Economistas divergem sobre eficácia de medidas anunciadas pelo governo | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$3,91
Euro R$4,48
Libra R$4,99
Peso R$0,13
Bitcoin R$25.720,18
Ethereum R$1.182,76
Litecoin R$224,37
Ripple R$1,37
Bovespa 81.533,08
CDI 2,64% a.a
Selic 6,40% a.a
Poupança 0,50% a.a
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Economistas divergem sobre eficácia de medidas anunciadas pelo governo


São Paulo, 16/12 (Enfoque) –

Economistas consultados pela reportagem divergem quanto à possibilidade de as medidas anunciadas pelo governo reativarem o crescimento econômico. Entre outras ações, o presidente Michel Temer e a equipe econômica anunciaram um programa de regularização tributária para pessoas físicas e jurídicas em débito com o Fisco e medidas de desburocratização para pequenas empresas.

Para o economista Gilberto Braga, do Ibmec-RJ, o pacote é positivo e ajuda a começar a reverter o pessimismo. “Eu acho que são medidas que vão fazer efeito a médio prazo. Elas não são de alto impacto macroeconômico. Mas, em conjunto com a aprovação da PEC Teto dos Gastos [aprovada na terça pelo Senado e promulgada hoje] e a discussão da reforma da Previdência dá uma sensação de que o governo começou a trabalhar de fato. Pode desanuviar o ambiente para 2017”, acredita.

Braga diz que as medidas para pequenas empresas são especialmente importantes. “Focam nas micro e pequenas empresas, o que é muito salutar. É um segmento que, se reagir, pode gerar empregos”.

Para o economista Roberto Piscitelli, professor do Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais da Universidade de Brasília (UnB), o programa de regularização tributária das empresas anunciado no pacote é “discriminatório” porque o governo facilita a quitação de débitos tributários enquanto pede sacrifícios ao trabalhador, como a reforma da Previdência. “Está se sacrificando tanto o trabalhador e você dá um alívio para as empresas pagarem suas dívidas tributárias”, comenta.

Sobre uma outra medida anunciada nesta quinta, de autorizar o preço diferenciado dependendo da opção do consumidor pela forma de pagamento – à vista ou com cartão de crédito – o economista diz não acreditar que ela estimulará a redução de juros do cartão como pretende o governo. “A Selic [taxa básica de juros da economia] está caindo e o juro do cartão continua aumentando. É um problema de estrutura do sistema financeiro, falta de concorrência, oferta limitada de crédito”, defendeu.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 16/12/2016 08:41:35

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora







Mais lidos

Trabalhar em casa: 28 profissões para ganhar dinheiro
Trabalhar em casa e ganhar dinheiro no conforto do lar é um sonho para muitas pessoas. No Brasil, o ...
Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco ...
10 marcas mais valiosas do mundo em 2018
O ano está chegando na metade e as empresas não param de crescer. Esse é o resultado da pesquisa ...
Cartão de crédito com aprovação imediata existe?
Quem não quer ter um cartão de crédito hoje em dia para realizar as compras? Muitas instituiçõe ...
Os jogadores mais bem pagos do mundo em 2018
Quem são os jogadores mais bem pagos do mundo? Muito provavelmente você vai responder Cristiano Ro ...




Publicidade