Em dois dias, balança comercial registra superávit de US$ US$ 489 milhões | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,251
Euro R$ 4,012
Bitcoin R$ 36.357,40
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 4,553
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Em dois dias, balança comercial registra superávit de US$ US$ 489 milhões


São Paulo, 05/09 (Enfoque) –

Na primeira semana de setembro, com apenas dois dias úteis, a balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 489 milhões, resultado de exportações de US$ 1,497 bilhão e importações de US$ 1,009 bilhão. No ano, as exportações somam US$ 125,068 bilhões e as importações, US$ 92,207 bilhões, com saldo positivo de US$ 32,861 bilhões. Os dados foram divulgados hoje pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

As exportações, na semana, tiveram média diária US$ 748,7 milhões, desempenho 2,6% menor que a média verificada em todo o mês de setembro do ano passado (US$ 769 milhões). Nesta comparação, houve retração de 9,8% nas vendas externas de básicos, causada por, principalmente, fumo em folhas; soja em grão; farelo de soja; café em grão; milho em grão e algodão em bruto. Por outro lado, cresceram as exportações de semimanufaturados (7%) – devido a açúcar em bruto; madeira serrada ou fendida; borracha sintética e artificial; manteiga, gordura e óleo, de cacau e couros e peles – e de produtos manufaturados (3,9%) – puxadas por tubos flexíveis de ferro e aço; veículos de carga; etanol; motores e geradores elétricos; automóveis de passageiros e polímeros plásticos.

Na comparação com agosto deste ano, as exportações cresceram 1,4%, em virtude do aumento nas vendas de produtos manufaturados (8,8%), enquanto decresceram as exportações de básicos (-2,1%)  e semimanufaturados (-1,1%).

O desempenho médio diário das importações na primeira semana de setembro de 2016 foi de US$ 504,5 milhões, valor 19,8% abaixo da média registrada em setembro do ano passado (US$ 628,7 milhões). Nesse comparativo, decresceram os gastos, principalmente, com combustíveis e lubrificantes (-55,4%); adubos e fertilizantes (-53%); siderúrgicos (-26,2%); equipamentos mecânicos (-24,8%) e instrumentos de ótica e precisão (-19,7%)

Já na comparação com agosto deste ano, as importações caíram 9,7%, devido a adubos e fertilizantes (-41,9%); combustíveis e lubrificantes (-41,8%); equipamentos mecânicos (-16,2%); farmacêuticos  (-15,8%) e instrumentos de ótica e precisão (-10,7%).

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 05/09/2016 15:55:08







Mais lidos

Técnicas para melhorar a produtividade no trabalho
A produtividade no trabalho é algo cada vez mais cobrado pelas empresas. Aquelas que estabelecem um...
10 técnicas para incendiar as vendas
Como aumentar as vendas de uma empresa? Essa é a pergunta que cada empreendedor faz diariamente. Le...
Para que serve realidade virtual? Vale a pena investir?
Para que serve a realidade virtual? Se você pensou em jogos, está certo. Mas, não é apenas para ...
Trader: o que é e como ele ganha dinheiro
O que é trader? É um investidor do mercado financeiro. Ele busca ganhar dinheiro com operações d...
Aplicativos de gestão: um guia completo
Gerenciar uma equipe e inúmeros projetos sempre foi uma tarefa trabalhosa que poucos davam conta de...
Planejamento financeiro: 5 dicas para fazer o seu
Planejar está no topo da lista de recomendações dos especialistas para quem quer ter sucesso na v...




Publicidade