultados regionais, com ajuste sazonal, do setor de serviços em maio, as maiores variações positivas foram registradas no Acre (3,9%), Pará (2,1%) e Ceará (1,5%). As maiores variações negativas foram na Paraíba (-2,5%), Distrito federal (-2,2%) e Mato Grosso (-1,9%).

Quanto aos resultados sem ajuste sazonal, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, somente duas Unidades da Federação apresentaram variações positivas, isto é Ceará (1,5%) e Tocantins (0,8%). As maiores variações negativas foram registradas no Amapá (-17,1%), Bahia (-12,7%) e Paraíba (-12,6%).

Atividades turísticas: na série com ajuste sazonal, o volume subiu no Rio Grande do Sul (5,7%), Santa Catarina (1,4%), Paraná (1,3%), Ceará (0,9%) e Espírito Santo (0,8%). Houve quedas em São Paulo (-6,3%), Bahia (-4,1%), Pernambuco (-2,5%), Minas Gerais (-0,8%), Rio de Janeiro (-0,5%), Goiás (-0,3%) e Distrito Federal (-0,1%).

Em relação a maio de 2015, houve quedas em todas as Unidades da Federação selecionadas: Bahia (-18,6%), Distrito Federal (-11,5%), Minas Gerais (-10,8%), Santa Catarina (-10,4%), Paraná (-9,6%), Espírito Santo e São Paulo (-8,8%, ambas), Goiás (-7,6%), Rio de Janeiro (-7,1%), Ceará (-6,7%), Rio Grande do Sul (-4,9%) e Pernambuco (-2,0%).

(por Oscar Brandtneris)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 13/07/2016 12:58:22







Mais lidos

11 eventos de empreendedorismo em 2018 para você ficar ligado
Empreender é a sua meta para 2018, mas você não sabe por onde começar? E o que todo empreendedor...
Fuja desses 5 erros ao administrar suas finanças pessoais
Você sabe como administrar suas finanças pessoais? A sua resposta pode até ser sim, se você est...
Franquia home office: como lucrar trabalhando em casa
Abrir uma franquia home office é mais fácil e barato do que você imagina. E a notícia boa é: o ...
Cuidados ao contratar um seguro de celular
Ter um seguro é essencial para garantir a segurança e a comodidade caso algo dê errado ou não sa...
Investir em Portugal vale a pena? Descubra!
Vale investir em Portugal. Não é só a facilidade da língua que pode atrair investidores brasilei...
Conheça os 31 planos de saúde suspensos pela ANS
Muitas pessoas têm planos de saúde para evitar que em momentos de necessidade tenham que recorrer ...





Notice: Undefined variable: hidden in /var/www/finance-one/wp-content/themes/financeone_estrategia/single.php on line 46

Publicidade