Inflação: IPCA-15 de maio fica em 0,63%, diz IBGE | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,4040
Euro R$ 4,4167
Bitcoin R$ 31.500,04
Bovespa 74.538,54
CDI 6,39% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 5,054
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Inflação: IPCA-15 de maio fica em 0,63%, diz IBGE

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) teve variação de 0,63% em maio, taxa superior à de abril (0,48%). Com isto, o acumulado do ano situou-se em 3,16%, resultado superior ao verificado em igual período do ano anterior (2,10%), informou nesta quinta-feira o IBGE. Considerando os últimos doze meses, o índice ficou em 5,26%, também acima dos doze meses imediatamente anteriores (5,22%). Em maio de 2009 a taxa havia sido de 0,59 %

De abril para maio, as maiores contribuições para elevação do resultado vieram dos produtos farmacêuticos (de 0,70 % para 2,14%), em virtude do reajuste médio de 4,64% concedido a partir de 31 de março, e da energia elétrica (de -0,46% para 1,29%), que reflete a cobrança da COSIP (Contribuição para o Custeio da Iluminação Pública) implantada no Rio de Janeiro, a partir de 20 de abril, e responsável pelo resultado de 5,04% no índice do mês. Também foram verificados reajustes nas tarifas de energia elétrica em Fortaleza (5,50%) e Salvador (5,92%), ambas partir de 22 de abril num percentual de 5,89% e 6,74%, respectivamente.

 

Contribuíram também para o resultado do mês os itens: empregado doméstico (de 1,60% para 1,12%) e automóvel novo (de -0,46 para 1,57%), aluguel (de 0,57% para 0,74%) e condomínio (de -0,60% para 1,18%). O crescimento nos artigos de vestuário (de 1,08% para 1,15%) reflete os aumentos ocorridos com a entrada na nova coleção, como já foi verificado no mês anterior. Com isso, o agrupamento dos não alimentícios variou 0,52%, em maio, frente à variação de 0,12% em abril.

 

Os alimentos (de 1,71% para 1,00%), apesar da taxa ter sido menor que a de abril, continuam a pressionar o resultado do mês, acumulando alta de 5,84% no ano. Quatro itens importantes contribuíram para este resultado: feijão carioca (de 30,10% para 31,75%), leite pasteurizado (de 9,63% para 4,24%), refeição fora (de 0,75% para 0,95%) e carnes (de 1,24% para 1,61%). Dentre as quedas destacam-se: tomate (de 36,81 para -11,08%), frutas (de -0,92% para -2,59%) e pescados (de 2,62% para -3,79%).

 

Dentre os índices regionais, o maior ficou com Fortaleza, em virtude dos aumentos ocorridos nos preços da gasolina (10,14%) e também pelo maior resultado dos alimentos (1,61%). Goiânia apresentou o menor índice, tendo em vista, principalmente, as fortes quedas nos preços da gasolina (-5,10%) e do etanol (-8,19%).



Fonte: Enfoque Informações
Financeiras
Ltda.


Recebido em:
20/05/2010 09:39:40

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras







Mais lidos

FGTS inativo: quem tem direito e como sacar
Todo trabalhador brasileiro com contrato formal, regido pela Consolidação das Leis do Trabalho, a ...
Férias de julho no Brasil: para onde ir?
O meio do ano está chegando e é hora de decidir onde passar as férias em família. Mesmo com algu...
Como limpar seu nome no SPC e Serasa
Seu nome está no SPC e Serasa? Muitos brasileiros estão nessa situação. Em fevereiro, 61,7 milh...
Escolas de negócios: Brasil tem 3 das melhores do mundo
Três das melhores escolas de negócios do mundo em 2018 estão no Brasil. São elas: a Fundação ...
Como vender plano de saúde e ganhar dinheiro
Ganhar uma renda extra é o que muitos brasileiros têm buscado para superar a crise que o país vem...
Treasuries americanos: os títulos “mais seguros do mundo”
Muito conhecido no Brasil, o Tesouro Direto - Programa do Tesouro Nacional desenvolvido com a BM&...




Publicidade