Ibovespa realiza lucros acumulados em agosto | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$4,05
Euro R$4,69
Libra R$5,23
Peso R$0,14
Bitcoin R$27.206,48
Ethereum R$1.172,36
Litecoin R$234,74
Ripple R$1,39
Bovespa 81.533,08
CDI 2,64% a.a
Selic 6,40% a.a
Poupança 0,50% a.a
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Ibovespa realiza lucros acumulados em agosto

SÃO PAULO  –  O Ibovespa optou por um movimento de realização de lucros mais claro nesta quinta-feira (31), último pregão do mês de agosto. Mas, ainda acima dos 70 mil pontos no início da tarde, caminha para preservar o melhor resultado deste ano.

Segundo profissionais, investidores optaram por embolsar parte dos ganhos, que chegaram a ser de 8,20% no acumulado do mês até dia 29 de agosto, quando o índice fechou na máxima de 2017, aos 71.329 pontos.

Assim, às 13h50, o índice cedia 0,24% para 70.713 pontos.

Agosto foi um mês carregado de boas e inesperadas notícias para o mercado. A primeira e mais expressiva, na visão dos analistas, foi a intenção do governo de privatizar a Eletrobras. Mas outros eventos – como o avanço da votação da Taxa de Longo Prazo (TLP), a discussão da sessão onerosa da Petrobras e os sinais mais claros de que o IPO da BR Distribuidora podem sair este ano – reforçaram o ambiente favorável ao mercado de ações.

Esse conjunto de informações fez com que o investidor ampliasse a compra de Brasil. Ou seja, que reforçasse a busca por ações com peso no índice como um todo, sem se restringir a setores específicos.

Um sinal desse movimento é que, em agosto, 27 das 58 ações que compõem o Ibovespa alcançaram a máxima do ano neste mês. E já representantes de vários setores nessa lista: bancos, papel e celulose, empresas de consumo, de energia, siderúrgicas, entre outras.

Curiosamente, as gigantes Vale e Petrobras não marcaram suas máximas nesse mês. No caso da mineradora, o preço chegou muito próximo dessa máxima, de R$ 35,43, alcançada em 20 de fevereiro, quando o mercado reagiu à notícia sobre a conversão das ações PNA em ON. Hoje, a Vale ON é negociada a R$ 34,78 (alta de 1,28%), impulsionada em grande parte pelos ganhos do minério de ferro.

Câmbio

Ao fim de um mês em que registrou performance mais fraca, o real figura nesta quinta-feira (31) entre as divisas de melhor desempenho. Às 14h06, o dólar comercial caía 0,43%, a R$ 3,1484. Na mínima, foi a R$ 3,1378, menor patamar em uma semana. O dólar para setembro caía 0,47%, para R$ 3,1585.

Segundo o profissional de uma corretora bastante ativa em câmbio, o mercado começa setembro “um pouco mais pesado” – expressão do jargão de operadores que significa mais pressão de venda, depois de um mês em que o câmbio mostrou mais vulnerabilidade.

Agosto, de fato, é um mês em que o real ficou “mais barato”. A moeda doméstica cede 0,87% no período, um dos piores desempenhos globais. O recente noticiário político-econômico deu respiro limitado nos últimos dias. No entanto, o mercado começa a ficar mais vendedor à medida que o dólar fracassa em superar resistências – a mais próxima em R$ 3,20.

Ao longo de setembro o câmbio deve voltar a embutir expectativas em torno das rolagens de swaps cambiais tradicionais do Banco Central, já que há um total de US$ 9,975 bilhões nesses contratos com data de vencimento em 2 de outubro.

Juros

A última sessão de agosto é marcada por forte desinclinação na curva de juros da BM&F. A diferença entre os DIs janeiro/2023 e janeiro/2019 – uma medida de risco – cai 14 pontos-base apenas hoje, a maior queda diária desde meados de maio – pouco após o estouro da crise política.

Profissionais do mercado demonstram alguma surpresa com a forte redução do chamado “steepening” da curva nesta sessão. E lembram que essa medida até ontem estava em 214 pontos-base, pico desde o fim de 2013. Mesmo com altos prêmios, o mercado tem adotado um discurso de que a incerteza fiscal ainda limita a disposição do investidor em apostar capital no longo prazo.

Às 14h11, DI janeiro/2023 cedia a 9,790% (9,910% no ajuste anterior).

O DI janeiro/2021 recuava a 9,170% (9,270% no ajuste de ontem).

O DI janeiro/2019 tinha taxa de 7,770% (7,760% no último ajuste).

E o DI janeiro/2018 marcava 7,800% (7,805% no ajuste anterior).

Fonte: Valor Econômico







Mais lidos

Trabalhar em casa: 28 profissões para ganhar dinheiro
Trabalhar em casa e ganhar dinheiro no conforto do lar é um sonho para muitas pessoas. No Brasil, o ...
Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco ...
10 marcas mais valiosas do mundo em 2018
O ano está chegando na metade e as empresas não param de crescer. Esse é o resultado da pesquisa ...
Os jogadores mais bem pagos do mundo em 2018
Quem são os jogadores mais bem pagos do mundo? Muito provavelmente você vai responder Cristiano Ro ...
Cartão de crédito com aprovação imediata existe?
Quem não quer ter um cartão de crédito hoje em dia para realizar as compras? Muitas instituiçõe ...




Publicidade