Expectativa de alta da inflação não surpreende economistas | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,4040
Euro R$ 4,3630
Bitcoin R$ 31.750,04
Bovespa 74.538,54
CDI 6,39% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 4,975
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Expectativa de alta da inflação não surpreende economistas

(Ag. Brasil) – A demanda aquecida e a elevação dos preços estão entre os fatores que contribuem para a percepção de alta da inflação acima do centro da meta traçada pelo governo, segundo análise do vice-presidente da Ordem dos Economistas do Brasil e professor da Universidade de São Paulo (USP), Gilson de Lima Garófalo. Em entrevista à Agência Brasil, o economista comentou a edição desta semana do Boletim Focus, do Banco Central, que aponta a expectativa dos agentes do mercado para a manutenção, pela sétima vez seguida, da curva de alta dos preços internos.

 

Segundo a pesquisa do BC, o mercado espera inflação 5,53% este ano, contra 5,42% apontados na semana passada, enquanto a meta do governo é de 4,5%, mesmo percentual estimado para o crescimento da economia.

 

O professor Gilson Garófalo opina que o crescimento da economia vai ficar condicionado “não apenas a fatores internos, mas pode depender também da recuperação econômica internacional. O equilíbrio do gasto público, as despesas com custeio e os planos para investimentos são outros pontos sérios da pauta economica do país”, aponta o professor.

 

A elevação de salários nos poderes Legislativo e Judiciário poderão trazer efeitos negativos aos propósitos do próprio governo. Na área de investimentos ele disse que “falta um projeto orquestrado para o crescimento, pois tudo no país tem sido feito por força de circunstâncias momentâneas”.

 

O professor Ricardo Teixeira, da Coordenação de Gestão Financeira da Fundação Getulio Vargas (FGV), estima que já era previsível que a inflação ficaria acima do centro da meta do governo por causa da demanda aquecida. “Isso, agora, fica reforçado com as deficiências de abastecimento nas regiões metropolitanas, provocadas por problemas climáticos, decorrentes de seca ou do excesso de chuvas nas diversas regiões”. A justificativa, segundo ele, é que os itens de alimentação têm composição importante no cálculo dos preços ao consumidor.

 

Teixeira vê a necessidade de “desaquecer a demanda para que o ano possa ser administrado sem sobressaltos”, embora reconheça o fator positivo sobre o emprego e a renda.



Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
24/01/2011 14:02:07

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras







Mais lidos

Como fazer cartão de crédito pela internet
As compras com cartões de crédito são cada vez maiores. A Abecs, associação das empresas de ca...
Como escolher o seguro de vida mais adequado para você
Você já pensou o quanto um seguro de vida pode ser útil nos dias de hoje? Quando as pessoas busca...
7 livros sobre Bitcoin, Blockchain e Criptomoedas
Algumas pessoas aprendem mais lendo, outras vendo vídeos ou até mesmo escutando música. Cada um t...
FGTS inativo: quem tem direito e como sacar
Todo trabalhador brasileiro com contrato formal, regido pela Consolidação das Leis do Trabalho, a ...
Férias de julho no Brasil: para onde ir?
O meio do ano está chegando e é hora de decidir onde passar as férias em família. Mesmo com algu...
Como limpar seu nome no SPC e Serasa
Seu nome está no SPC e Serasa? Muitos brasileiros estão nessa situação. Em fevereiro, 61,7 milh...




Publicidade