Índice de Preços ao Produtor (IPP) varia 0,90% em maio | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$4,05
Euro R$4,69
Libra R$5,23
Peso R$0,14
Bitcoin R$27.439,41
Ethereum R$1.184,07
Litecoin R$235,48
Ripple R$1,40
Bovespa 81.533,08
CDI 2,64% a.a
Selic 6,40% a.a
Poupança 0,50% a.a
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Índice de Preços ao Produtor (IPP) varia 0,90% em maio


São Paulo, 28/06 (Enfoque) –

 
MAIO 2016
0,90%
Abril 2016
-0,34%
Maio 2015
0,00%
Acumulado em 2016
-0,61%
Acumulado em 12 meses
5,61%

O Índice de Preços ao Produtor (IPP) variou 0,90% em maio, acima dos -0,34% registrados no mês anterior. É o primeiro resultado positivo depois de três negativos consecutivos. Com isso, o acumulado no ano chegou a -0,61%, contra -1,49% em abril. O acumulado em 12 meses foi para 5,61%, acima dos 4,67% de abril. O IPP mede a evolução dos preços de produtos na “porta da fábrica”, sem impostos e fretes, de 23 setores da indústria de transformação. A publicação completa da pesquisa pode ser acessada aqui.


Tabela 1
Índices de Preços ao Produtor, segundo Indústrias Extrativas e de Transformação (Indústria Geral) e
Seções – Últimos três meses

 
Indústria Geral e Seções Variação (%)
M/M-1 Acumulado Ano M/M-12
MAR/16
ABR/16
MAI/16
MAR/16
ABR/16
MAI/16
MAR/16
ABR/16
MAI/16
Indústria Geral
-1,20
-0,34
0,90
-1,15
-1,49
-0,61
5,26
4,67
5,61
B – Indústrias Extrativas
6,56
13,35
11,37
-9,23
2,88
14,58
-20,17
-6,57
7,86
C – Indústrias de Transformação
-1,38
-0,70
0,58
-0,92
-1,62
-1,04
6,14
5,04
5,53
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria.

Em maio, os preços da indústria variaram, em média, 0,90%, quando comparados a abril/2016, número superior ao observado na comparação entre abril/2016 e março/16 (-0,34%). Em maio/2016, 11 das 24 atividades apresentaram variações positivas de preços. As quatro maiores variações observadas em maio/2016 se deram entre os produtos compreendidos nas indústrias extrativas (11,37%), farmacêutica (2,99%), alimentos (2,82%) e impressão (2,82%). Em termos de influência, sobressaíram alimentos (0,57 p.p.), indústrias extrativas (0,33 p.p.), refino de petróleo e produtos de álcool (-0,13 p.p.) e outros produtos químicos (0,09 p.p.).

O indicador acumulado no ano atingiu -0,61%, contra -1,49% em abril. Entre as atividades que tiveram as maiores variações percentuais na perspectiva deste indicador sobressaíram indústrias extrativas (14,58%), outros produtos químicos (-8,19%), farmacêutica (6,90%) e impressão (6,73%). Os setores de maior influência foram outros produtos químicos (-0,88 p.p.), refino de petróleo e produtos de álcool (-0,68 p.p.), alimentos (0,62 p.p.) e indústrias extrativas (0,40 p.p.).

Ao comparar maio de 2016 com maio de 2015 (acumulado no ano), a variação de preços ocorrida foi de 5,61%, contra 4,67% em abril/2016. As quatro maiores variações ocorreram em alimentos (16,61%), fumo (14,24%), perfumaria, sabões e produtos de limpeza (13,62%) e impressão (12,99%). Neste indicador, os setores de maior influência foram alimentos (3,12 p.p.), veículos automotores (0,44 p.p.), metalurgia (-0,31 p.p.) e outros equipamentos de transporte (0,30 p.p.).

Já entre as grandes categorias econômicas, houve variação de -0,38% em bens de capital; 1,19% em bens intermediários; e 0,75% em bens de consumo, sendo que 0,49% foi a variação observada em bens de consumo duráveis e 0,83% em bens de consumo semiduráveis e não duráveis. Em termos de influência, bens de capital contribuíram com -0,03 p.p., 0,66 p.p. de bens intermediários e 0,27 p.p. de bens de consumo. No caso de bens de consumo, 0,22 p.p. se deveu às variações de preços observadas nos bens de consumo semiduráveis e não duráveis.

Na perspectiva do acumulado no ano, as variações foram de -0,72% em bens de capital (com influência de -0,06 p.p.), -1,93% de bens intermediários (-1,10 p.p.) e 1,59% de bens de consumo (0,55 p.p.). No último caso, este aumento foi influenciado em 0,14 p.p. pelos produtos de bens de consumo duráveis e 0,41 p.p., pelos bens de consumo semiduráveis e não duráveis.

Na taxa acumulada em 12 meses, a variação em bens de capital foi de 6,93% (0,60 p.p.); bens intermediários, 4,03% (2,29 p.p.); e bens de consumo, 7,87% (2,72 p.p.), sendo que a influência de bens de consumo duráveis foi de 0,27 p.p. e a de bens de consumo semiduráveis e não duráveis de 2,45 p.p.(tabelas 4 e 5; figura 5).


Tabela 4
Índices de Preços ao Produtor, segundo Indústrias Extrativas e de Transformação (Indústria Geral) e
Grandes Categorias Econômicas – Últimos três meses

 
Indústria Geral e Seções Variação (%)
M/M-1 Acumulado Ano M/M-12
MAR/16
ABR/16
MAI/16
MAR/16
ABR/16
MAI/16
MAR/16
ABR/16
MAI/16
Indústria Geral
-1,20
-0,34
0,90
-1,15
-1,49
-0,61
5,26
4,67
5,61
Bens de Capital (BK)
-0,98
-1,31
-0,38
0,98
-0,34
-0,72
8,13
7,73
6,93
Bens Intermediários (BI)
-1,80
-0,09
1,19
-3,00
-3,08
-1,93
3,10
2,36
4,03
Bens de consumo (BC)
-0,29
-0,50
0,75
1,34
0,83
1,59
8,09
7,73
7,87
Bens de consumo duráveis (BCD)
-0,07
-0,62
0,49
1,87
1,24
1,74
4,61
3,57
3,24
Bens de consumo semiduráveis e não duráveis (BCND)
-0,35
-0,46
0,83
1,18
0,71
1,54
9,21
9,07
9,36
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria.

11 das 24 atividades pesquisadas apresentaram alta de preços

Em maio, os preços da indústria variaram, em média, 0,90%, quando comparados a abril/2016, número superior ao observado na comparação entre abril/2016 e março/16 (-0,34%). Em maio/2016, 11 das 24 atividades apresentaram variações positivas de preços.

Indústrias extrativas: os preços das indústrias extrativas aumentaram pelo terceiro mês consecutivo, apresentando variação de 11,37% em maio. A variação mensal positiva dos preços teve a segunda maior influência (0,33 p.p.) sobre o indicador para a indústria em geral, ficando atrás apenas dos produtos alimentícios. Com a aceleração de preços observada a partir de abril, o setor acumulou, em maio, variação positiva de 14,58% no ano. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior (acumulado em 12 meses), observou-se variação de 7,86. Tal como observado em abril, a alta de preços das indústrias extrativas foi influenciada principalmente pelos preços internacionais do minério de ferro. A alta de preços mensal dos “óleos brutos de petróleo”, em consequência da política nacional adotada para o setor.

Alimentos: os preços do setor variaram em 2,82% em maio, maior resultado desde setembro de 2015 (5,47% e a maior variação positiva da série). Com esse resultado, o acumulado no ano alcançou 3,08% e, na comparação com maio de 2015, há uma variação positiva de 16,61% (a maior do ano). Ao analisar os produtos destacados, dois — “leite esterilizado / UHT / Longa Vida”, em período de entressafra, e “resíduos da extração de soja”, influenciado pelo preço internacional — aparecem tanto na lista de maiores variações quanto na de maiores influências. No caso das variações, o aumento dos preços de “alimentos à base de milho” e de “carnes de suínos frescas ou refrigeradas” estão em linha com o aumento do próprio milho. No caso dos produtos destacados em termos de influência, os quatro responderam por 2,29 p.p. (em 2,82%). Para o “açúcar refinado de cana”, o aumento está atrelado a um aumento do preço internacional, o que também ocorre no caso dos derivados de soja (“resíduos da extração de soja”), com o agravante, neste caso, de problemas climáticos que influenciaram a oferta argentina. O aumento de preços de “arroz descascado branqueado, parbolizado ou não” se justifica num ambiente com baixa disponibilidade do produto. A variação de preços no setor foi a terceira maior entre as atividades tanto das indústrias extrativas quanto de transformação e, por sua vez, foi a maior influência (0,57 p.p. em 0,90%). Nessa mesma linha, o setor aparece como destaque em todos os índices calculados, com exceção do acumulado no ano.

Refino de petróleo e produtos de álcool: em maio, a variação dos preços do setor foi de -1,28% (sexto resultado negativo consecutivo), com o que, em 2016, a série acumulou variação de -6,53%, maior resultado negativo da série, que só teve resultados negativos, nesse mês do ano, em 2015 e 2016. Quando comparado aos preços do mesmo mês de 2015, os atuais estão 0,09% maiores que aqueles. A influência dos produtos “óleo diesel e outros óleos combustíveis”, “álcool etílico (anidro ou hidratado)”, “querosenes de aviação” e “naftas” foi de -1,27 p.p. (em -1,28%) e apenas a variação nos preços da “nafta” foi positiva.

Outros produtos químicos: a indústria química variou 0,88% em relação a abril (revertendo a situação de três quedas seguidas de preços neste tipo de comparação), o que gerou uma variação acumulada no ano de -8,19% e de -0,04% nos últimos 12 meses. As principais variações, todas positivas, excetuando-se “estireno”, ocorreram em produtos que não fazem parte dos que apresentam maior peso no cálculo, o que não ocorre entre os de maior influência, onde apenas o “PEAD” não está nesta categoria; são eles “adubos e fertilizantes à base de NPK”, “etileno (eteno) não-saturado” e “herbicidas para uso na agricultura”, este último com resultado negativo no mês. A amônia é o principal insumo para a obtenção dos fertilizantes nitrogenados e tem apresentado queda de preços nos últimos meses (inclusive é um dos destaques de variação acumulada no ano), o que explica, em parte, os resultados para o produto “adubos ou fertilizantes à base de NPK” também no acumulado do ano e nos 12 meses. Os quatro produtos de maior influência no mês contra mês imediatamente anterior representaram 0,66 p.p. no resultado de 0,88%; ou seja, os demais 28 produtos contribuíram com 0,22 p.p.

Metalurgia: houve uma variação positiva de 1,00% em maio, quebrando uma série de três quedas consecutivas. Desta forma, o setor acumulou alta de 0,08% no ano e, nos últimos 12 meses, queda de -4,00%. Em relação aos produtos que mais influenciaram os resultados no mês contra mês anterior, aparecem três dos quatro produtos de maior peso na atividade: “lingotes, blocos, tarugos ou placas de aço ao carbono”, com a maior variação positiva entre todos, “alumínio não ligado em formas brutas” e “bobinas a quente de aços ao carbono, não revestidas”. O único produto que não pertence ao grupo daqueles de maior peso é “barras, perfis e vergalhões de cobre e de ligas de cobre”, que também foi destaque entre as maiores variações negativas no mês (refletindo os efeitos verificados com o cobre na Bolsa de Londres e o recuo do dólar frente ao real). Considerando as principais influências na análise de acumulado no ano e em 12 meses, apenas dois produtos são comuns: “bobinas ou chapas de aços inoxidáveis, inclusive tiras”, com resultados negativos nos dois índices, e “bobinas a frio de aços ao carbono, não revestidos”, com acumulado no ano positivo, porém negativo em 12 meses. “Alumínio não ligado em formas brutas” e “lingotes, blocos, tarugos ou placas de aços ao carbono” foram destaques nos resultados de 12 meses, sendo o primeiro de forma negativa e o segundo de forma positiva.

Veículos automotores: a variação média de preços do setor foi de 0,47% em maio, primeiro resultado positivo depois de três meses consecutivos. Com isso, o setor acumulou variação de 1,40%. Na comparação com maio de 2015, houve alta de 4,07%, a menor taxa neste tipo de comparação no ano. Três produtos (“faróis para veículos automotores”, “bombas injetoras para veículos automotores” e “motores diesel e semi-diesel para ônibus e caminhões”) figuram tanto como destaque em termos de variação quanto em termos de influência. O quarto produto em influência é “automóveis para passageiros, a gasolina, álcool ou bicombustível, de qualquer potência”, o produto de maior peso no cálculo (aproximadamente 50%). Os quatro produtos tiveram influência de 0,38 p,p., sendo que apenas um teve influência negativa (“faróis para veículos automotores”).

Outros equipamentos de transporte: os preços do setor caíram 0,68% em relação a abril. Com isso, a atividade completou quatro meses seguidos de variações negativas, acumulando queda de 4,95% no ano. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, ocorreu variação positiva de 12,80%. O indicador acumulado em 12 meses da atividade teve, em termos absolutos, a quarta maior influência (0,30 p.p.) sobre o indicador da indústria em geral.

(por Oscar Brandtneris)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 28/06/2016 09:10:43

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora







Mais lidos

Trabalhar em casa: 28 profissões para ganhar dinheiro
Trabalhar em casa e ganhar dinheiro no conforto do lar é um sonho para muitas pessoas. No Brasil, o ...
Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco ...
10 marcas mais valiosas do mundo em 2018
O ano está chegando na metade e as empresas não param de crescer. Esse é o resultado da pesquisa ...
Os jogadores mais bem pagos do mundo em 2018
Quem são os jogadores mais bem pagos do mundo? Muito provavelmente você vai responder Cristiano Ro ...
Cartão de crédito com aprovação imediata existe?
Quem não quer ter um cartão de crédito hoje em dia para realizar as compras? Muitas instituiçõe ...




Publicidade