Emprego na indústria cresce 0,3% em maio, mostra IBGE | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$3,91
Euro R$4,48
Libra R$4,99
Peso R$0,13
Bitcoin R$25.487,16
Ethereum R$1.223,28
Litecoin R$235,66
Ripple R$1,38
Bovespa 81.533,08
CDI 2,64% a.a
Selic 6,40% a.a
Poupança 0,50% a.a
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Emprego na indústria cresce 0,3% em maio, mostra IBGE

De abril para maio, o crescimento no emprego industrial ficou em 0,3%, já descontados os efeitos sazonais, quinto resultado positivo consecutivo. Na comparação com maio de 2009, a expansão do emprego alcançou 4,2%, quarta taxa positiva consecutiva, que iguala a mais elevada da série histórica assinalada em outubro de 2004, informou nesta quinta-feira o IBGE.

De acordo com o órgão, o acumulado no ano chegou a 1,9%, acelerando o ritmo frente aos resultados acumulados no primeiro trimestre e primeiro quadrimestre. O número de horas pagas teve alta de 0,3% frente ao mês imediatamente anterior, na série com ajuste sazonal. No confronto com o mesmo mês do ano anterior, a taxa de 5,5% é a mais alta desde o início da série histórica, enquanto no índice acumulado no ano cresceu 3,0%. A folha de pagamento real dos trabalhadores recuou 0,8% na passagem de abril para maio, já descontada a sazonalidade. Comparada com iguais períodos de 2009, houve avanço de 3,7% no índice mensal, quinta taxa positiva consecutiva, e de 3,8% no acumulado dos cinco primeiros meses do ano.

 

Em maio de 2010, o emprego industrial mostrou variação positiva de 0,3% quando comparado ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, acumulando 2,4% em cinco meses de expansão. Com isso, o índice de média móvel trimestral avançou 0,5% entre os trimestres encerrados em abril e maio e manteve a trajetória ascendente iniciada em julho de 2009.

 

Na comparação com igual mês do ano anterior, o crescimento observado no total do pessoal ocupado alcançou 4,2%, quarta taxa positiva consecutiva e iguala a mais elevada da série histórica assinalada em outubro de 2004. Com isso, o índice acumulado nos cinco primeiros meses do ano registrou expansão de 1,9%, acelerando o ritmo frente aos resultados acumulados nos três primeiros meses do ano (0,7%) e no primeiro quadrimestre (1,3%), todas as comparações contra igual período do ano anterior. O indicador acumulado dos últimos doze meses prosseguiu com a redução no ritmo de queda iniciada em dezembro de 2009, ao passar de -3,4% em abril para -2,6% em maio.

 

Em maio de 2010, o emprego industrial cresceu 4,2% na comparação com igual mês do ano passado, com todos os locais investigados (14) apontando taxas positivas. Entre esses, São Paulo (3,3%) permaneceu com a principal influência sobre a média global, vindo a seguir região Nordeste (6,1%), Rio Grande do Sul (6,1%), região Norte e Centro-Oeste (5,8%), Rio de Janeiro (7,6%) e Santa Catarina (4,2%). Na indústria paulista, as atividades de máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (8,7%), têxtil (10,3%), meios de transporte (4,9%) e de alimentos e bebidas (3,1%) exerceram os maiores impactos positivos no total das contratações. Na região Nordeste, os destaques ficaram com os setores de calçados e couro (15,4%) e de alimentos e bebidas (7,0%), enquanto no Rio Grande do Sul, sobressaíram os segmentos de máquinas e equipamentos (14,2%) e de outros produtos da indústria de transformação (15,2%). Na região Norte e Centro-Oeste, os ramos que mais influenciaram positivamente o total do pessoal ocupado foram minerais não metálicos (27,3%) e alimentos e bebidas (2,8%). No Rio de Janeiro e em Santa Catarina, alimentos e bebidas (21,1%), produtos de metal (26,3%), meios de transporte (8,8%) e metalurgia básica (18,8%), no primeiro local, e vestuário (9,9%), têxtil (8,5%) e máquinas e equipamentos (9,6%), no segundo, apontaram as principais pressões positivas no resultado global destas áreas.

 

No total do país, ainda na comparação com igual mês do ano anterior, 15 dos 18 segmentos pesquisados ampliaram o pessoal ocupado no setor industrial, com destaque para as contribuições positivas vindas de produtos de metal (8,9%), alimentos e bebidas (2,5%), máquinas e equipamentos (6,4%), calçados e couro (8,2%), meios de transporte (5,8%) e máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (8,3%). Por outro lado, as pressões negativas vieram de madeira (-4,9%), refino de petróleo e produção de álcool (-2,7%) e fumo (-5,8%).

 

O indicador acumulado nos cinco primeiros meses do ano cresceu 1,9%, com treze locais e quatorze ramos ampliando o contingente de trabalhadores na indústria. Entre os locais, São Paulo (2,0%), região Nordeste (3,9%), Ceará (8,2%) e Rio Grande do Sul (2,4%) apontaram os principais impactos positivos sobre a média global, enquanto Minas Gerais (-0,4%) assinalou o único resultado negativo. Setorialmente, alimentos e bebidas (1,8%), calçados e couro (5,6%), têxtil (5,6%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (4,3%) e papel e gráfica (3,9%) mostraram as influências positivas mais relevantes. Em sentido contrário, madeira (-9,8%) e vestuário (-1,7%) exerceram as maiores pressões negativas.



Fonte:Enfoque Informações Financeiras Ltda.

Recebido em:
08/07/2010 09:26:24

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora







Mais lidos

Trabalhar em casa: 28 profissões para ganhar dinheiro
Trabalhar em casa e ganhar dinheiro no conforto do lar é um sonho para muitas pessoas. No Brasil, o ...
Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco ...
10 marcas mais valiosas do mundo em 2018
O ano está chegando na metade e as empresas não param de crescer. Esse é o resultado da pesquisa ...
Cartão de crédito com aprovação imediata existe?
Quem não quer ter um cartão de crédito hoje em dia para realizar as compras? Muitas instituiçõe ...
Descubra quais são as 20 profissões em alta no Brasil em 2018
São muitas profissões. Mas, qual escolher? É necessário analisar alguns fatores. Entre eles, sua ...




Publicidade