Em semana de Fomc, Ibovespa acumula ganhos e dólar recua | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,785
Euro R$ 4,411
Bitcoin R$ 24.106,25
Bovespa 74.538,54
CDI 6,39% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 5,020
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Em semana de Fomc, Ibovespa acumula ganhos e dólar recua


São Paulo, 29/07 (Enfoque) –

As bolsas de valores do Brasil e dos Estados Unidos fecharam a última semana de agosto com rumos opostos, com o mercado local ficando no azul, enquanto lá fora o e período foi de perdas. Indicadores econômicos e balanços das empresas motivaram o cenário incerto.

Por aqui, a ata da reunião do Copom sinalizou que a inflação está em um ritmo de queda abaixo do esperado, o que leva o mercado a crer que os juros não devem cair tão cedo. Isso favorece o apetite de investidores por aplicação de alto risco.

Lá fora, a expectativa do mercado foi para a reunião do Fomc. Parte dos analistas acreditava que já haveria uma elevação dos juros. No entanto, apesar do otimismo, o Federal Reserve optou por esperar um pouco mais, para ter a confirmação da recuperação da economia.

Mercado Externo

Os primeiros indicadores foram divulgados somente na terça-feira, com destaque para o índice de preços de casas, nas 20 maiores cidades americanas, apurado pelo S&P em parceria com a Case-Shiller. Na série de maio, sem ajuste sazonal, a alta foi de 0,9%.

Já o indicador de vendas de casas novas, de junho, registrou um total de 592 mil, sendo que a aposta do mercado era mais modesta, de 562 mil. Os números de maio foram revistos de 551 mil para 572 mil.

No caso do índice de confiança do consumidor da Conference Board, houve uma leve variação negativa, indo de 97,4 pontos para 97,3 pontos. A aposta dos analistas era de resultado de 96 pontos.

Na quarta-feira, na parte da manhã, o Departamento de Comércio relatou que os pedidos de bens duráveis registrou forte queda de 4,0%, em um cenário em que a aposta do mercado era de retração de 1,3%. Os números de maio foram revistos de -2,2% para -2.8%.

Em seguida, foi informado que as vendas pendentes de casas subiram, em junho, 0,2%, sendo que o mercado estimava resultado de 1,3%. No levantamento anterior, houve queda de 3,7%.

Na parte da tarde, o Federal Reserve anunciou a manutenção da taxa de juros nos Estados Unidos. Resultado que frustou parte dos analistas mesmo com o otimismo mostrado por parte da autoridade monetária. A questão é que o Fed ainda vê riscos à economia americana e por isso resolveu esperar mais.

Na quinta-feira, destaque apenas para os pedidos de auxílio-desemprego, que foram a 266 mil, sendo que a aposta era de 264 mil. Os números anterior foram revistos para 252 mil novas solicitações.

Já na sexta-feira, a grande expectativa do mercado era para a divulgação da primiera prévia do PIB americano do segundo trimestre. O resultado, alta de 1,2% frustrou os investidores que apostavam em alta de 2,6%.

O índice do custo do emprego, também referente ao segundo trimestre do ano, teve alta de 0,6%, ficando dentro do esperado e repetindo o resultado anterior. Já o Chicago PMI de julho marcou 55,8 pontos, acima dos 54 pontos esperados e abaixo dos 56,8 da pesquisa passada.

Por fim, o índice de confiança do consumidor da Universidade de Michigan foi a 90 pontos depois de registrar 89,5 pontos.

Sendo assim, depois de cinco dias o Dow Jones acumulou queda de 0,7% aos 18.432,2 pontos, enquanto o S&P 500 recuou 0,5% aos 2.174,90 pontos. Confira os gráficos:

Mercado Interno

O IPC-S de 22 de julho de 2016 apresentou variação de 0,36%, 0,05 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa registrada na última divulgação.

Nesta apuração, quatro das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram decréscimo em suas taxas de variação. A maior contribuição partiu do grupo Alimentação (0,89% para 0,71%). Nesta classe de despesa, cabe mencionar o comportamento do item hortaliças e legumes, cuja taxa passou de -4,40% para -6,71%.

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas subiu 5,4 pontos entre junho e julho, ao passar de 71,3 para 76,7 pontos. Após atingir o menor valor da série em abril de 2016, o índice avança pelo terceiro mês consecutivo.

O Banco Central divulgou mais uma edição do Relatório Focus nesta segunda semana de julho. O documento apontou queda na projeção do IPCA indo em 7,26% para 7,21% no ano de 2016, enquanto a projeção para o final de 2017 caiu de 5,30% para 5,29%, descendo pela quarta semana consecutiva.

As apostas do BC para a cotação do dólar apresentaram nova queda queda de R$ 3,39 para R$ 3,34, sendo que há cinco semana o valor era de R$ 3,60. Para o próximo ano, o valor ficou em R$ 3,50. No caso da Selic, a expectativa de 2016 se manteve em 13,25%, enquanto a de 2017 apresentou estabilidade e ficou em 11%, como na semana passada.

O mercado reduziu a aposta do PIB de -3,25% para -3,27%. Para o ano que vem, a projeção ficou em 1,1%.

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 852 milhões na quarta semana de julho, resultado de exportações no valor de US$ 3,637 bilhões e importações de US$ 2,785 bilhões. No mês, as exportações somam US$ 13,021 bilhões e as importações, US$ 9,170 bilhões, com saldo positivo de US$ 3,851 bilhões. No ano, as vendas internacionais totalizam US$ 103,273 bilhões e as compras, US$ 75,771 bilhões, com saldo positivo de US$ 27,503 bilhões.

O Índice de Confiança da Construção (ICST) subiu 2,7 pontos em julho, atingindo 70,7 pontos, o maior desde agosto de 2015 (72,4 pontos). Esta foi também a primeira vez desde novembro passado em que houve alta tanto do indicador que mede a situação corrente quanto do indicador de expectativas de curto prazo. O resultado sinaliza uma melhora da percepção dos empresários, embora o nível de confiança ainda seja muito baixo em termos históricos.

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) registrou, em julho, taxa de variação de 1,09%, Abaixo do resultado do mês anterior, de 1,52%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,12%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,26%. O índice referente à Mão de Obra registrou variação de 1,93%. No mês anterior, a taxa de variação foi de 2,64%. O INCC-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) variou 0,18%, em julho. Em junho, o índice variou 1,69%. Em julho de 2015, a variação foi de 0,69%. A variação acumulada em 2016, até julho, é de 6,09%. Em 12 meses, o IGP-M registrou alta de 11,63%. O IGP-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou taxa de variação de -0,01%. No mês anterior, a taxa foi de 2,21%. O índice relativo aos Bens Finais variou 1,41%, em julho. Em junho, este grupo de produtos mostrou variação de 1,65%. Contribuiu para este recuo o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa de variação passou de 9,96% para 3,81%. Excluindo-se os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, o índice de Bens Finais (ex) registrou variação de 1,22%. Em junho, a taxa foi de 0,74%.

O Índice de Confiança do Comércio (ICOM) da Fundação Getulio Vargas avançou 1,2 ponto em julho de 2016, ao passar de 73,7 para 74,9 pontos. Com a alta, o índice já se distancia 10 pontos do mínimo histórico de dezembro passado.

Entre os indicadores que integram o ICOM, a novidade foi a alta de igual magnitude (1,2 ponto) do Índice da Situação Atual (ISA-COM) e do Índice de Expectativas (IE-COM), após três meses em que este último indicador vinha subindo bem acima do primeiro.

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) da Fundação Getulio Vargas subiu 3,6 pontos entre junho e julho, ao passar de 72,4 para 76,0 pontos. Após a quinta alta consecutiva, o índice atinge o maior nível desde maio do ano passado. Na métrica de médias móveis bimestrais, o índice avançou 2,7 pontos em julho, a maior alta desde maio de 2009

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da Fundação Getulio Vargas subiu 3,7 pontos em julho, alcançando 87,1 pontos, o maior nível desde novembro de 2014 (87,5 pontos). Com o resultado, o índice acumula alta de 13,6 pontos desde o mínimo histórico de agosto do ano passado.

Em junho, os preços da indústria geral variaram, em média, 0,52% em relação ao mês anterior, resultado inferior ao observado em maio (0,90%). O acumulado no ano ficou em -0,08% em junho, contra -0,60% em maio. O acumulado em 12 meses ficou em 5,67%, contra 5,62% em maio. Entre as 24 atividades das indústrias extrativas e de transformação, 11 apresentaram variações positivas de preços, contra 10 do mês anterior.

A taxa de desocupação foi estimada em 11,3% no trimestre móvel encerrado em junho de 2016, ficando 0,4 ponto percentual acima da taxa do trimestre que terminou em março (10,9%). Na comparação com o mesmo período de 2015 (8,3%), o quadro também foi de acréscimo (3,0 pontos percentuais).

A população desocupada (11,6 milhões de pessoas) cresceu 4,5 % em relação ao observado entre janeiro e março (11,1 milhões de pessoas), um acréscimo de 497 mil pessoas na procura por emprego. No confronto com igual trimestre do ano passado, esta estimativa subiu 38,7%, um aumento de cerca de 3,2 milhões de pessoas desocupadas na força de trabalho.

Dentro deste cenário, o Ibovespa teve em cinco dias alta acumulada de 0,8% aos 57.450 pontos. Confira o gráfico:

Mercado Cambial

Os rumos do dólar comercial na semana foram definidos por conta de dados da economia local, mas, principalmente pelo Federal Reserve. A decisão do Fed de manter os juros inalterados e o crescimento do PIB abaixo do esperado fez com que a moeda americana registrasse forte queda na sexta-feira. Ao final da semana, com perdas de 0,6% a R$ 3,2380. Confira o gráfico

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 29/07/2016 17:12:54







Mais lidos

11 eventos de empreendedorismo em 2018 para você ficar ligado
Empreender é a sua meta para 2018, mas você não sabe por onde começar? E o que todo empreendedor...
Fuja desses 5 erros ao administrar suas finanças pessoais
Você sabe como administrar suas finanças pessoais? A sua resposta pode até ser sim, se você est...
Franquia home office: como lucrar trabalhando em casa
Abrir uma franquia home office é mais fácil e barato do que você imagina. E a notícia boa é: o ...
Cuidados ao contratar um seguro de celular
Ter um seguro é essencial para garantir a segurança e a comodidade caso algo dê errado ou não sa...
Investir em Portugal vale a pena? Descubra!
Vale investir em Portugal. Não é só a facilidade da língua que pode atrair investidores brasilei...
Conheça os 31 planos de saúde suspensos pela ANS
Muitas pessoas têm planos de saúde para evitar que em momentos de necessidade tenham que recorrer ...





Notice: Undefined variable: hidden in /var/www/finance-one/wp-content/themes/financeone_estrategia/single.php on line 46

Publicidade