Governo aumenta para R$ 2,8 bilhões reserva para cobrir riscos fiscais | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,238
Euro R$ 4,030
Bitcoin R$ 36.950,00
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 4,546
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Governo aumenta para R$ 2,8 bilhões reserva para cobrir riscos fiscais


São Paulo, 23/09 (Enfoque) –

A regularização de recursos legalmente mantidos no exterior rendeu ao governo R$ 6,2 bilhões até agora, conforme divulgou hoje (22) o Ministério do Planejamento. As receitas extras permitiram à equipe econômica reforçar de R$ 1,6 bilhão para R$ 2,8 bilhões a reserva criada em junho para cobrir riscos fiscais no Orçamento deste ano.

O dinheiro entrará como reforço para garantir o cumprimento da meta de déficit primário de R$ 170,5 bilhões para o Governo Central – Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central – neste ano. Os números constam do Relatório de Avaliação Receitas e Despesas do quarto bimestre, elaborado pelo Ministério do Planejamento. Divulgado a cada dois meses, o documento contém estimativas de receitas e despesas que orientam a execução do Orçamento.

Compensação

Os recursos extras elevarão as reservas fiscais em R$ 1,2 bilhão. Em junho, o governo tinha anunciado a criação de uma reserva técnica de R$ 18,1 bilhões no Orçamento para compensar eventuais quedas na arrecadação e garantir o cumprimento da meta fiscal de déficit primário (resultado negativo das contas públicas sem o gasto com juros) R$ 170,5 bilhões.

Em julho, no entanto, o Planejamento anunciou que usaria R$ 16,5 bilhões da reserva para evitar novos cortes no Orçamento. Esse espaço fiscal havia sido criado após a aprovação da meta de déficit primário – resultado negativo excluindo o pagamento dos juros da dívida pública – de R$ 170,5 bilhões pelo Congresso.

Na época em que a reserva foi criada, o ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, anunciou que o espaço fiscal permitiria ao governo absorver riscos de frustração de receitas (quando as receitas caem mais que o esperado), o impacto da renegociação da dívida dos estados e a possibilidade de que a repatriação de recursos no exterior renda ao governo menos que o esperado.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 23/09/2016 09:58:12







Mais lidos

Técnicas para melhorar a produtividade no trabalho
A produtividade no trabalho é algo cada vez mais cobrado pelas empresas. Aquelas que estabelecem um...
10 técnicas para incendiar as vendas
Como aumentar as vendas de uma empresa? Essa é a pergunta que cada empreendedor faz diariamente. Le...
Para que serve realidade virtual? Vale a pena investir?
Para que serve a realidade virtual? Se você pensou em jogos, está certo. Mas, não é apenas para ...
Trader: o que é e como ele ganha dinheiro
O que é trader? É um investidor do mercado financeiro. Ele busca ganhar dinheiro com operações d...
Aplicativos de gestão: um guia completo
Gerenciar uma equipe e inúmeros projetos sempre foi uma tarefa trabalhosa que poucos davam conta de...
Planejamento financeiro: 5 dicas para fazer o seu
Planejar está no topo da lista de recomendações dos especialistas para quem quer ter sucesso na v...




Publicidade