Reserva Cambial – Posição consolidada em 9/1: US$ 372,974 bilhões

Reserva Cambial – Posição consolidada em 9/1: US$ 372,974 bilhões


São Paulo, 11/01 (Enfoque) –

As reservas cambiais do Brasil registraram na segunda-feira (9) posição consolidada de US$ 372,974 bilhões, sendo que sexta-feira (6) a posição era de US$ 372,692 bilhões. A variação foi positiva em US$ 282 milhões. Confira o gráfico:

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 11/01/2017 08:22:35







Câmbio – IPCA, Copom e fala de Trump definem rumos dos negócios

Câmbio – IPCA, Copom e fala de Trump definem rumos dos negócios


São Paulo, 11/01 (Enfoque) –

O dólar comercial teve na jornada de terça-feira leve valorização de 0,19%, encerrando o dia negociado a R$ 3,1990. A divisa passou a maior parte do dia operando em queda, mas revereteu o cenário na parte final do dia e teve alta modesta.  

A quarta-feira tem importantes fatores internos que devem nortear os negócios da moeda americana. É o caso do IPCA de dezembro, e por consequência de 2016, além da decisão do Copom, que deve cortar os juros. No entanto, a decisão do Banco Central vai se dar somente após o fechamento do mercado.

Mercado Externo

Mais uma vez a agenda econômica desta quarta-feira não reserva grandes atrativos para os investidores. No entanto, as atenções dos mercados estarão voltadas para um discurso importante que o presidente eleito Donald Trump fará na parte da tarde. A expectativa é que Trump se manifeste sobre algumas questões importantes de seu governo.

Mercado Interno

Com a cena política ainda em segundo plano, as atenções dos investidores, no cenário interno, estão voltadas para a divulgação dos números finais de 2016 do IPCA, bem como para a decisão do Copom. O mercado espera que o Banco Central decida pelo corte de pelo menos 0,5 ponto percentual.

Swap

O Banco Central não programou para a quarta-feira nenhuma espécie de intervenção no mercado de câmbio por meio de leilões de contratos de dólar comercial.

Reserva Cambial                 

As reservas cambiais do Brasil registraram na segunda-feira (9) posição consolidada de US$ 372,974 bilhões, sendo que sexta-feira (6) a posição era de US$ 372,692 bilhões. A variação foi positiva em US$ 282 milhões. Confira o gráfico:

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 11/01/2017 08:21:51







** DÓLAR ENCERRA COM LEVE ALTA, MAS FICA ABAIXO DE R$ 3,20

** DÓLAR ENCERRA COM LEVE ALTA, MAS FICA ABAIXO DE R$ 3,20


São Paulo, 10/01 (Enfoque) –

mais

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 10/01/2017 17:23:16







Procon-SP: Juros do cheque especial e do empréstimo ficam estáveis

Procon-SP: Juros do cheque especial e do empréstimo ficam estáveis


São Paulo, 10/01 (Enfoque) –

A pesquisa do Procon-SP mostra que os bancos mantiveram as taxas de juros do cheque especial e do empréstimo pessoal no começo deste ano. Os dados foram colhidos no dia 4 de janeiro e comparados com o levantamento feito em 2 de dezembro.

A taxa média para o empréstimo pessoal nos bancos pesquisados ficou em 6,51% ao mês (a.m.), a mesma do mês anterior. A maior taxa praticada foi pelo Santander, de 8,49% a.m., e a menor pela Caixa Econômica Federal, de 5,7% a.m..

A taxa média para o cheque especial foi 13,6% a.m., o mesmo percentual registrado no começo de dezembro. A maior taxa foi encontrada no Santander, de 15,49% a.m., e a menor no Safra, 12,6% a.m..

O levantamento levou em conta as instituições financeiras Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú, Safra e Santander.

A orientação do Procon é que, mesmo com as taxas de juros estabilizadas, os consumidores planejem o orçamento com critério, priorize o pagamento de dívidas e recorra ao crédito somente em casos de real necessidade

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 10/01/2017 11:11:21







Varejo cresce em novembro, mas vendas caem 6,4% em 11 meses

Varejo cresce em novembro, mas vendas caem 6,4% em 11 meses


São Paulo, 10/01 (Enfoque) –

As vendas do comércio varejista do país fecharam novembro com crescimento de 2% em relação a outubro, na série livre de influências sazonais, interrompendo uma sequência de quatro taxas negativas consecutivas e que levou o setor a fechar o período janeiro-novembro com queda de 6,4%, na comparação com o mesmo período de 2015.

Os dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) foram divulgados, hoje (10), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e indicam que, em novembro, a receita nominal do setor cresceu 0,9% frente a outubro.

Já no resultado acumulado de janeiro a novembro, a receita nominal do varejo cresceu 4,8%, frente ao mesmo período de 2015.

O IBGE ressalta que a variação positiva do volume de vendas em novembro compensou parte da perda acumulada pelo setor de 2,3% de julho a outubro, contribuindo para interromper a trajetória de queda no indicador de média móvel trimestral, de 0,3% observada desde maio de 2016.

Na série sem ajuste sazonal, no confronto com igual mês do ano anterior, o volume de vendas caiu 3,5% em relação a novembro de 2015, a vigésima taxa negativa seguida nesse tipo de comparação. Ainda assim, foi o recuo menos acentuado desde os -2,7% de junho de 2015.

Assim, os resultados permanecem negativos para o volume de vendas. Além dos -6,4% do ano, o acumulado dos últimos doze meses fechou negativo em 6,5%.

Varejo ampliado tem saldo positivo

Os dados divulgados pelo IBGE indicam, ainda, que no comércio varejista ampliado (que inclui, além do varejo, veículos, motos, partes e peças de material de construção) as variações sobre o mês imediatamente anterior também foram positivas.

O volume de vendas cresceu 0,6% e a receita nominal 0,3%, na série livre de influências sazonais. E nas comparações que envolvem o ano anterior (série dessazonalizadas), o volume de vendas apresentou resultados negativos com quedas de 4,5% em relação a novembro de 2015, de 8,8% no acumulado do ano e de 9,1% no acumulado dos últimos 12 meses.

Já a receita nominal acusou crescimento de 1,7% sobre novembro de 2015, mas fechou em queda nos períodos janeiro-novembro e nos últimos 12 meses: -0,6% e -0,8%, respectivamente.

Por atividades

O crescimento de 2% nas vendas do comércio varejista de outubro para novembro deste ano significa resultados positivos em cinco das oito atividades pesquisadas. O principal destaque veio do avanço de 0,9% em hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo; seguido pelos 7,2% de outros artigos de uso pessoal e doméstico e pelos 2,1% de móveis e eletrodomésticos. O setor de equipamentos de escritório, informática e comunicação cresceu 4,3%.

Na outra ponta, entre as atividades com redução no volume de vendas, entre outubro e novembro, aparecem tecidos, vestuário e calçados (-1,5%), livros, jornais, revistas e papelaria (-0,4%) e combustíveis e lubrificantes (-0,4%).

Resultados positivos em 23 estados

O crescimento de 2% nas vendas do comércio varejista, entre outubro e novembro do ano passado (série com ajuste sazonal) reflete resultados positivos em 23 das 27 unidades da federação, com as maiores taxas de variação sendo observadas em Tocantins (6%) e Paraíba (3,8%). Alagoas e Roraima, ambos com taxas de -0,9%, são os estados com recuos mais acentuados.

Frente a novembro de 2015, série sem ajuste sazonal, o comércio varejista registrou queda em 21 dos 27 estados para o volume de vendas, com destaque para Pará (-13,7%). Paraíba (11%) apresentou o maior aumento do volume das vendas em novembro.

No comércio varejista ampliado, 23 unidades da federação apresentaram variações negativas na comparação com novembro do ano passado. Em termos de volume de vendas, destacaram-se Pará (-14,2%) e Paraíba (3,2%). Os estados com maior impacto negativo foram São Paulo (-5,1%) e Rio de Janeiro (-7,4%).

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 10/01/2017 11:10:41







Chamada de Pré Abertura – Índice Futuro BMF: +0,2% + 120 pontos aos 62.620 pontos

Chamada de Pré Abertura – Índice Futuro BMF: +0,2% + 120 pontos aos 62.620 pontos


São Paulo, 10/01 (Enfoque) –

Var.%: 0,2
Var. Ptos: 120
Valor: 62.620

Nossa previsão acima foi baseada na oscilação do Mini S&P futuro com critérios de análise técnica:

– Variação do Mini S&P Futuro desde o fechamento da sessão anterior:

Var.%: 0,0
Var. Ptos:
0,5
Valor: 2.266,00

Veja como se comportou o Mini S&P desde o fechamento da sessão anterior no gráfico intraday de 15 minutos:

 

Veja como se comportou o Mini S&P desde o fechamento da sessão anterior no gráfico diário:

 

 

Analista de Valores Mobiliários responsável:

Fausto de Arruda Botelho CFTe; CNPI

Em conformidade com as disposições da Instrução CVM nº 388, eu Fausto de Arruda Botelho, analista de investimento responsável pela elaboração deste relatório declaro que:

1.       As análises e recomendações refletem única e exclusivamente minhas opiniões pessoais, às quais foram realizadas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à (Enfoque).

2.       Não mantenho vínculo com qualquer pessoa natural que atue no âmbito das companhias cujos valores mobiliiários foram alvo de análise neste Relatório.

3.       A Enfoque não administra fundos, carteiras e clubes de investimentos

4.       A Enfoque não possui participação acionária direta ou indireta, igual ou superior a 1% (um por cento) do capital social de quaisquer das companhias cujos valores mobiliários foram alvo de análise neste relatório.

5.       A Enfoque não está envolvida  na aquisição , alienação ou intermediação de valores mobiliários das objeto de análise neste relatório.

6.       Não sou titular, direta ou indiretamente, de valores mobiliários de emissão da(s) companhia(s) objeto da análise neste Relatório, que representem 5% (cinco por cento) ou mais de meu patrimônio pessoal, e não estou envolvido na aquisição, alienação e intermediação de tais valores mobiliários no mercado.

7.       Nem eu nem a Enfoque recebemos remuneração por serviços prestados e não temos relações comerciais com qualquer das companhias cujos valores mobiliários foram alvo da análise neste relatório, ou pessoa natural ou pessoa jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que atue representando o mesmo interesse desta(s) companhia(s).

8.       Minha remuneração não está, atrelada à precificação de quaisquer dos valores mobiliários de emissão da(s) companhia(s) objeto de análise neste Relatório, nem às eventuais receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Enfoque com esta(s) companhia(s).

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 10/01/2017 08:48:34







Pauta do Dia – Bolsas operam sem definição de rumos em dia de agenda fraca

Pauta do Dia – Bolsas operam sem definição de rumos em dia de agenda fraca


São Paulo, 10/01 (Enfoque) –

Ásia

As bolsas de valores da Ásia encerram a terça-feira com perdas, depois de um resultado que foi favorável no início da semana. A queda do dólar, que fortaleceu moedas por todo o mundo, como é o caso o iene, fez com que o índice Nikkei, de Tóquio, fechasse novamente em queda. Desta vez, a desvalorização foi de 0,79%.   

Europa

Os mercados acionários da Europa oscilam entre altas e baixas a após um início de sessão negativo. Pela manhã, a preocupação com a saúde dos bancos italianos voltou a preocupar os investidores europeus. No entanto, aos poucos, os índices de ações mostram alguma recuperação.

EUA

Com uma agenda fraca nesta terça-feira, o mercado está com as atenções voltadas para indicadores que serão anunciados no decorrer da semana, bem como para pronunciamentos de presidentes regionais do Federal Reserve. Por exemplo, William Dudley, de Nova York, fala na quarta-feira, enquanto Dennis Lockhart, de Atlanta, se pronuncia na quinta-feira.

Brasil

O noticiário político local segue em segundo plano, com as atenções ainda voltadas para as negociações dos deputados e senadores para a eleição para a presidência da Câmara e do Senado. Mas, o mercado aguarda para amanhã os números do IPCA de 2016 e também a decisão do Copom

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 10/01/2017 08:40:41







Reserva Cambial – Posição consolidada em 6/1: US$ 372,692 bilhões

Reserva Cambial – Posição consolidada em 6/1: US$ 372,692 bilhões


São Paulo, 10/01 (Enfoque) –

As reservas cambiais do Brasil registraram na sexta-feira (6) posição consolidada de US$ 372,692 bilhões, sendo que quinta-feira (5) a posição era de US$ 372,765 bilhões. A variação foi negativa em US$ 73 milhões.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 10/01/2017 08:29:35







Câmbio – Após nova queda, dólar deve sofrer ajustes antes do Copom

Câmbio – Após nova queda, dólar deve sofrer ajustes antes do Copom


São Paulo, 10/01 (Enfoque) –

O dólar comercial voltou a ter uma importante queda na jornada de segunda-feira, perdendo quase 1% e encerrando assim a R$ 3,1950, o que representa o menor valor desde a vitória de Donald Trump. O resultado foi consequência de uma desvalorização na cotação da moeda americana no mercado global.  

A terça-feira será mais um dia sem grandes indicadores de destaque na agenda econômica, com os investidores ficando atentos a outros fatores e também a dados vindos da Europa e da China. Destaque para o início da reunião do Copom, que deve amanhã anunciar um corte dos juros. O mercado espera pela redução de 0,5 ponto percentual.

Mercado Externo

Com uma agenda fraca nesta terça-feira, o mercado está com as atenções voltadas para indicadores que serão anunciados no decorrer da semana, bem como para pronunciamentos de presidentes regionais do Federal Reserve. Por exemplo, William Dudley, de Nova York, fala na quarta-feira, enquanto Dennis Lockhart, de Atlanta, se pronuncia na quinta-feira.

Mercado Interno

O noticiário político local segue em segundo plano, com as atenções ainda voltadas para as negociações dos deputados e senadores para a eleição para a presidência da Câmara e do Senado. Mas, o mercado aguarda para amanhã os números do IPCA de 2016 e também a decisão do Copom

Swap

O Banco Central não programou para a terça-feira nenhuma espécie de intervenção no mercado de câmbio por meio de leilões de contratos de dólar comercial.

Reserva Cambial                 

As reservas cambiais do Brasil registraram na sexta-feira (6) posição consolidada de US$ 372,692 bilhões, sendo que quinta-feira (5) a posição era de US$ 372,765 bilhões. A variação foi negativa em US$ 73 milhões.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 10/01/2017 08:28:15







Inflação pelo IPC-S cresce em cinco das sete capitais pesquisadas

Inflação pelo IPC-S cresce em cinco das sete capitais pesquisadas


São Paulo, 10/01 (Enfoque) –

O IPC-S de 07 de janeiro de 2017 registrou variação de 0,50%, 0,17 ponto percentual (p.p.) acima da taxa divulgada na última apuração. Cinco das sete capitais pesquisadas registraram acréscimo em suas taxas de variação.
 
A tabela a seguir, apresenta as variações percentuais dos municípios das sete capitais componentes do índice, nesta e na apuração anterior.
0701

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 10/01/2017 08:12:41