Índice de Clima Econômico da América Latina fica estável em janeiro, mostra FGV | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$3,91
Euro R$4,48
Libra R$4,99
Peso R$0,13
Bitcoin R$25.720,18
Ethereum R$1.181,55
Litecoin R$224,59
Ripple R$1,36
Bovespa 81.533,08
CDI 2,64% a.a
Selic 6,40% a.a
Poupança 0,50% a.a
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Índice de Clima Econômico da América Latina fica estável em janeiro, mostra FGV

Em janeiro de 2011, o Índice de Clima Econômico (ICE) da América Latina – elaborado em parceria entre o Instituto alemão Ifo e a FGV – ficou estável, em 5,8 pontos, na comparação com o resultado da pesquisa anterior, realizada em outubro de 2010. O Índice da Situação Atual (ISA) avançou 0,1 ponto (de 5,8 para 5,9 pontos) e o Índice de Expectativas (IE) reduziu-se na mesma magnitude, ao passar de 5,8 para 5,7 pontos. Na comparação com uma base média de 1999/2008, o ICE ficou 13% acima, o ISA, 24%, e o IE, 4%.

 

No mundo, o ISA e o IE aumentaram, respectivamente, de 5,1 para 5,5 pontos e de 5,8 para 6,3 pontos, o que levou a um ICE de 5,9 pontos em janeiro de 2011 – acréscimo de 0,4 ponto em relação a outubro de 2010. Os indicadores mostram que os Estados Unidos estão em plena recuperação. O IE deste país passou de 6,8 para 7,9 pontos e da ISA de 2,9 para 4,8 pontos, levando a um aumento de 4,9 para 6,4 no ICE. Na União Européia a evolução foi mais modesta no ICE, de 5,3 para 5,6 pontos, dada a diversidade de resultados das grandes economias. Na Alemanha, por exemplo, o ICE melhorou (6,7 para 7,1 pontos) e no Reino Unido piorou (4,9 para 4,7 pontos).

 

No grupo dos BRICs, a Índia registrou queda de 1,1 ponto no ICE (7,9 para 6,8 pontos) e o Brasil de 0,1 ponto (de 6,8 para 6,7 pontos). A Rússia manteve o mesmo ICE de outubro de 2010, 5,7 pontos, e a China registou uma pequena melhora (5 para 5,2 pontos) impulsionada pelo aumento no ISA e no IE.

 

A sondagem mostrou um aumento da taxa de inflação mundial no ano de 2011 de 3,1% para 3,4% na comparação entre as previsões de outubro de 2010 e janeiro de 2011. Na comparação das regiões, o grupo de países da Comunidade dos Estados Independentes registrou a maior taxa (9,6%, sendo a da Rússia de 9,1%), seguido da América Latina (7,9%) e África (7,3%). Expectativas de aumento na taxa de juros estão associados a essa tendência.

 

No conjunto dos 11 países cujos resultados são divulgados, seis registraram aumento no índice de clima econômico (Chile, Equador, México, Paraguai, Peru e Uruguai). No Chile, Paraguai, Peru e Uruguai, a melhora foi consequência de um aumento do ISA e do IE. No Equador e México, as expectativas não mudaram em relação a outubro.

 

O ICE da Bolívia caiu em 1,4 ponto e da Venezuela, em 0,7 ponto. São os dois únicos países do conjunto aqui analisado que apresentaram ICE abaixo de 5 (situação desfavorável).

 

Na Argentina e no Brasil, o índice de expectativas ficou igual ao da sondagem anterior, 5,0 para o primeiro e 5,7 pontos para o segundo. Nos dois países, há uma queda de 0,2 ponto na situação atual. No entanto, o Brasil continua numa situação mais favorável que a Argentina. O ICE do Brasil foi de 6,7 pontos e da Argentina, de 5,8 pontos.

 

No Brasil, o ICE vem caindo desde janeiro de 2010, quando alcançou 7,8 pontos. Depois passou para 7,3 pontos (sondagens de abril e julho) e caiu novamente para 6,8 pontos, em outubro de 2010. No início de janeiro de 2011, quando foi realizada a sondagem, tomou posse um novo governo no país. A pequena queda no índice, com as expectativas inalteradas, sugere que os especialistas estão “relativamente neutros”. Vale ressaltar que a coleta de dados para a sondagem ocorreu antes do anúncio de cortes orçamentários feito pelo governo em fevereiro.

 

Apenas no México, Uruguai e Venezuela é esperada uma queda na taxa de inflação. Na Venezuela, porém, a inflação continua elevada – previsão de 30%. A Argentina é o país com a segunda maior taxa e acelerando de 24,8% para 27,1%. No Brasil, a sondagem previu um aumento de 4,9% para 5,5%.

 

No ranking realizado pela comparação dos ICEs dos últimos 4 trimestres, o Uruguai passou de segundo para pimeiro lugar, trocando de posição com o Peru. Brasil troca de posição com o Chile e cai do terceiro para o quarto lugar. Argentina, México e Bolívia permanecem na mesma posição – sétima, oitava e nona, respectivamente. Equador e Venezuela são os últimos do ranking.

 

 

Nesta edição da pesquisa, foi realizada uma enquete sobre o tema da “guerra cambial” e seus possíveis desdobramentos. Cerca de 70% dos especialistas em todas as regiões consideraram que essa questão prenuncia o risco de medidas protecionistas comerciais. Na América Latina, esse tema é avaliado com pesos diferenciados entre os países. No Brasil, Colômbia, Chile e México, 92% dos entrevistados concordam que existe um risco muito elevado de se adotar este tipo de medida.No outros países, esse percentual cai para 78%.

 



Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
21/02/2011 08:38:32

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora







Mais lidos

Trabalhar em casa: 28 profissões para ganhar dinheiro
Trabalhar em casa e ganhar dinheiro no conforto do lar é um sonho para muitas pessoas. No Brasil, o ...
Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco ...
10 marcas mais valiosas do mundo em 2018
O ano está chegando na metade e as empresas não param de crescer. Esse é o resultado da pesquisa ...
Cartão de crédito com aprovação imediata existe?
Quem não quer ter um cartão de crédito hoje em dia para realizar as compras? Muitas instituiçõe ...
Os jogadores mais bem pagos do mundo em 2018
Quem são os jogadores mais bem pagos do mundo? Muito provavelmente você vai responder Cristiano Ro ...




Publicidade