Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,259
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Euro R$ 3,826
Libra R$ 4,321
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do Dólar Hoje e Euro hoje


IGP-DI avança em outubro


São Paulo, 08/11 (Enfoque) –

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) variou 0,13%, em outubro. A variação registrada em setembro foi de 0,03%. Em outubro de 2015, a variação foi de 1,76%. A taxa acumulada em 2016, até outubro, é de 6,24%. Em 12 meses, o IGP-DI acumulou alta de 7,99%. O IGP-DI de outubrofoicalculado com base nos preços coletados entre os dias 1º e 31 do mês de referência.
 
O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) registrou, em outubro, variação de 0,04%. Em setembro, a taxa foi de -0,03%. O índice relativo a Bens Finais apresentou variação de -0,33%. No mês anterior, a taxa de variação foi de -0,36%. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de -7,76% para -7,17%. O índice de Bens Finais (ex), que resulta da exclusão de alimentos in natura e combustíveis para o consumo, registrou variação de 0,48%, ante 0,58%, no mês anterior.
 
O índice do grupo Bens Intermediários apresentou taxa de variação de -0,36%, ante -0,06%, no mês anterior. O principal responsável por este recuo foi o subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa de variação passou de 0,14% para -0,23%. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão de combustíveis e lubrificantes para a produção, apresentou variação de -0,28%. No mês anterior, a variação foi de 0,07%.
 
No estágio das Matérias-Primas Brutas, a taxa de variação passou de 0,40%, em setembro, para             0,92%, em outubro. Os destaques no sentido ascendente foram: milho (em grão) (-7,62% para      0,27%), mandioca (aipim) (7,54% para 16,93%) e bovinos (0,45% para 1,98%).Em sentido descendente, vale mencionar: leite in natura (-1,63% para -8,07%), minério de ferro (6,60% para 2,72%) e soja (em grão) (-0,42%para -1,41%).
 
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,34%, em outubro, ante 0,07%, no mês anterior. Sete das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram acréscimo em suas taxas de variação. A contribuição de maior magnitude para o avanço da taxa do IPC partiu do grupo Transportes (-0,11% para 0,80%). Nesta classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item gasolina, cuja taxa passou de -1,23% para 1,77%.
Também apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos: Comunicação (0,08% para 0,89%), Alimentação (-0,14% para -0,05%), Habitação (0,28% para 0,40%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,34% para 0,54%), Despesas Diversas (-0,32% para 0,05%) e Educação, Leitura e Recreação (-0,02% para 0,03%). Nestas classes de despesa, vale citar o comportamento dos itens: tarifa de telefone móvel (0,00% para 1,41%), hortaliças e legumes (-8,23% para 1,37%), taxa de água e esgoto residencial (0,00% para 1,62%), artigos de higiene e cuidado pessoal (-0,51% para 0,51%), alimentos para animais domésticos (-0,28% para 3,17%) e show musical (-4,59% para            -1,73%), respectivamente.
 
Em contrapartida, apenas o grupo Vestuário (0,40% para 0,23%) apresentou decréscimo em sua taxa de variação. Nesta classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item acessórios do vestuário, cuja taxa passou de0,95% para -0,50%.
 
O núcleo do IPC registrou taxa de 0,42%, ante 0,36%, apurada no mês anterior. Dos 85 itens componentes do IPC, 41 foram excluídos do cálculo do núcleo. Destes, 19 apresentaram taxas abaixo de 0,11%, linha de corte inferior, e 22 registraram variações acima de 0,70%, linha de corte superior. Em outubro, o índice de difusão, que mede a proporção de itens com taxa de variação positiva, foi de 63,91%, 7,99 (p.p.) acima do registrado no mês de setembro, quando o índice foi de 55,92%.
 

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em outubro, taxa de variação de 0,21%, abaixo do resultado do mês anterior, de 0,33%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços não variou. No mês anterior, a taxa foi de 0,15%. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou variação de 0,39%. No mês anterior, este índice variou 0,48%.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 08/11/2016 08:44:06

IGP-DI avança em outubro


São Paulo, 06/11 (Enfoque) –

 O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) variou 1,76%, em outubro. A variação registrada em setembro foi de 1,42%. Em outubro de 2014, a variação foi de 0,59%. A taxa acumulada em 2015, até outubro, é de 8,91%. Em 12 meses, o IGP-DI variou 10,58%. O IGP-DI de outubrofoicalculado com base nos preços coletados entre os dias 1º e 31 do mês de referência.

 
O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) registrou, em outubro, variação de 2,38%. Em setembro, a taxa foi de 2,02%. O índice relativo a Bens Finais apresentou variação de 2,06%. No mês anterior, a taxa de variação foi de 0,87%. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 1,83% para 3,10%. O índice de Bens Finais (ex), que resulta da exclusão de alimentos in natura e combustíveis, registrou variação de 1,78%, ante 1,01%, no mês anterior.
 
O índice do grupo Bens Intermediários apresentou taxa de variação de 2,20%, ante 1,72%, no mês anterior. O principal responsável por este avanço foi o subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, cuja taxa de variação passou de -0,84% para 2,79%. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão de combustíveis e lubrificantes para a produção, apresentou a mesma variação do mês anterior, 2,11%.
 
No estágio das Matérias-Primas Brutas, a taxa de variação passou de 3,84%, em setembro, para 2,99%, em outubro. Os destaques no sentido descendente foram: soja (em grão) (8,44% para 3,18%), leite in natura (-0,66% para -3,11%) e suínos (13,13% para 5,63%). Em sentido ascendente, vale mencionar: bovinos (0,67% para 2,38%), café (em grão) (0,27%para 4,20%) e cana-de-açúcar (0,79% para 1,59%).
 
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,76%, em outubro, ante 0,42%, no mês anterior. Cinco das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram acréscimo em suas taxas de variação. A contribuição de maior magnitude para o avanço da taxa do IPC partiu do grupo Transportes (0,32% para 1,92%). Nesta classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item gasolina, cuja taxa passou de -0,24% para 5,27%.
 
Também apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos:

Habitação (0,55% para 0,73%);
Alimentação (0,32% para 0,47%);
Saúde e Cuidados Pessoais (0,56% para 0,65%); e
Despesas Diversas (0,14% para 0,15%).

Nestas classes de despesa, vale citar o comportamento dos itens: tarifa de eletricidade residencial (0,44% para 1,13%), bebidas não alcoólicas (1,12% para 2,57%), medicamentos em geral (-0,02% para 0,25%) e clínica veterinária (0,36% para 0,98%), respectivamente.

 
Em contrapartida, os grupos: Vestuário (0,68% para 0,43%), Educação, Leitura e Recreação (0,33% para 0,28%) e Comunicação (0,22% para 0,21%) apresentaram decréscimo em suas taxas de variação. Nestas classes de despesa, os destaques foram: roupas (0,75% para 0,44%), passagem aérea (5,86% para 1,12%) e mensalidade para tv por assinatura (1,74% para 0,33%), respectivamente.
 
O núcleo do IPC registrou taxa de 0,63%, ante 0,59%, apurada no mês anterior. Dos 85 itens componentes do IPC, 44 foram excluídos do cálculo do núcleo. Destes, 22 apresentaram taxas abaixo de 0,25%, linha de corte inferior, e 22 registraram variações acima de 1,05%, linha de corte superior. Em outubro, o índice de difusão, que mede a proporção de itens com taxa de variação positiva, foi de 70,12%, ante 67,75%, no mês anterior.
 

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em outubro, taxa de variação de 0,36%, acima do resultado do mês anterior, de 0,22%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,77%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,47%. O índice que representa o custo da Mão de Obra não registrou variação, pelo segundo mês consecutivo. 

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 06/11/2015 08:27:04

IGP-DI avança em outubro


São Paulo, 06/11 (Enfoque) – O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) variou 0,59%, em outubro. A variação registrada em setembro foi de 0,02%. Em outubro de 2013, a variação foi de 0,63%. A taxa acumulada em 2014, até outubro, é de 2,22%. Em 12 meses, o IGP-DI avançou 3,21%. O IGP-DI de outubrofoicalculado com base nos preços coletados entre os dias 1º e 31 do mês de referência.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) registrou, em outubro, variação de 0,73%. Em setembro, a taxa foi de -0,18%. O índice relativo a Bens Finais apresentou variação de 0,55%. No mês anterior, a taxa de variação foi de 0,03%. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de -5,66% para 2,65%. O índice de Bens Finais (ex), que resulta da exclusão de alimentos in natura e combustíveis, registrou variação de 0,46%, ante 0,67%, no mês anterior.

O índice do grupo Bens Intermediários apresentou taxa de variação de 0,50%, ante -0,09%, no mês anterior. O principal responsável por este avanço foi o subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa de variação passou de -0,34% para 0,67%. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão de combustíveis e lubrificantes para a produção, apresentou variação de 0,58%. No mês anterior, a variação foi de -0,11%.

No estágio das Matérias-Primas Brutas, a taxa de variação passou de -0,55%, em setembro, para 1,23%, em outubro. Os destaques no sentido ascendente foram: soja (em grão) (-5,50%para 0,40%), café (em grão) (-0,27%para 7,99%) e milho (em grão) (-2,05% para 3,80%). Em sentido descendente, vale mencionar: mandioca (aipim) (12,19% para 3,47%), bovinos (3,99% para 2,83%) e leite in natura (0,05% para -0,56%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,43%, em outubro, ante 0,49%, no mês anterior. Quatro das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram decréscimo em suas taxas de variação. A contribuição de maior magnitude para o recuo da taxa do IPC partiu do grupo Transportes (0,51% para 0,16%). Nesta classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item gasolina, cuja taxa passou de 0,90% para 0,03%.

Também apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos:

Educação, Leitura e Recreação (0,64% para 0,09%)
Alimentação (0,55% para 0,49%); e
Comunicação (0,67% para 0,32%).

Nestas classes de despesa, vale citar o comportamento dos itens: passagem aérea (9,81% para -9,51%), laticínios (0,90% para -0,31%) e pacotes de telefonia fixa e internet (2,76% para 0,12%), respectivamente.

Em contrapartida, os grupos: Vestuário (0,02% para 0,99%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,50% para 0,61%) e Despesas Diversas (0,11% para 0,25%) apresentaram acréscimo em suas taxas de variação. Nestas classes de despesa, os destaques partiram dos itens: roupas (0,24% para 0,90%), artigos de higiene e cuidado pessoal (0,24% para 0,83%) e serviço religioso e funerário (0,02% para 0,76%), respectivamente.

O grupo Habitação repetiu a taxa de variação registrada no mês anterior, 0,48%. O item taxa de água e esgoto residencial (-0,76% para 0,80%) exerceu a principal influência de alta. Em sentido descendente, o destaque coube ao item tarifa de eletricidade residencial (2,01% para 0,18%).

O núcleo do IPC registrou taxa de 0,47%, ante 0,43%, apurada no mês anterior. Dos 85 itens componentes do IPC, 48 foram excluídos do cálculo do núcleo. Destes, 21 apresentaram taxas abaixo de 0,17%, linha de corte inferior, e 27 registraram variações acima de 0,73%, linha de corte superior. Em outubro, o índice de difusão, que mede a proporção de itens com taxa de variação positiva, foi de 67,16%, ante 63,61%, no mês anterior.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em outubro, taxa de variação de 0,17%, acima do resultado do mês anterior, de 0,15%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,37%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,33%. O índice que representa o custo da Mão de Obra não apresentou variação, pelo terceiro mês consecutivo.


(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Recebido em: 06/11/2014 08:03:01

Mais lidos

Como escolher o melhor cartão de crédito para você
Se no início da história do cartão de crédito a oferta era pouca e restrita, hoje você encontra...
Seguros: conheça as principais formas
Melhor prevenir do que remediar. Esse clichê poderia até ser uma propaganda de seguros, mas repres...
O que Tesouro Direto? – Passo a passo de como investir
Entenda como funciona o programa de investimento nacional do Tesouro. O Tesouro direto é um prog...
Entenda o que é Renda Fixa
Com esse post você vai entender mais sobre esse tipo de investimento (Renda Fixa)  que vem ganhand...
Planejamento Financeiro: o que é e como fazer
Planejar. Palavra simples, mas poderosa. Você tem noção do poder de um bom planejamento financeir...
Consórcio: entenda como adquirir uma casa ou carro
O consórcio é uma forma de adquirir um bem ou serviço. Essa é uma maneira de aquisição de bens...

Publicidade