Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Dow Jones, S&P e Nasdaq têm novas máximas

Escrito por: Redação em 13 de setembro de 2017

As bolsas de Nova York bateram novo recorde triplo com o aumento da demanda por ativos de risco e a dissipação dos temores em torno do furacão Irma e da Coreia do Norte. O Dow Jones fechou em alta de 0,28%, a 22.118,86 pontos, enquanto o S&P 500 avançou 0,34%, a 2.496,48 pontos, e o Nasdaq ganhou 0,34%, a 6.454,28 pontos.

Os três índices atingiram também novas máximas intradia, depois que o S&P 500 obteve o seu 31º fechamento de 2017 em máxima histórica, com ganho de 11% acumulado ao longo do ano. O salto dado pelo Nasdaq foi ainda maior no período, de 20%.

Os ativos de proteção, como Treasuries, ouro e iene, continuam a ceder terreno, após a onda de aversão a risco que havia predominado na semana passada.

Os juros das T-notes de 10 anos subiram para 2,171%, ante 2,125% do fim do dia anterior, depois de uma leilão de US$ 20 bilhões em novos papéis que atraiu uma baixa demanda. Os rendimentos dos T-bonds de 30 anos avançaram a 2,775%, frente a 2,739%, e os de dois anos sobem a 1,335%, ante 1,319% na mesma comparação.

Na Europa, o índice Stoxx Europe 600 fechou em alta de 0,52%, a 381,42 pontos, com o DAX, referência da bolsa de Frankfurt, em alta de 0,40%, a 12.524,77 pontos, o CAC 40, de Paris, subindo 0,29%, a 5.101,41 pontos, e o FTSE 100, de Londres, caindo 0,17%, a 7.400,69 pontos.

No final do dia, o euro subia 0,07% ante a moeda americana, a US$ 1,19636, enquanto a libra avançava 0,82%, a US$ 1,32730. O ICE Dollar Index subia 0,07%, a 91,93 pontos, com a libra em alta de 0,92%, a US$ 1,32871, e o dólar avançando 0,75% frente à moeda japonesa, a 110,204 ienes. (Com agências internacionais)

Fonte: Valor Econômico

Redação

Criado em 2003, o FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa.

Deixe um comentário

Negócios em alta para 2019
fraudes com criptomoedas
moeda comum entre Brasil e Argentina
menos-juros-no-financiamento-imobiliário
criptomoedas