IBGE: Desemprego em maio foi de 7,5% | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$4,03
Euro R$4,67
Libra R$5,20
Peso R$0,13
Bitcoin R$25.989,62
Ethereum R$1.124,08
Litecoin R$224,25
Ripple R$1,33
Bovespa 81.533,08
CDI 2,64% a.a
Selic 6,40% a.a
Poupança 0,50% a.a
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

IBGE: Desemprego em maio foi de 7,5%

A taxa de desocupação foi estimada em 7,5% em maio de 2010, segundo a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), resultado considerável estável em relação ao de abril (7,3%). No confronto com maio de 2009 (8,8%), a taxa recuou 1,3 ponto percentual, atingindo seu menor nível, para um mês de maio, desde o início da nova série da PME (março de 2002), para o conjunto das seis regiões metropolitanas investigadas1.

 

O contingente de desocupados (1,8 milhão de pessoas) não variou significativamente em relação a abril e recuou 13,4% na comparação com maio de 2009.

 

A população ocupada (21,9 milhões de pessoas) também ficou estável frente ao mês anterior, enquanto, no confronto com maio do ano passado, cresceu 4,3%, com mais 894 mil postos de trabalho em um ano. O comportamento foi semelhante para o total de trabalhadores com carteira de trabalho assinada (10,1 milhões de pessoas), que não variou na comparação mensal, mas aumentou 7,4% no confronto anual, com mais 698 mil postos de trabalho com carteira.

 

O rendimento médio real habitual dos trabalhadores (R$ 1.417,30) teve queda de 0,9% em relação ao de abril (R$ 1.430,03); frente a maio de 2009 (R$ 1.383,36), houve ganho de 2,5%.

 

A massa de rendimento real habitual dos ocupados (R$ 31,299 bilhões), referente a maio, caiu 0,6% no mês, mas cresceu 6,7% no ano. Já a massa de rendimento real efetivo dos ocupados (R$ 31,029 bilhões), referente a abril de 2010, caiu 1,1% no mês e aumentou 6,7% no ano.

 

O rendimento domiciliar per capita (R$ 925,37) teve queda de 1,0% em relação a abril e ganho de 2,7% no confronto com maio de 2009.

 

 

Regionalmente, as taxas de desocupação não apresentaram variações significativas em relação a abril. Frente a maio de 2009, foram registrados declínios de 2,4 pontos percentuais na região metropolitana de São Paulo, 1,1 ponto percentual em Porto Alegre e 0,9 ponto percentual em Belo Horizonte.

Ainda na análise regional, a população desocupada também não apresentou variação mensal em nenhuma das áreas analisadas, mas, quando comparada com a de maio de 2009, registrou quedas de 23,8% em São Paulo e 15,7% em Porto Alegre.

POPULAÇÃO OCUPADA

Para a população ocupada (21,9 milhões de pessoas), na média das seis regiões metropolitanas investigadas, no confronto maio/ abril, houve estabilidade em todos os grupamentos de atividade.

No confronto com maio de 2009, a ocupação teve acréscimo nos contingentes da indústria extrativa, de transformação e distribuição de eletricidade, gás e água (6,3%); da construção (11,4%); dos serviços prestados às empresas, aluguéis, atividades imobiliárias e intermediação financeira (4,7%); da educação, saúde, administração pública, defesa e seguridade social (4,3%); e dos outros serviços (7,0%).

Em maio, os trabalhadores com carteira assinada no setor privado (10,1 milhões de pessoas) representavam 46,3% das pessoas ocupadas.

RENDIMENTO

O quadro a seguir mostra os valores, em maio, do rendimento médio real habitual dos trabalhadores para o total das áreas investigadas (R$ 1.417,30) e por cada uma das regiões.

Na tabela abaixo, as variações do rendimento médio real habitual, segundo os grupamentos de atividade:

Por posição na ocupação, em relação a abril, houve queda para os empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado (-0,8%) e para os trabalhadores por conta própria (-2,8%); estabilidade para os militares ou funcionários públicos estatutários; e alta para os empregados sem carteira de trabalho assinada no setor privado (3,9%).

Na comparação com maio de 2009, houve ganhos para os empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado, (1,1%), empregados sem carteira de trabalho assinada no setor privado (7,7%) e militares ou funcionários públicos estatutários (5,0%). O rendimento dos trabalhadores por conta própria ficou estável nesse confronto, conforme mostra a tabela abaixo.

RENDIMENTO DOMICILIAR PER CAPITA

Em relação a abril, o rendimento domiciliar per capita (R$ 925,37) teve queda de 1,0%, mas cresceu 2,7% em relação a maio de 2009. Na tabela abaixo, os valores e as variações desse indicador para as seis regiões metropolitanas investigadas pela Pesquisa Mensal de Emprego.



Fonte:Enfoque Informações Financeiras Ltda.

Recebido em:
24/06/2010 09:02:20

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora







Mais lidos

Trabalhar em casa: 28 profissões para ganhar dinheiro
Trabalhar em casa e ganhar dinheiro no conforto do lar é um sonho para muitas pessoas. No Brasil, o ...
Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco ...
10 marcas mais valiosas do mundo em 2018
O ano está chegando na metade e as empresas não param de crescer. Esse é o resultado da pesquisa ...
Os jogadores mais bem pagos do mundo em 2018
Quem são os jogadores mais bem pagos do mundo? Muito provavelmente você vai responder Cristiano Ro ...
Cartão de crédito com aprovação imediata existe?
Quem não quer ter um cartão de crédito hoje em dia para realizar as compras? Muitas instituiçõe ...




Publicidade