Juros futuros longos interropem sequência de baixa em dia de ajustes | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,785
Euro R$ 4,411
Bitcoin R$ 24.200,00
Bovespa 74.538,54
CDI 6,39% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 5,020
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Juros futuros longos interropem sequência de baixa em dia de ajustes

SÃO PAULO  –  A alta dos juros futuros com prazos mais longos ganhou um pouco mais de força no fim do sessão regular desta segunda-feira. O avanço das taxas é atribuído a questões técnicas, com ajustes pontuais de posições após a sequência de baixas dos últimos dias.

No fim da sessão regular, às 16h, o DI janeiro/2021 subia a 8,970% (8,910% no ajuste anterior), enquanto o dólar comercial avançava 0,15%, a R$ 3,0992. Com o resultado, o contrato de renda fixa interrompe uma sequência de quatro baixa seguidas.

Apesar da correção, profissionais do mercado financeiro apontam que o ambiente de negócios ainda é favorável para a redução de prêmio. Tanto é que a percepção de risco – medida pela diferença entre os DIs – operou em baixa durante grande parte do dia.

A diferença entre o DI janeiro de 2023 e o DI janeiro de 2019 ficou em 1,91 ponto percentual, mesmo nível do fechamento de sexta-feira. A conta indica o prêmio exigido pelos investidores para se posicionarem em trechos mais longos. Embora se mantenha bem acima dos níveis anteriores ao estouro da crise política, em maio, a diferença vem diminuindo desde o fim do mês passado, quando girava em torno de 2,14 pontos.

O DI janeiro/2018 a recuava a 7,655% (7,660% no ajuste anterior). Por outro lado o DI janeiro/2019 subia e a 7,670% (7,620% no ajuste anterior), às 16h.

No fronte político, diminui a preocupação dos agentes financeiros com o impacto de uma eventual denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer (PMDB). O procurador-geral Rodrigo Janot tem até o dia 17 para apresentar a acusação. Esta é a data que ele deixa o cargo. Nas últimas semanas, a credibilidade das provas providas pelos empresários da JBS tem sido colocada em dúvida. E a prisão do empresário Joesley Batista neste fim de semana alimenta essa leitura.

Com isso, a aprovação de parte da reforma da Previdência começa a voltar para o cenário de alguns dos investidores, embora ainda seja vista com ceticismo.

“O prêmio no mercado não vai sumir de uma hora para outra, até porque a política segue com alguns pontos de atenção”, diz Paulo Petrassi, sócio e gestor na Leme Investimentos. A cautela é amparada pela prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) e a delação premiada do ex-doleiro Lúcio Bolonha Funaro. “Há receio de que Geddel e Funaro, se entregarem informações contra Temer, atrapalhem a esperança com a reforma da Previdência”, acrescenta.

No curtíssimo prazo, as atenções se voltam mais uma vez para a comunicação do Banco Central. Nesta terça-feira será divulgada a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), quando a Selic foi reduzida em 1 ponto percentual a 8,25% ao ano. A leitura a partir do comunicado é que o ritmo de cortes deve desacelerar, mas a taxa básica ainda tem espaço para cair.

Para a próxima reunião, o Copom afirmou que “vê, neste momento, como adequada uma redução moderada na magnitude de flexibilização monetária”. A condição seria a evolução conforme o esperado do cenário básico. O comitê também “antevê encerramento gradual do ciclo”.

Esses são os trechos que o mercado aguarda mais detalhamento, de modo a ajustar suas expectativas para o ponto final da Selic no ciclo atual. Por ora, a leitura de parte dos agentes financeiros é que o BC caminha para cortar a taxa em 0,75 ponto em outubro, com possibilidade de mais um movimento em dezembro.

No Boletim Focus, a mediana das projeções para a Selic no encerramento de 2017 foi para 7%, ante 7,25% na edição anterior. Para 2018, a estimativa cedeu de 7,50% para 7,25%.

As previsões para a inflação voltaram a cair e, para 2017, apontaram mediana de 3,14% e de 4,15% no ano que vem. Ao mesmo tempo, as expectativas para o PIB foram corrigidas de 0,5% para 0,6% este ano e de 2% para 2,10% no próximo.

Fonte: Valor Econômico







Mais lidos

11 eventos de empreendedorismo em 2018 para você ficar ligado
Empreender é a sua meta para 2018, mas você não sabe por onde começar? E o que todo empreendedor...
Fuja desses 5 erros ao administrar suas finanças pessoais
Você sabe como administrar suas finanças pessoais? A sua resposta pode até ser sim, se você est...
Franquia home office: como lucrar trabalhando em casa
Abrir uma franquia home office é mais fácil e barato do que você imagina. E a notícia boa é: o ...
Cuidados ao contratar um seguro de celular
Ter um seguro é essencial para garantir a segurança e a comodidade caso algo dê errado ou não sa...
Investir em Portugal vale a pena? Descubra!
Vale investir em Portugal. Não é só a facilidade da língua que pode atrair investidores brasilei...
Conheça os 31 planos de saúde suspensos pela ANS
Muitas pessoas têm planos de saúde para evitar que em momentos de necessidade tenham que recorrer ...





Notice: Undefined variable: hidden in /var/www/finance-one/wp-content/themes/financeone_estrategia/single.php on line 46

Publicidade