PNAD Contínua: em novembro, taxa de desocupação foi de 11,9% | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,256
Euro R$ 4,011
Bitcoin R$ 36.690,00
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 4,552
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


PNAD Contínua: em novembro, taxa de desocupação foi de 11,9%


São Paulo, 29/12 (Enfoque) –

Indicador / Período

 Set – Out – Nov
2016
Jun – Jul – Ago
2016
Set – Out – Nov
2015
Taxa de desocupação
11,9%
11,8%
9,0%
Rendimento real habitual
R$ 2.032
R$$ 2.027
R$ 2.041
Variação % do rendimento em relação a:
(estável)
(estável)

A taxa de desocupação do trimestre móvel de setembro a novembro de 2016 (11,9%) foi a mais elevada desde o início da série, em 2012, embora tenha ficado estatisticamente estável em relação à taxa do trimestre móvel de junho a agosto de 2016 (11,8%). Em relação ao mesmo trimestre de 2015 (9,0%), houve alta de 2,9 pontos percentuais.

A população desocupada no período chegou a 12,1 milhões de pessoas, o maior contingente da série histórica, mantendo estabilidade estatística em relação ao
trimestre móvel de junho a agosto de 2016 (12,0 milhões) e crescendo 33,1% em relação ao mesmo trimestre de 2015, o que equivale a 3,0 milhões de pessoas a mais em busca de trabalho.

A população ocupada, estimada em 90,2 milhões, ficou estável em relação ao trimestre de junho a agosto de 2016 e recuando 2,1% em comparação com igual trimestre do ano passado (92,2 milhões de pessoas), o que representa uma redução de aproximadamente 1,9 milhão de pessoas ocupadas.

O contingente de empregados no setor privado com carteira de trabalho assinada (34,1 milhões de pessoas) ficou estável em relação ao trimestre de junho a agosto de 2016, mas caiu 3,7% (ou menos 1,3 milhão de pessoas com carteira de trabalho assinada) em relação ao mesmo trimestre móvel de 2015.

O rendimento médio real habitualmente recebido pelas pessoas ocupadas
(R$ 2.032) ficou estável frente ao trimestre de junho a agosto de 2016 (R$ 2.027) e também em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.041).

A massa de rendimento real habitual em todos os trabalhos pelas pessoas ocupadas (R$ 178,9 bilhões) não mostrou variação significativa em relação ao trimestre de junho a agosto de 2016 e caiu (-2,0%) frente ao mesmo trimestre de 2015. A publicação completa da PNAD Contínua Mensal pode ser acessada aqui.

Quadro 1 – Taxa de Desocupação – Brasil – 2012/2016
 
Trimestre móvel20122013201420152016
nov-dez-jan
7,2
6,4
6,8
9,5
dez-jan-fev
7,7
6,8
7,4
10,2
jan-fev-mar
7,9
8,0
7,2
7,9
10,9
fev-mar-abr
7,8
7,8
7,1
8,0
11,2
mar-abr-mai
7,6
7,6
7,0
8,1
11,2
abr-mai-jun
7,5
7,4
6,8
8,3
11,3
mai-jun-jul
7,4
7,3
6,9
8,6
11,6
jun-jul-ago
7,3
7,1
6,9
8,7
11,8
jul-ago-set
7,1
6,9
6,8
8,9
11,8
10°
ago-set-out
6,9
6,7
6,6
8,9
11,8
11°
set-out-nov
6,8
6,5
6,5
9,0
11,9
12°
out-nov-dez
6,9
6,2
6,5
9,0
 
Fonte: IBGE, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua
 

Gráfico 2 – Pessoas de 14 anos ou mais de idade, desocupadas na semana de referência – Brasil – 2012/2016 (em mil pessoas)

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua.

O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) foi estimado em 54,1% no trimestre de setembro a novembro de 2016, com estabilidade frente ao trimestre de junho a agosto de 2016, (54,2%) e retração de 1,8 ponto percentual, em relação ao nível do mesmo trimestre do ano anterior (55,9%).

A força de trabalho (pessoas ocupadas e desocupadas), estimada em 102,3 milhões de pessoas, ficou estável em relação ao trimestre de junho a agosto de 2016 e cresceu 1,1% (mais 1,1 milhão de pessoas) frente ao mesmo trimestre de 2015.

O contingente fora da força de trabalho no trimestre de setembro a novembro de 2016 (64,5 milhões de pessoas) apresentou estabilidade em relação ao trimestre de junho a agosto de 2016 e cresceu 1,5% (mais 967 mil pessoas) frente ao mesmo trimestre de 2015.

O contingente de empregados no setor privado com carteira de trabalho assinada, estimado em 34,1 milhões de pessoas, apresentou estabilidade em comparação com o trimestre de junho a agosto de 2016. O confronto com o trimestre de setembro a novembro de 2015 mostrou queda de 3,7%, o que representou diminuição de cerca de 1,3 milhão de pessoas com carteira de trabalho assinada.

Já o número de empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada (10,5 milhões de pessoas) cresceu 2,4% (ou mais 246 mil pessoas) em relação ao trimestre móvel de junho a agosto de 2016 e aumentou em 3,5% (mais 350 mil pessoas) contra o mesmo trimestre de 2015.

A categoria dos trabalhadores por conta própria (21,9 milhões de pessoas) caiu (-1,3%) frente ao trimestre de junho a agosto de 2016 (menos 297 mil pessoas). Em relação ao mesmo período de 2015, também houve queda (-3,0%, ou menos 673 mil pessoas).

O contingente de empregadores, estimado em 4,2 milhões de pessoas, teve crescimento de 5,5%, mais 216 mil pessoas em relação ao trimestre de junho a agosto de 2016. Em relação ao mesmo período do ano anterior, esse contingente manteve-se estatisticamente estável.

O contingente dos trabalhadores domésticos (6,1 milhões de pessoas) ficou estável em ambas as comparações.

Gráfico 4 – Pessoas de 14 anos ou mais de idade, ocupadas na semana de referência – Brasil – 2012/2016 (mil pessoas)

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua.

A análise do contingente de ocupados, segundo os grupamentos de atividade, do trimestre móvel de setembro a novembro de 2016, em relação ao trimestre de junho a agosto de 2016, mostrou retração em dois grupamentos: na agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e agricultura (3,9%, ou seja – 359 mil pessoas) e na construção (-2,2% ou seja, 155 mil pessoas) e expansão nos grupamento de alojamento e alimentação (4,6%, ou seja, 209 mil pessoas) e de outros serviços (5,7%, ou seja, 237 mil pessoas). os demais grupamentos se mantiveram estáveis.

Em relação ao mesmo trimestre de 2015, os seguintes grupamentos se retraíram: agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e agricultura, –4,7% (-438 mil pessoas), indústria geral, -8,2% (-1,0 milhão de pessoas), construção, -9,0% (-702 mil pessoas), informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, –2,6% (-256 mil pessoas) e serviços domésticos, -3,1% (-194 mil pessoas). Houve aumentos nos grupamentos de alojamento e alimentação, 7,8% (346 mil pessoas) e outros serviços, 7,0% (287 mil pessoas). os demais grupamentos não sofreram alteração.

O rendimento médio real habitualmente recebido pelas pessoas ocupadas (R$ 2.032) ficou estável frente ao trimestre de junho a agosto de 2016 (R$ 2.027) e também em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.041).

A única posição na ocupação com queda no rendimento médio real habitual em relação ao trimestre de junho a agosto de 2016 foi a dos trabalhadores por conta própria (-2,7%). As demais categorias não variaram. Em relação ao mesmo trimestre de 2015, os empregadores tiveram queda no rendimento (-5,9%) e as outras categorias ficaram estáveis.

Na comparação com o trimestre de junho a agosto de 2016, o único grupamento de atividade que apresentou variação no rendimento médio real habitual foi o da agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e agricultura (3,5%). Frente ao mesmo trimestre do ano anterior, esta estimativa permaneceu estável em todos os grupamentos de atividade.

A massa de rendimento real habitual em todos os trabalhos pelas pessoas ocupadas
(R$ 178,9 bilhões) não mostrou variação significativa em relação ao trimestre de junho a agosto de 2016 e caiu (-2,0%) frente ao mesmo trimestre de 2015.

Quadro 3 – Rendimento real habitualmente recebido em todos os trabalhos
pelas pessoas ocupadas – Brasil – 2012/2016

 
Trimestre móvel20122013201420152016
nov-dez-jan
2.001
2.058
2.102
2.037
dez-jan-fev
2.013
2.080
2.102
2.020
jan-fev-mar
1.982
2.025
2.103
2.103
2.035
fev-mar-abr
1.996
2.031
2.100
2.092
2.023
mar-abr-mai
1.983
2.040
2.094
2.087
2.030
abr-mai-jun
1.985
2.058
2.063
2.092
2.005
mai-jun-jul
2.001
2.071
2.034
2.074
2.011
jun-jul-ago
2.004
2.079
2.043
2.063
2.027
jul-ago-set
2.003
2.078
2.067
2.066
2.023
10°
ago-set-out
1.998
2.084
2.081
2.058
2.030
11°
set-out-nov
1.996
2.077
2.074
2.041
2.032
12°
out-nov-dez
1.994
2.064
2.085
2.030
 

Fonte: IBGE, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 29/12/2016 08:16:54







Mais lidos

Blockchain: o que é e como funciona
Provavelmente você já ouviu falar em Blockchain por causa das moedas digitais. Mas, afinal, o que ...
Como ganhar dinheiro com renda fixa?
Os investimentos em renda fixa costumam ser para um perfil de investidor mais conservador. Geralment...
10 criptomoedas além do Bitcoin que você precisa conhecer
Você já deve ter escutado algo sobre Bitcoin. As criptomoedas estão revolucionando o mercado fina...
Índices da bolsa de valores que você precisa conhecer
Se você está pensando em investir na bolsa, mas não sabe por onde começar, entender os termos e ...
Inteligência Artificial: é possível aplicar no mercado financeiro?
A inteligência artificial é uma realidade cada vez mais presente no mercado financeiro. As chamada...
Técnicas para melhorar a produtividade no trabalho
A produtividade no trabalho é algo cada vez mais cobrado pelas empresas. Aquelas que estabelecem um...




Publicidade