Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,259
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Euro R$ 3,826
Libra R$ 4,321
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


Expectativas melhoram no Brasil, mas clima econômico na América Latina piora


São Paulo, 16/11 (Enfoque) –

O indicador Ifo/FGV de Clima Econômico da América Latina (ICE) – elaborado em parceria entre o Instituto alemão Ifo e a FGV tendo como fonte de dados a Ifo World Economic Survey (WES) – recuou de 79 pontos para 74 pontos entre julho e outubro de 2016, interrompendo a trajetória de alta iniciada em janeiro deste ano. O resultado reflete a combinação de queda de 10 pontos do Indicador da Situação Atual (ISA) e estabilidade do Índice de Expectativas (IE).
 
O clima econômico da América Latina caminhou em sentido contrário ao da média mundial: entre julho e m outubro, o ICE Mundial avançou cinco pontos, retornando ao patamar de abril passado (100 pontos). No mesmo período, o IE mundial subiu de 98 para 108 pontos, enquanto o ISA ficou estável na zona desfavorável do ciclo, em 92 pontos.
 
A melhora do ICE Mundial está associado aos resultados dos países desenvolvidos, com destaque para Estados Unidos, o bloco da União Europeia e o Japão, todos com clima econômico favorável. No grupo dos BRICS, todos os países registraram melhora do clima econômica, mas permanecem na zona de avaliação desfavorável. A exceção é a Índia, com pequena queda do ICE na margem, mas ainda na zona favorável (131 pontos). Logo, a Sondagem aponta uma recuperação, ainda que lenta, da economia mundial, liderada pelos países desenvolvidos.
A pesquisa foi realizada em outubro e incluiu uma questão sobre o possível impacto no clima econômico da eleição presidencial nos Estados Unidos. No caso de Trump ganhar, o impacto no mundo seria negativo (-43%) e na América Latina, o efeito ainda seria pior (-62%). Se Hillary Clinton fosse eleita, o impacto seria positivo: 5,9% e 29%, respectivamente. Na próxima Sondagem de janeiro, quando já tiverem sido anunciadas as medidas do novo Presidente, será possível avaliar se as expectativas negativas irão se confirmar.  
Resultados para os países selecionados da América Latina

A ponderação para se chegar aos resultados regionais da pesquisa é determinada pela corrente de comércio (exportações + importações). Por este critério, o México tem o maior peso na América Latina, com 45% do total, seguido do Brasil, com 21%. Por isso, a queda expressiva do ICE do México em outubro, de 74 para 57 pontos, foi o principal fator a influenciar na queda do indicador da região (Gráfico 3), mais que compensando a alta do ICE brasileiro, de82 para 90 pontos. Os outros países com queda no ICE (Bolívia, Colômbia e Paraguai) somam apenas 7% da corrente de comércio da região.
O clima econômico do Brasil melhorou pelo quarto trimestre consecutivo liderado pela alta no indicador das expectativas, já que desde julho de 2015, o indicador da situação atual está no nível mais baixo da avaliação da Sondagem (20 pontos). Continua, portanto, à espera de resultados que se traduzam na melhora efetiva das condições econômicas. Além do Brasil, em outubro o clima econômico melhorou na Argentina, Chile, Equador, Peru, Uruguai e Venezuela.
 
Os indicadores da situação atual melhoraram em quatro países (Argentina, Equador, Peru e Uruguai), pioraram na Bolívia, Chile, Colômbia e México, e ficaram estáveis no Brasil, Paraguai e Venezuela. Apenas três países estão na zona favorável do ciclo econômico: Bolívia, Paraguai e Peru. As expectativas melhoraram em seis países e são favoráveis na Argentina (166 pontos); Brasil (160 pontos); Peru (150 pontos); Paraguai (114 pontos); e Uruguai (110 pontos). Neste grupo, todos os IE registrados em outubro estão acima da média histórica de 10 anos.
A Sondagem de outubro também incluiu a enquete sobre os principais problemas que os países enfrentam para crescer. A novidade foi a introdução do item Corrupção no questionário. A tabela abaixo apresenta os temas que foram considerados relevantes pelos especialistas e ordenados pela sua importância (quando os especialistas atribuíram notas de avaliação iguais, a ordenação é repetida). No caso do Brasil, a principal questão foi a corrupção (8,4 pontos numa escala máxima de 9 pontos), seguida pelo déficit público (7,8 pontos) e o desemprego (7,7 pontos). Não foram considerados problemas as barreiras às exportações; dívida externa; falta de capital; e falta de mão obra qualificada. 
 
A “corrupção” é o principal problema em 6 dos 11 países selecionados. Na Venezuela, todos as questões foram consideradas relevantes. Em seguida, sete questões foram consideradas relevantes para Brasil e Argentina, seis para o Equador, cinco para Bolívia, México, Peru e Colômbia e três para Chile, Paraguai e Uruguai.
Para se manter o otimismo dos especialistas em relação ao Brasil e a Argentina ao longo do tempo, portanto, estes países deverão enfrentar uma agenda extensa de problemas na construção de um clima econômico sustentavelmente favorável ao crescimento econômico.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 16/11/2016 08:03:49

Mais lidos

Como escolher o melhor cartão de crédito para você
Se no início da história do cartão de crédito a oferta era pouca e restrita, hoje você encontra...
Seguros: conheça as principais formas
Melhor prevenir do que remediar. Esse clichê poderia até ser uma propaganda de seguros, mas repres...
O que Tesouro Direto? – Passo a passo de como investir
Entenda como funciona o programa de investimento nacional do Tesouro. O Tesouro direto é um prog...
Entenda o que é Renda Fixa
Com esse post você vai entender mais sobre esse tipo de investimento (Renda Fixa)  que vem ganhand...
Planejamento Financeiro: o que é e como fazer
Planejar. Palavra simples, mas poderosa. Você tem noção do poder de um bom planejamento financeir...
Consórcio: entenda como adquirir uma casa ou carro
O consórcio é uma forma de adquirir um bem ou serviço. Essa é uma maneira de aquisição de bens...

Publicidade