Monitor do PIB aponta sétima retração consecutiva da economia na comparação trimestral | FinanceOne
Conversor de moedas Transferência internacional

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.




Monitor do PIB aponta sétima retração consecutiva da economia na comparação trimestral


São Paulo, 18/11 (Enfoque) –

O Monitor do PIB-FGV de novembro, com informações até setembro do corrente ano, mostra retração de 0,99%, no terceiro trimestre em comparação ao segundo; trata-se da sétima retração consecutiva nesta comparação de trimestres calendário. A taxa trimestral de setembro contra igual trimestre do ano anterior apresenta retração de 3%, inferior àquela estimada pelo Monitor para o segundo trimestre, que havia sido de 3,4%. Estes resultados mostram uma resistência à recuperação da economia maior do que a previamente esperada”, afirma Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV.
 
Neste número, o Monitor do PIB-FGV (ver apêndice com nota explicativa), incorpora os resultados definitivos de 2014, recém divulgados pelo IBGE. Com isso as informações dos trimestres de 2014 e dos trimestres posteriores referentes aos anos de 2015 e 2016 sofrerão eventuais alterações quando o IBGE divulgar no dia 30 do corrente mês as revisões desde 2014 incluindo o terceiro trimestre deste ano.
 
Chama-se a atenção de que a taxa de crescimento do PIB de 2014 definitivo foi de fato 0,5% e não 0,1% conforme divulgado anteriormente pelo PIB trimestral.
 
Na tentativa de antecipar as revisões que serão feitas pelo IBGE, utilizou-se os seguintes procedimentos no Monitor do PIB-FGV: 1) o resultado anual de 2014 foi distribuído pelos trimestres de acordo com a mesma distribuição da base móvel do PIB Tri do IBGE não revisado; 2) as séries do PIB Mensal para 2015 e 2016 foram estimadas mantendo idênticas as taxas de variação da base móvel com relação ao novo resultado anual de 2014. Com tal procedimento há pequenas alterações nas taxas do PIB Tri estimadas pelo Monitor do PIB-FGV. Dessa forma a taxa de variação estimada pelo Monitor do PIB-FGV para o ano de 2015 passa a ser de -3,5%, ao invés dos -3,8% da série ainda não revista do PIB Tri do IBGE. Portanto, deve ficar claro que os resultados trimestrais da série desde 2014 são todas estimativas do Monitor do PIB-FGV, com base na nova estrutura de ponderação de 2014 e nas taxas trimestrais ainda não revistas do PIB Tri do IBGE.
 

A tabela Excel anexa detalha os seguintes resultados, estimados preliminarmente pelo Monitor, resultados estes que serão alterados após a próxima publicação da revisão do período de 2014 em diante e da divulgação do terceiro trimestre do PIB trimestral oficial do IBGE.

1) O terceiro trimestre apresentou retração de 0,99%, comparado ao segundo trimestre, na série com ajuste sazonal. Esta é a sétima variação negativa consecutiva, conforme ilustrado no Gráfico 1. Ainda na série livre de efeitos sazonais, o mês de setembro recuou 0,53%, em comparação a agosto.

grafico1


2) Na comparação do terceiro trimestre com o mesmo período em 2015, o PIB apresentou queda de 3,0%. Esta variação é menos negativa que a estimada pelo Monitor para o segundo trimestre do ano (-3,4%). As atividades de Agropecuária, Indústria também apresentam resultados menos negativos do que os estimados para o segundo trimestre, enquanto Serviços se manteve igual. No interior de cada atividade, à exceção de eletricidade, comércio e transportes as demais subatividades apresentam resultados melhores ou iguais àqueles estimados para o segundo trimestre do ano.

grafico2


3) A taxa mensal do PIB foi de -3,1% em setembro quando comparada a setembro do ano anterior. Das 12 atividades que compõem o PIB cinco não apresentaram taxas mensais negativas contra igual mês do ano anterior: agropecuária (2%), extrativa mineral (6,3%) eletricidade (8,1%), serviços imobiliários (zero) e administração pública (2,1%). Pela ótica da demanda todos os componentes apresentaram retração em setembro, à exceção do consumo do governo (zero) com destaque para a queda de 10,9,% na formação bruta de capital fixo. A importação foi positiva em 4,9%.

grafico3


4) A taxa acumulada em 12 meses do PIB continua em sua trajetória de desaceleração alcançando -4,2% no acumulado até setembro, sendo levemente menos negativa do que a apresentada nos dois meses anteriores. A exceção de serviços de informação (-3,4%), intermediação financeira (-3,1%), outros serviços (-2,6%), todas os demais componentes do PIB apresentam taxas acumuladas em 12 meses melhores em setembro do que as acumuladas até agosto.

5) Com relação ao mesmo período do ano anterior, o Consumo das Famílias encerrou o terceiro trimestre com retração de 3,8% e apresentou queda de 2,3% no mês de setembro. À exceção dos bens não duráveis, todos os demais bens de consumo apresentaram taxas negativas (ver Gráfico 4).

grafico4


6) A formação bruta de capital fixo (FBCF) recuou 11% no terceiro trimestre do ano em comparação ao mesmo trimestre de 2015. O componente ‘outros’ apresentou a maior variação negativa nesta comparação (-24,8%). O componente ‘máquinas e equipamentos’, apesar de ter retraído menos (-18,5%), apresentou maior contribuição a taxa negativa da FBCF devido a seu peso (35,7% em 2014), conforme ilustrado no gráfico 5. O componente ‘construção’ apresentou queda de 2,9% nesta mesma comparação. No mês de setembro a variação da Formação bruta de Capital Fixo foi de -10,9% quando comparado ao mesmo mês de 2015.

grafico5


7) A exportação recuou 0,1% no terceiro trimestre comparado ao mesmo período em 2015. As únicas taxas com variação negativa entre os componentes no terceiro trimestre, comparado ao segundo, foi a de ‘produtos agropecuários’, e ‘bens intermediários’. Ainda com relação ao mesmo período em 2015, o mês de setembro apresentou queda de 5%.

grafico6


8) As Importações retraíram 2,6% no terceiro trimestre, comparado ao mesmo mês em 2015; apesar de negativa, esta variação é a menos negativa desde o trimestre móvel findo em setembro de 2014 (+0,8%). Chama atenção nesta comparação a variação de bens intermediários (+16,7%), que apresentou rápida recuperação, já que no trimestre findo em julho retraiu 12% e a variação de bens de capital (-20,7%), que chegou a crescer 38,6%, no trimestre findo em julho. Na comparação mensal, o mês de setembro apresentou crescimento de 4,9%.

grafico7


APÊNDICE – NOTA EXPLICATIVA

O Monitor do PIB-FGV estima mensalmente o PIB brasileiro em volume. O objetivo de sua criação foi prover a sociedade de um indicador mensal do PIB, tendo como base a mesma metodologia das Contas Nacionais do IBGE. Sua série inicia-se em 2000 e incorpora todas as informações disponíveis das Contas Nacionais do IBGE (Tabelas de Recursos e Usos, até 2014, último ano de divulgação) bem como as informações do PIB-Tri do IBGE, até o último trimestre divulgado (segundo trimestre do corrente ano).

O indicador é ajustado ao PIB-Tri do IBGE sempre que há mudanças metodológicas e a cada trimestre divulgado. Ou seja, nos trimestres calendários, as médias trimestrais dos índices de volume do Monitor do PIB-FGV serão iguais aos indicadores trimestrais, sem ajuste sazonal, do PIB-Tri do IBGE. Nos trimestres calendário, são utilizados os mesmos modelos do IBGE para calcular todas as séries desagregadas com ajuste sazonal, tanto pela ótica da oferta, como da demanda. Para o ajuste sazonal mensal é utilizado o modelo mensal do IBC-Br; para os trimestres móveis utiliza-se uma média desses ajustes mensais.

Assim, as estimativas do Monitor do PIB-FGV antecedem o PIB-Tri do IBGE nos meses em que este é divulgado. E, nos meses em que não há divulgação, o Monitor representa uma excelente antecipação para as tendências do PIB e seus componentes.

O Monitor do PIB-FGV compõe-se de um relatório descrevendo os principais resultados com ilustrações gráficas e de uma tabela Excel com informações das 12 atividades econômicas que agrupadas formam os 3 setores de atividade (agropecuária, indústria e serviços). Apresenta, ainda, o Valor Adicionado a preços básicos, os impostos sobre os produtos e o PIB. Apresenta também os componentes do PIB pela ótica da demanda. Outro ponto a ser destacado é que o Monitor torna disponíveis desagregações que não são divulgadas pelo IBGE, mas que são relevantes para um melhor entendimento da absorção doméstica e da demanda externa. As desagregações disponibilizadas pelo Monitor são:

Consumo das Famílias: bens de consumo duráveis, semiduráveis, não duráveis e serviços. Adicionalmente eles são classificados em nacionais e importados;

Formação Bruta de Capital Fixo: em máquinas e equipamentos, construção e outros. Para máquinas e equipamentos e outros, há a desagregação entre nacionais e importados;

Exportações e Importações: em produtos agropecuários, produtos da extrativa mineral, produtos industrializados de consumo (duráveis, semiduráveis e não duráveis), produtos industrializados de uso intermediário, bens de capitais e serviços.

São divulgadas as séries de base móvel, séries encadeadas, séries encadeadas dessazonalizadas, as taxas mensais, trimestrais e anuais comparadas a igual período do ano anterior e as taxas mensais e trimestrais comparadas a período imediatamente anterior. Uma metodologia detalhada está disponível no link: clicando aqui.
 

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 18/11/2016 07:56:50

Deixe um comentário

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Receba novidades

Cadastre-se em nossa newsletter para receber novidades em seu email.

Posts relacionados

14 de novembro de 2018
Economia da América Latina apresenta sinais de melhora

A economia da América Latina melhorou entre julho e outubro. É o que diz o Indicador de Clima Econômico da América Latina (ICE). O estudo foi pr...

12 de novembro de 2018
62% dos trabalhadores da indústria temem perder empregos para robôs

Uma pesquisa recente realizada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a organização Latinobarómetro mostrou que 62% dos brasileiros t...

9 de novembro de 2018
Natal deve movimentar R$53,5 bilhões, aponta pesquisa

Falta pouco mais de um mês para o Natal. E é nessa época que as pessoas começam a se preparar para comprar os presentes. A previsão é de que nes...

8 de novembro de 2018
Brasil sobe 16 posições em ranking de ambiente de negócios

O Brasil melhorou seu ambiente de negócios. É o que diz o diagnóstico feito pelo Banco Mundial. O país subiu 16 posições em ranking do relatóri...

15 de outubro de 2018
Os cargos que podem ter maiores aumentos salariais em 2019

A tendência é que em 2019 diversos setores se tornem mais interessantes financeiramente para os profissionais. Confira os maiores aumentos salariais em 2019.

Mais lidos

Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco ...
Trabalhar em casa: 28 profissões para ganhar dinheiro
Trabalhar em casa e ganhar dinheiro no conforto do lar é um sonho para muitas pessoas. No Brasil, o ...
Quais são as moedas mais valorizadas do mundo?
Sabe quais são as moedas mais valorizadas do mundo? Você vai se surpreender! O Real é a terceira ...
Aposentadoria por idade 2018: como funciona?
A aposentadoria é um dos benefícios da Previdência Social. O Regime Geral de Previdência Social ...
Cartão de crédito com aprovação imediata existe?
Quem não quer ter um cartão de crédito hoje em dia para realizar as compras? Muitas instituiçõe ...

Ebook do FinanceOne

Ebook gratuito investidor iniciante

Quer investir mas não sabe como? O Guia Completo do Investidor Iniciante traz os primeiros passos para você começar a investir e ganhar dinheiro!

BAIXAR AGORA!

Publicidade


           




Guias

Calculadoras