IGP-DI recua em novembro | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$3,97
Euro R$4,57
Libra R$5,09
Peso R$0,13
Bitcoin R$25.568,42
Ethereum R$1.127,04
Litecoin R$220,74
Ripple R$1,32
Bovespa 81.533,08
CDI 2,64% a.a
Selic 6,40% a.a
Poupança 0,50% a.a
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

IGP-DI recua em novembro


São Paulo, 07/12 (Enfoque) –

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) variou 0,05%, em novembro. A variação registrada em outubro foi de 0,13%. Em novembro de 2015, a variação foi de 1,19%. A taxa acumulada em 2016, até novembro, é de 6,30%. Em 12 meses, o IGP-DI acumulou alta de 6,77%. O IGP-DI de novembrofoicalculado com base nos preços coletados entre os dias 1º e 30 do mês de referência.
 
O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) registrou variação de -0,01%, em novembro. Em outubro, a taxa foi de 0,04%. O índice relativo a Bens Finais apresentou variação de -0,55%. No mês anterior, a taxa de variação foi de -0,33%. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 0,57% para 0,17%. O índice de Bens Finais (ex), que resulta da exclusão de alimentos in natura e combustíveis para o consumo, registrou variação de 0,40%, ante 0,48%, no mês anterior.
 
O índice do grupo Bens Intermediários apresentou taxa de variação de -0,20%, ante -0,36%, no mês anterior. O principal responsável por este avanço foi o subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa de variação passou de -0,23% para 0,50%. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão de combustíveis e lubrificantes para a produção, apresentou variação de 0,59%. No mês anterior, a variação foi de -0,28%.
 
No estágio das Matérias-Primas Brutas, a taxa de variação passou de 0,92%, em outubro, para             0,83%, em novembro. Os destaques no sentido descendente foram: milho (em grão) (0,27% para      -6,46%), mandioca (aipim) (16,93% para 1,84%) e bovinos (1,98% para -0,60%).Em sentido ascendente, vale mencionar: minério de ferro (2,72% para 11,54%), café (em grão) (1,87% para 9,16%) e minério de cobre (0,00%para 6,50%).
 
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,17%, em novembro, ante 0,34%, no mês anterior. Seis das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram decréscimo em suas taxas de variação. A contribuição de maior magnitude para o recuo da taxa do IPC partiu do grupo Habitação (0,40% para 0,17%). Nesta classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item taxa de água e esgoto residencial, cuja taxa passou de 1,62% para 0,00%.
Também apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos: Transportes (0,80% para 0,42%), Comunicação (0,89% para -0,02%), Alimentação (-0,05% para -0,12%), Vestuário (0,23% para -0,13%) e Despesas Diversas (0,05% para -0,12%). Nestas classes de despesa, vale citar o comportamento dos itens: gasolina (1,77% para -0,09%), tarifa de telefone móvel (1,41% para 0,21%), hortaliças e legumes (1,37% para -6,34%), roupas (0,20% para -0,19%) e alimentos para animais domésticos (3,17% para 1,29%), respectivamente.
 
Em contrapartida, apenas o grupo Educação, Leitura e Recreação (0,03% para 0,43%) apresentou acréscimo em sua taxa de variação. Nesta classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item salas de espetáculo, cuja taxa passou de-1,00% para 0,67%.
 
O grupo Saúde e Cuidados Pessoais repetiu a taxa de variação registrada na última apuração, 0,54%. As principais influências em sentido ascendente e descendente partiram, respectivamente, dos itens: perfume (0,00% para 0,73%) e xampu, condicionador e creme (3,23% para -0,27%).
 
O núcleo do IPC registrou taxa de 0,36%, ante 0,42%, apurada no mês anterior. Dos 85 itens componentes do IPC, 40 foram excluídos do cálculo do núcleo. Destes, 24 apresentaram taxas abaixo de 0,00%, linha de corte inferior, e 16 registraram variações acima de 0,74%, linha de corte superior. Em novembro, o índice de difusão, que mede a proporção de itens com taxa de variação positiva, foi de 59,17%, 4,74 (p.p.) abaixo do registrado no mês de outubro, quando o índice foi de 63,91%.

 

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em novembro, taxa de variação de 0,16%, abaixo do resultado do mês anterior, de 0,21%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou taxa de -0,09%. No mês anterior, este índice não variou. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou variação de 0,37%. No mês anterior, este índice variou 0,39%.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 07/12/2016 08:05:29

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora







IGP-DI recua em novembro


São Paulo, 06/12 (Enfoque) – O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) variou 0,28%, em novembro. A variação registrada em outubro foi de 0,63%. Em novembro de 2012, a variação foi de 0,25%. A taxa acumulada em 2013, até novembro, é de 4,80%. Em 12 meses, o IGP-DI avançou 5,49%. O IGP-DI de novembro foi calculado com base nos preços coletados entre os dias 1º e 30 do mês de referência.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) registrou variação de 0,12%, em novembro. No mês anterior, o índice apresentou variação de 0,71%. O índice relativo a Bens Finais apresentou variação de 0,10%. No mês anterior, a taxa de variação foi de 0,50%. O principal responsável por esta desaceleração foi o subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 1,30% para 0,53%. O índice de Bens Finais (ex), que resulta da exclusão de alimentos in natura e combustíveis, registrou variação de 0,33%, ante 0,84%, no mês anterior.

O índice do grupo Bens Intermediários apresentou taxa de variação de -0,27%, ante 0,11%, no mês anterior. O principal responsável por este recuo foi o subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa de variação passou de 0,22% para -0,34%. O índice de Bens Intermediários (ex), calculado após a exclusão de combustíveis e lubrificantes para a produção, apresentou variação de -0,30%. No mês anterior, a variação foi de 0,11%.

No estágio das Matérias-Primas Brutas, a taxa de variação passou de 1,69%, em outubro, para 0,60%, em novembro. Os destaques no sentido descendente foram: minério de ferro (5,78%para 1,04%), aves (2,32%para -6,21%) e bovinos (3,31% para 0,18%). Em sentido ascendente, vale mencionar: milho (em grão) (-2,19% para 4,55%), soja (em grão) (0,97% para 2,81%) e laranja (3,88% para 12,27%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,68%, em novembro, ante 0,55%, no mês anterior. Seis das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram acréscimo em suas taxas de variação. A contribuição de maior magnitude para o avanço da taxa do índice partiu do grupo Habitação (0,58% para 0,82%). Nesta classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de 0,09% para 2,80%.

Também foram computados acréscimos nas taxas de variação de outras cinco classes de despesa:

Comunicação (0,47% para 0,91%);
Despesas Diversas (0,25% para 1,22%);
Transportes (-0,01% para 0,11%);
Vestuário (0,72% para 0,87%); e
Educação, Leitura e Recreação (0,50% para 0,55%).

Os itens que mais contribuíram para estes movimentos foram: pacotes de telefonia fixa e internet(0,30% para 1,19%), cigarros (0,00% para 2,34%), gasolina (-0,63% para -0,21%), roupas (0,83% para 1,07%) e passagem aérea (9,94% para 18,88%), respectivamente.

Em contrapartida, apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos Saúde e Cuidados Pessoais (0,57% para 0,46%) e Alimentação (0,93% para 0,92%). Na primeira classe de despesa, destaca-se o item medicamentos em geral (0,27% para 0,04%), e na segunda, carnes bovinas (2,60% para 0,70%).

O núcleo do IPC repetiu a taxa de 0,41%, apurada no mês anterior. Dos 85 itens componentes do IPC, 41 foram excluídos do cálculo do núcleo. Destes, 11 apresentaram taxas abaixo de -0,05%, linha de corte inferior, e 30 registraram variações acima de 0,78%, linha de corte superior. Em novembro, o índice de difusão, que mede a proporção de itens com taxa de variação positiva, foi de 66,27%, ante 69,23%, no mês anterior.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em novembro, taxa de variação de 0,35%, acima do resultado do mês anterior, de 0,26%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviçosregistrou variação de 0,24%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,55%. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou variação de 0,45%, em novembro. No mês anterior, este índice não registrou variação.


(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Recebido em: 06/12/2013 08:04:57

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora







Mais lidos

Trabalhar em casa: 28 profissões para ganhar dinheiro
Trabalhar em casa e ganhar dinheiro no conforto do lar é um sonho para muitas pessoas. No Brasil, o ...
Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco ...
10 marcas mais valiosas do mundo em 2018
O ano está chegando na metade e as empresas não param de crescer. Esse é o resultado da pesquisa ...
Os jogadores mais bem pagos do mundo em 2018
Quem são os jogadores mais bem pagos do mundo? Muito provavelmente você vai responder Cristiano Ro ...
Cartão de crédito com aprovação imediata existe?
Quem não quer ter um cartão de crédito hoje em dia para realizar as compras? Muitas instituiçõe ...




Publicidade