IPCA-15 varia 0,76% em janeiro, puxado pela alta das tarifas de ônibus | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,256
Euro R$ 4,011
Bitcoin R$ 34.850,00
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 4,552
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


IPCA-15 varia 0,76% em janeiro, puxado pela alta das tarifas de ônibus

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) teve variação de 0,76% em janeiro, resultado superior ao de dezembro (0,69%). Considerando os últimos doze meses, situou-se em 6,04%, também acima dos doze meses imediatamente anteriores (5,79%). Em janeiro de 2010, a taxa havia ficado em 0,52%.

A aceleração do IPCA-15 de janeiro ficou concentrada em itens importantes no orçamento das famílias, como as tarifas de ônibus urbanos. Com variação de 1,77%, foram responsáveis pelo maior impacto individual no mês: 0,07 ponto percentual. O resultado refletiu os aumentos de 3,48% nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte e Salvador; 3,33% em São Paulo; e 1,74% em Recife. Subiram, ainda, as tarifas dos ônibus intermunicipais (1,30%) e interestaduais (1,34%). Além dos ônibus, o etanol apresentou aumento de 4,31% em seus preços, levando a gasolina a ficar 0,55% mais cara em janeiro. Assim, o grupo transporte passou de 0,17% para 0,89 %.

O grupo habitação (de 0,51% para 0,60%) também ficou mais alto de um mês para o outro com os resultados dos aluguéis (de 0,73% para 1,23%) e condomínio (de 1,04% para 1,28%), assim como os artigos de residência (de -0,34% para 0,58%), com destaque para mobiliário (de 0,21% para 1,07%) e eletrodomésticos (de -0,96% para 0,56%). Desta forma, os produtos não alimentícios registraram variação de 0,62% em janeiro, bem superior à taxa de dezembro (0,34%).

O grupo alimentação e bebidas teve taxa de crescimento de preços menos acelerada, passando de 1,84% em dezembro para 1,21% em janeiro. Mesmo assim, com 0,28 ponto percentual de contribuição, os produtos alimentícios foram responsáveis por 37% do IPCA-15 do mês.

De dezembro para janeiro, alguns alimentos apresentaram taxas de crescimento menos intensas ou continuaram com resultados em queda. O item carnes passou de 1,08% para 0,11%, açúcar cristal (de 4,12% para 2,07%), açúcar refinado (de 8,24% para 3,04%), feijão carioca (de -12,72% para -16,98%), feijão preto (de -0,46% para -3,53%) e batata-inglesa (de -3,62% para -2,53%). Outros itens apresentaram aumentos expressivos, como o tomate (de -6,19% para 23,47%), a cebola (de -3,15% para 5,55%), a cenoura (de 0,20% para 25,09%), as hortaliças e verduras (de -1,43% para 8,57%) e as frutas (de -1,16% para 3,93%).



Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
26/01/2011 09:06:46

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras







Mais lidos

Blockchain: o que é e como funciona
Provavelmente você já ouviu falar em Blockchain por causa das moedas digitais. Mas, afinal, o que ...
Como ganhar dinheiro com renda fixa?
Os investimentos em renda fixa costumam ser para um perfil de investidor mais conservador. Geralment...
10 criptomoedas além do Bitcoin que você precisa conhecer
Você já deve ter escutado algo sobre Biticoin. As criptomoedas estão revolucionando o mercado fin...
Índices da bolsa de valores que você precisa conhecer
Se você está pensando em investir na bolsa, mas não sabe por onde começar, entender os termos e ...
Inteligência Artificial: é possível aplicar no mercado financeiro?
A inteligência artificial é uma realidade cada vez mais presente no mercado financeiro. As chamada...
Técnicas para melhorar a produtividade no trabalho
A produtividade no trabalho é algo cada vez mais cobrado pelas empresas. Aquelas que estabelecem um...




Publicidade