IPCA e perspectiva para Copom puxam juros futuros para baixo | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,785
Euro R$ 4,411
Bitcoin R$ 24.200,00
Bovespa 74.538,54
CDI 6,39% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 5,020
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


IPCA e perspectiva para Copom puxam juros futuros para baixo

SÃO PAULO  –  O IPCA de agosto, mais baixo do que o esperado, deu fôlego extra aos vendedores no mercado de juros. O resultado reforçou que recuperação da atividade econômica que começa a se desenhar não oferece pressão sobre inflação e, consequentemente, haveria muito espaço para corte de juro. Essa leitura levou os investidores a reforçar as apostas em uma Selic mais baixa, ao redor de 7% no fim deste ano.

O índice oficial de inflação subiu 0,19% no mês passado, ante a mediana das estimativas de 0,32%. Merece atenção a queda da inflação de serviços, que subiu apenas 0,01%, a menor variação desde o recuo de 0,05% registrado em julho de 2014.

A projeção consensual é um corte de um ponto percentual na taxa básica em decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) nesta quarta-feira. Há forte expectativa em relação à sinalização que o comunicado trará sobre os movimentos futuros da política monetária.

Diante de novos sinais de desinflação no país, o banco Mizuho do Brasil revisou para baixo a estimativa da Selic no fim de 2017. Agora, a instituição projeta que a taxa cairá até 7%, abaixo da leitura anterior de 7,5%. O caminho inclui corte de 1 ponto percentual na decisão do Copom desta quarta-feira, seguida de um movimento de 0,75 ponto em outubro e outro de 0,50 ponto em dezembro. A Selic ficaria estável ao longo de 2018, segundo a instituição. “Os números indicam uma desinflação disseminada e há espaço para corte agressivo de juros”, afirma o estrategista-chefe Luciano Rostagno.

Esse ambiente intensificou o movimento no contrato com vencimento em janeiro/2019 – que concentra as apostas para o ciclo total de juros e também marca o fim do governo Temer. Foram negociados 492.650 contratos, volume que supera o giro de pregões típicos, ao redor dos 300 mil contratos. A taxa encerrou a sessão em 7,62%, ante 7,76% no ajuste de ontem.

Mas também chama a atenção o movimento no DI janeiro/2021, que reflete a percepção de risco com o médio prazo. Essa taxa rompeu hoje o piso dos 9% e terminou o pregão a  8,97%, na mínima histórica para esse contrato, ante 9,20% no ajuste de terça-feira. Essa queda ainda é reflexo da possibilidade de anulação da delação da JBS, episódio que, na visão do mercado, dá mais força ao governo Temer e à perspectiva de avanço da agenda de reformas.

Fonte: Valor Econômico







Mais lidos

11 eventos de empreendedorismo em 2018 para você ficar ligado
Empreender é a sua meta para 2018, mas você não sabe por onde começar? E o que todo empreendedor...
Fuja desses 5 erros ao administrar suas finanças pessoais
Você sabe como administrar suas finanças pessoais? A sua resposta pode até ser sim, se você est...
Franquia home office: como lucrar trabalhando em casa
Abrir uma franquia home office é mais fácil e barato do que você imagina. E a notícia boa é: o ...
Cuidados ao contratar um seguro de celular
Ter um seguro é essencial para garantir a segurança e a comodidade caso algo dê errado ou não sa...
Investir em Portugal vale a pena? Descubra!
Vale investir em Portugal. Não é só a facilidade da língua que pode atrair investidores brasilei...
Conheça os 31 planos de saúde suspensos pela ANS
Muitas pessoas têm planos de saúde para evitar que em momentos de necessidade tenham que recorrer ...





Notice: Undefined variable: hidden in /var/www/finance-one/wp-content/themes/financeone_estrategia/single.php on line 46

Publicidade