Início Notícias Finanças Pessoais Plano de saúde com coparticipação: como funciona?

Plano de saúde com coparticipação: como funciona?

4.5
(37)

O plano de saúde com coparticipação pode ser uma alternativa para quem deseja ter serviços médicos, sem pagar muito.

Ele é parecido com o plano de saúde tradicional, seja individual ou coletivo.

A diferença é que, com coparticipação, o usuário paga, além da mensalidade, por cada serviço utilizado.

Como por exemplo, consultas, exames, procedimentos ou internações. Em geral, esse tipo de seguro apresenta uma mensalidade mais baixa.

É necessário, porém, avaliar se vale a pena contratar um plano desse tipo. Isso porque o consumidor terá que pagar uma taxa a cada vez que passar por uma consulta ou fizer um exame.

Plano de saúde com coparticipação
Os planos de saúde com coparticipação cobram uma taxa sobre os serviços utilizados

Tal taxa varia de uma seguradora para outra. Ela pode ser cobrada por meio de um valor fixo ou um percentual, determinado pelo próprio plano, conforme previsto em contrato.

Uma consulta pode custar R$20 ou 20% do valor previsto na tabela da prestadora.

De acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a operadora só está proibida de cobrar o valor integral do procedimento.

Por esse motivo, o consumidor deve ficar atento. Quando optar por esse plano, o ideal é observar atentamente o que dispõe no contrato. Sobretudo em relação ao repasse dos valores e os reajustes.

O que é cobrado no plano com coparticipação?

O plano de saúde com coparticipação, hoje em dia, é aquele em que o usuário paga uma parcela pelos serviços utilizados, além do valor fixo mensal. Entre os serviços cobrados estão:

Consultas médicas – O valor é cobrado por consulta. Porém, vale ressaltar que não será cobrada coparticipação no retorno dentro do prazo de 30 dias.

Exames simples – São cobrados por exame e não por coleta. Caso seja necessário fazer uma coleta de sangue, isso não quer dizer que irá pagar o valor referente a um exame.

Através de uma coleta poderão ser feitos vários tipos de exames, como por exemplo: hemograma, triglicerídeos, Colesterol, Glicose, TSH e etc. Geralmente em um check-up básico é necessário fazer em torno de 10 a 15 exames simples.

Exames especializados – Os exames especializados são cobrados individualmente. Se precisar, por exemplo, de uma ressonância magnética, será cobrado o valor referente a um exame especializado.

Internações – É o mesmo caso dos exames especializados. Será cobrado o valor da coparticipação referente à internação, indiferente se a internação for de um dia ou dez dias.

Não será cobrada coparticipação sobre os exames realizados em regime de internação.

Quando o plano de saúde com coparticipação é útil?

Em decorrência da crise financeira brasileira, cerca de 70% dos brasileiros não têm plano de saúde particular.

Os dados são do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em parceria com o Ibope.

A mesma pesquisa aponta que 56% acreditam que a saúde pública piorou nos últimos 12 meses.

Por esse motivo, o plano de saúde com coparticipação é uma forma de trazer maior segurança a todo e qualquer usuário em um momento de crise.

Com a pequena taxa cobrada, é possível ter um plano de saúde com mensalidades mais baixas que as praticadas no mercado.

O serviço com coparticipação é indicado para pessoas que utilizam pouco o atendimento de saúde.

E quando esse plano não é indicado?

Os especialistas apontam que o plano de saúde com coparticipação não é indicado para quem tem uma doença preexistente. Ele também não vale a pena para uma gestante ou quem planeja ter um filho.

Um plano de saúde na modalidade completa pode ser o ideal para aqueles que pretendem fazer plano familiar que inclua crianças pequenas.

Isso porque a probabilidade de agendamento de consultas e exames com frequência ao longo do mês é grande.

Geralmente, esse perfil de usuário não faz parte da população idosa. Porque requer maior atenção médica na maioria das vezes.

Além disso, com o plano completo, você pagará mensalmente o preço acordado no contrato e nenhum outro valor a mais para agendar as especialidades desejadas. Independentemente do número de procedimentos realizados mensalmente.

Como é feita a cobrança na coparticipação?

A cobrança da taxa de coparticipação não é feita mediante a utilização do plano. O valor referente à utilização da coparticipação é acrescentado ao valor mensal recebido na mensalidade do plano de saúde.

Por outro lado, devido à recessão econômica, os planos de saúde estão passando por uma crise. Afinal, seus clientes estão migrando para a saúde pública.

Por isso, estão pleiteando cobrar franquia e coparticipação em consultas e exames. Caso a operadora não esclareça alguma das condições do serviço e o consumidor acabe prejudicado por isso, a orientação é reclamar à ANS.

Procure também o Procon da cidade e, em último caso, acione a Justiça.

Confira as vantagens do plano de saúde com coparticipação

Está pensando em contratar um plano de saúde com coparticipação? Antes de fechar o contrato é importante conhecer as vantagens que esse tipo de plano irá lhe oferecer. Confira abaixo!

-> A mensalidade do plano é mais em conta;

-> A cobertura é a mesma de um plano comum;

-> Ideal para quem não tem doenças crônicas, mas quer ter mais tranquilidade em relação à saúde;

Conheça as curiosidades do plano de saúde com coparticipação

Esse tipo de plano é muito procurado pelas pequenas e médias empresas, assim como pelos microempreendedores individuais (MEIs). Isso por conta das vantagens que a coparticipação oferece para os usuários.

Mas o plano de saúde com coparticipação também pode ser a escolha para quem está em busca de planos individuais e/ou familiares e coletivos por adesão. Esses costumam ser fornecidos por associações ou sindicatos.

Uma das principais vantagens desse tipo de plano é que as mensalidades são mais em conta. Isso é possível porque há o pagamento de uma taxa e de cada procedimento realizado. Com isso, o plano com coparticipação acaba saindo mais barato quando comparado com os planos tradicionais.

Porém, mesmo com essa vantagem é importante estar atento. Isso porque o usuário desse plano paga parte do valor do procedimento. Sendo assim, a coparticipação acaba impedindo o excesso de utilização indevida por parte do segurado.

E esse é um dos motivos para que as instituições empresariais adotem esse tipo de plano de saúde. Já que não tem um excessivo número de consultas e exames.

O que achou disso?

Deixei sua classificação

Média da classificação 4.5 / 5. Número de votos: 37

Seja o primeiro a avaliar este post.

Redação
O FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde 2003, publicamos conteúdos que buscam traduzir desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa. Nossa missão é mostrar que qualquer pessoa pode ter controle financeiro e fazer as escolhas certas. Assim como ter no dinheiro um aliado para viver bem e conquistar seus sonhos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Calendário auxílio emergencial: veja datas até final do ano

Se você está esperando o pagamento de alguma parcela, fique atento e veja o calendário auxílio emergencial da Caixa.

Como fica o 13º salário de quem teve jornada de trabalho reduzida?

O fim do ano chegou e com ele a época do pagamento do 13º salário também. Porém, durante 2020 ocorreram algumas mudanças...

O que esperar do mercado financeiro em 2021?

Tudo indica que 2021 seja menos turbulento para o mercado financeiro que este ano. Afinal, notícias indicam de que algumas vacinas para...

Como abrir conta digital para crianças? Confira 3 passos

Pensando no futuro das crianças, muitos responsáveis decidem criar uma reserva financeira para elas. Alguns, no entanto, não sabem que é possível...

Como é calculado o reajuste de aluguel? Confira!

Todo ano, os locatários são informados sobre o reajuste de aluguel. E, para não ficar no prejuízo, é essencial que você saiba...

Quais as barreiras para inclusão de negros no mercado financeiro?

"Não se aceitam pessoas de cor". Essa frase era bastante comum em anúncios de emprego até 1950, como descreve Abdias do Nascimento...