Em dois dias, balança comercial registra superávit de US$ US$ 489 milhões | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$4,05
Euro R$4,69
Libra R$5,23
Peso R$0,14
Bitcoin R$27.184,84
Ethereum R$1.170,02
Litecoin R$233,93
Ripple R$1,38
Bovespa 81.533,08
CDI 2,64% a.a
Selic 6,40% a.a
Poupança 0,50% a.a
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Em dois dias, balança comercial registra superávit de US$ US$ 489 milhões


São Paulo, 05/09 (Enfoque) –

Na primeira semana de setembro, com apenas dois dias úteis, a balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 489 milhões, resultado de exportações de US$ 1,497 bilhão e importações de US$ 1,009 bilhão. No ano, as exportações somam US$ 125,068 bilhões e as importações, US$ 92,207 bilhões, com saldo positivo de US$ 32,861 bilhões. Os dados foram divulgados hoje pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

As exportações, na semana, tiveram média diária US$ 748,7 milhões, desempenho 2,6% menor que a média verificada em todo o mês de setembro do ano passado (US$ 769 milhões). Nesta comparação, houve retração de 9,8% nas vendas externas de básicos, causada por, principalmente, fumo em folhas; soja em grão; farelo de soja; café em grão; milho em grão e algodão em bruto. Por outro lado, cresceram as exportações de semimanufaturados (7%) – devido a açúcar em bruto; madeira serrada ou fendida; borracha sintética e artificial; manteiga, gordura e óleo, de cacau e couros e peles – e de produtos manufaturados (3,9%) – puxadas por tubos flexíveis de ferro e aço; veículos de carga; etanol; motores e geradores elétricos; automóveis de passageiros e polímeros plásticos.

Na comparação com agosto deste ano, as exportações cresceram 1,4%, em virtude do aumento nas vendas de produtos manufaturados (8,8%), enquanto decresceram as exportações de básicos (-2,1%)  e semimanufaturados (-1,1%).

O desempenho médio diário das importações na primeira semana de setembro de 2016 foi de US$ 504,5 milhões, valor 19,8% abaixo da média registrada em setembro do ano passado (US$ 628,7 milhões). Nesse comparativo, decresceram os gastos, principalmente, com combustíveis e lubrificantes (-55,4%); adubos e fertilizantes (-53%); siderúrgicos (-26,2%); equipamentos mecânicos (-24,8%) e instrumentos de ótica e precisão (-19,7%)

Já na comparação com agosto deste ano, as importações caíram 9,7%, devido a adubos e fertilizantes (-41,9%); combustíveis e lubrificantes (-41,8%); equipamentos mecânicos (-16,2%); farmacêuticos  (-15,8%) e instrumentos de ótica e precisão (-10,7%).

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 05/09/2016 15:55:08

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora







Mais lidos

Trabalhar em casa: 28 profissões para ganhar dinheiro
Trabalhar em casa e ganhar dinheiro no conforto do lar é um sonho para muitas pessoas. No Brasil, o ...
Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco ...
10 marcas mais valiosas do mundo em 2018
O ano está chegando na metade e as empresas não param de crescer. Esse é o resultado da pesquisa ...
Os jogadores mais bem pagos do mundo em 2018
Quem são os jogadores mais bem pagos do mundo? Muito provavelmente você vai responder Cristiano Ro ...
Cartão de crédito com aprovação imediata existe?
Quem não quer ter um cartão de crédito hoje em dia para realizar as compras? Muitas instituiçõe ...




Publicidade