Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Dicas para não cair na malha fina no Imposto de Renda

Escrito por: Redação em 21 de dezembro de 2017

Malha fina é, com certeza, o maior fantasma na vida de quem declara o Imposto de Renda. Todos os anos, milhões de declarações são recebidas pela Receita Federal. E não é raro que erros comuns levem o contribuinte a cair na malha fina.

As multas para quem é pego são bastante pesadas e a Receita Federal está cada vez mais atenta aos erros. Além de atenção total no preenchimento dos dados, é importante tomar alguns cuidados na hora de preencher a declaração do Imposto de Renda.

Uma boa ajuda é o passo a passo disponibilizado no site da Receita Federal, sobre como preencher corretamente a sua declaração do IRPF.

imposto de renda

Basicamente, o que você precisa saber é: todas as operações realizadas que envolvam a sua renda e o uso que faz dela são confrontadas com todos os dados de outros contribuintes e empresas, em uma espécie de checagem de dados.

O que é malha fina

Malha fina é a revisão eletrônica de todas as declarações do Imposto de Renda pelo sistema da Receita Federal. Qualquer divergência ou falta de informação pelo contribuinte, por menor que seja, já é suficiente para que a declaração fique retida no sistema.

Quando isso acontece, o processamento regular da declaração é interrompido, com a inclusão na chamada “malha fina”. Com isso, a declaração é enviada para a fiscalização.

Todas as informações prestadas pelo contribuinte são confrontadas com os dados de diversas fontes que também declaram ao Fisco: administradoras de cartões de crédito, pagadores de salários, bancos, imobiliárias, cartórios de imóveis e etc.

A Receita Federal conta com um sistema informatizado de cruzamentos de dados, que inclui informações das seguintes declarações, entre outras:

-> Dimof: Declaração de Informações sobre Movimentação Financeira

-> Dimob: Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias

-> Dirf: Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte

-> DOI : Declaração de Operações Imobiliárias

-> DBF: Declaração de Benefícios Fiscais

-> Decred: Declaração de Operações com Cartão de Crédito

O que pode fazer você cair na malha fina

malha dina A Receita Federal verifica todos os dados declarados, tanto por pessoas físicas quanto jurídicas. Ela recebe os dados e, através de um sistema eficiente, cruza as informações para checar a veracidade da declaração.

Listamos alguns fatores que podem fazer você cair na malha fina, se não declarados da forma correta:

-> Divergência no Valor do Imposto de Renda Retido na Fonte

-> Ausência de fontes pagadoras

-> Recebimentos de Resgate de Previdência Privada

-> Despesas com Saúde

-> Variação Patrimonial

-> Falta de declaração de aquisição de veículos novos

-> Falta de declaração de aquisição de imóveis das incorporadoras

-> Falta de declaração de aluguéis recebidos

-> Falta de declaração de imóveis adquiridos

-> Despesas com cartões de crédito

-> Movimentação bancária elevada

O que acontece se cair na malha fina

Todo contribuinte pode ter acesso ao detalhamento do processamento da declaração no site da Receita Federal. Caso haja alguma divergência, o Fisco já aponta o item com erro e orienta o contribuinte a fazer a correção.

Se depois do envio da declaração você perceber que omitiu algum dado ou lançou alguma informação incorreta, pode fazer a retificação a qualquer momento, até cinco anos após o envio.

A dica é gerar um código de acesso no site da Receita Federal e acompanhar o processamento. Em caso de erro, o ideal é retificar o mais rápido possível.

Quando há divergência de informações no cruzamento dos dados, o contribuinte pode ser notificado a apresentar documentos e justificar os valores declarados.

Caí na malha fina, quando vou receber?

duvida malha fina Se o eficiente sistema da Receita Federal perceber que alguma informação está errada na sua declaração, ela será separada para uma análise mais apurada.

Caso os erros sejam confirmados, você será chamado para ajustes ou até mesmo investigado, podendo ter que pagar atrasados e multas.

A malha fina é praticamente uma “peneira” feitas nos seus processos de declarações de imposto de renda, que se encontrar alguma pendência, impossibilita a sua restituição.

A Receita Federal libera publicamente a consulta a lotes de restituições do Imposto de Renda. Ela também faz isso com os que caem na malha fina e são regularizados.

Para saber se teve a restituição liberada, você deve acessar o site da Receita ou fazer a consulta pelo aplicativo para celular. O App está disponível para os sistemas Android e iOS.

Multa da Receita Federal

Caso a declaração seja retida e não haja erros por parte do contribuinte, é preciso aguardar a convocação da Receita para esclarecimentos.

Depois da intimação do contribuinte pela Receita, não é mais possível fazer a retificação da declaração pela internet. Nessa situação, caso o erro seja comprovado, o contribuinte fica sujeito à cobrança de imposto acrescido de juros de mora e multa.

A multa não é aplicada em todos os casos, mas somente se houver IR a pagar e o imposto não foi quitado. Antes da notificação da Receita, a multa é de 20% sobre o valor do imposto. Se o contribuinte for notificado pela Receita, a multa passa a ser de 75% a 150% sobre o valor do imposto devido e o valor da despesa que apresentou erro

Caso o erro caracterize crime contra a ordem tributária, o contribuinte estará sujeito a sanções penais previstas em lei, com até dois anos de reclusão.

9 dicas para não cair na malha fina

A principal orientação para não cair na malha fina é ter o máximo de atenção no preenchimento da declaração, além de não mentir sobre seus rendimentos.

Você deve prestar todas as informações corretamente, não omitindo receitas e, principalmente, não declarando despesas que não existiram.

Confira a seguir nove dicas para evitar cair na malha fina:

1. Preencha com atenção e confira a digitação dos valores.

2. Evite informações conflitantes (entre fontes pagadoras e recebedoras).

3. Caso tenha mais de uma fonte pagadora, informe todas.

4. Não omita rendimentos.

5. Confira as condições para declarar dependentes.

6. Não informe despesas diferentes dos recibos.

7. Liste todas as suas aplicações financeiras.

8. Não esqueça dos bens e doações.

9. Lembre-se que o aumento do seu patrimônio precisa ser compatível com sua renda.

Redação

Criado em 2003, o FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa.

Deixe um comentário

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

SPC e Serasa
PIS/PASEP
FGC
aplicações-isentas-de-IR
tarifas bancárias